sábado, 30 de outubro de 2010

Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro: 200 anos!


0 Comentários

Fonte: www.bn.br
A Biblioteca Nacional do Brasil comemora seus 200 anos. Considerada pela Unesco como uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo, neste ano, a instituição comemora, também, o centenário de fundação do prédio, localizado na Cinelândia, no Rio de Janeiro. Sob sua guarda, somam-se mais de 9 milhões de obras. Centenas de pesquisadores, estudantes, turistas, passam diariamente pelo prédio. Para comemorar, vai inaugurar, no dia 3 de novembro, a exposição “Biblioteca Nacional 200 anos: Uma defesa do infinito”.


O início da trajetória da Biblioteca está ligado a um dos mais decisivos momentos da história do país: a transferência de toda a família real e da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, quando da invasão de Portugal pelas forças de Napoleão Bonaparte, em 1808.

O acervo trazido para o Brasil, de 60 mil peças, entre livros, manuscritos, mapas, estampas, moedas e medalhas, foi inicialmente acomodado numa das salas do Hospital do Convento da Ordem Terceira do Carmo, na Rua Direita, hoje Rua Primeiro de Março. Em 29 de outubro de 1810, um decreto do Príncipe Regente determinou que o lugar acomodasse a Real Biblioteca e instrumentos de física e matemática. A data de 29 de outubro de 1810 é considerada oficialmente como a da fundação da Real Biblioteca que, no entanto, só foi franqueada ao público em 1814.

Quando, em 1821, a Família Real regressou a Portugal, D. João VI levou de volta grande parte dos manuscritos do acervo. Depois da Proclamação da Independência, a aquisição da Biblioteca Real pelo Brasil foi regulada, mediante a Convenção Adicional ao Tratado de Paz e Amizade celebrado entre o Brasil e Portugal, em 29 de agosto de 1825.

O prédio atual da FBN teve sua pedra fundamental lançada em 15 de agosto de 1905 e foi inaugurado cinco anos depois, em 29 de outubro de 1910. O prédio foi projetado pelo General Francisco Marcelino de Sousa Aguiar, e a construção foi dirigida pelos engenheiros Napoleão Muniz Freire e Alberto de Faria. As instalações do novo edifício correspondiam na época de sua inauguração a todas as exigências técnicas: pisos de vidro nos armazéns, armações e estantes de aço com capacidade para 400.000 volumes, amplos salões e tubos pneumáticos para transporte de livros dos armazéns para os salões de leitura. Essas instalações são eficientes e até hoje encontram-se em uso.

Exposição

A Biblioteca Nacional abre ao público, no dia 3 de novembro, a exposição Biblioteca Nacional 200 Anos: Uma Defesa do Infinito. Uma fantástica seleção de duzentas peças originais exibirá algumas das maiores preciosidades e curiosidades sob guarda da instituição. A curadoria é do escritor Marco Lucchesi.

A exposição exibe a história da Biblioteca, desde sua viagem para o Brasil, com a Corte Portuguesa, em 1808, até os dias de hoje, e faz um passeio sobre o acervo de livros, manuscritos, periódicos, pinturas, partituras musicais, entre outras peças ligadas ao acervo.

Em destaque, a Bíblia de Mogúncia (1462), impressa por ex-sócios de Gutemberg, criador da imprensa; um Livro de Horas (livro de orações) da Idade Média, com pinturas a ouro; a primeira edição de Os Lusíadas, de Luís de Camões; A menina do narizinho arrebitado, de 1920, de Monteiro Lobato; peças que integram a Coleção Teresa Cristina Maria, doada à instituição por D. Pedro II; edições de periódicos como a revista Tico Tico e O Pasquim; manuscritos de Clarice Lispector, Raul Pompéia, Castro Alves, Graciliano Ramos e Carlos Drummond de Andrade; a ópera O Guarani (1871), de Carlos Gomes; mapas, entre tantas outras peças do acervo.

No terceiro andar da Biblioteca, uma exposição especial conta a história do edifício, fundado em 1910.



"Biblioteca Nacional 200 anos: Uma defesa do infinito"

Biblioteca Naciona (Rua México, s/nº - Centro - Rio de Janeiro/RJ. Tel.: 21 3095-3879

Visitação: 03 de novembro a 25 de fevereiro

Segunda a Sexta, 10h às 17h

Sábado, 10h às 15h

Entrada gratuita

Censura Monteiro Lobato?


1 Comentários

Duas notas sobre a possibilidade de censura à obra de Monteiro Lobato.
1) Conselho quer vetar livro de Monteiro Lobato em escolas

Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 29/10/2010.
Autoras: Angela Pinho e Johanna Nublat.

Parecer sugere que obra não seja distribuída sob a alegação de que é racista. Racismo em "Caçadas de Pedrinho" estaria nas referências à Tia Nastácia e a animais como urubu e macaco.

Monteiro Lobato (1882-1948), um dos maiores autores de literatura infantil, está na mira do CNE (Conselho Nacional de Educação). Um parecer do colegiado publicado no "Diário Oficial da União" sugere que o livro "Caçadas de Pedrinho" não seja distribuído a escolas públicas, ou que isso seja feito com um alerta, sob a alegação de que é racista.

Para entrar em vigor, o parecer precisa ser homologado pelo ministro da Educação, Fernando Haddad. O texto será analisado pelo ministro e pela Secretaria de Educação Básica. O livro já foi distribuído pelo próprio MEC a colégios de ensino fundamental pelo PNBE (Programa Nacional de Biblioteca na Escola).

Em nota técnica citada pelo CNE, a Secretaria de Alfabetização e Diversidade do MEC diz que a obra só deve ser usada "quando o professor tiver a compreensão dos processos históricos que geram o racismo no Brasil".

Publicado em 1933, "Caçadas de Pedrinho" relata uma aventura da turma do Sítio do Picapau Amarelo na procura de uma onça-pintada. Conforme o parecer do CNE, o racismo estaria na abordagem da personagem Tia Nastácia e de animais como o urubu e o macaco.

"Estes fazem menção revestida de estereotipia ao negro e ao universo africano", diz a conselheira que redigiu o documento, Nilma Lino Gomes, professora da UFMG.

Entre os trechos que justificariam a conclusão, o texto cita alguns em que Tia Nastácia é chamada de "negra". Outra diz: "Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou, que nem uma macaca de carvão".

Em relação aos animais, um exemplo mencionado é: "Não é à toa que os macacos se parecem tanto com os homens. Só dizem bobagens".

Por isso, Nilma sugere ao governo duas opções: 1) não selecionar para o PNBE obras que descumpram o preceito de "ausência de preconceitos e estereótipos"; 2) caso a obra seja adotada, tenha nota "sobre os estudos atuais e críticos que discutam a presença de estereótipos raciais na literatura".

À Folha Nilma disse que a obra pode afetar a educação das crianças. "Se temos outras que podemos indicar, por que não indicá-las?"

Seu parecer, aprovado por unanimidade pela Câmara de Educação Básica do CNE, foi feito a partir de denúncia da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, ligada à Presidência, que a recebeu de Antonio Gomes da Costa Neto, mestrando da UnB.

2) Não fariam isso se fosse Shakespeare, diz professora
Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 29/10/2010.

Milena Ribeiro Martins, especialista em Monteiro Lobato e professora de literatura brasileira e teoria literária da Universidade Federal do Paraná, defende a utilização das obras do escritor nas escolas e remete ao mediador de leitura a discussão sobre o tratamento aos negros. “De fato, aparecem muitos ditos preconceituosos na obra de Monteiro Lobato. [Hoje] temos um linguajar politicamente correto que é tido como modelo, e tudo o que foge a ele é errado: preto é menos desejável que negro, melhor ainda é afrodescendente. Na época de Lobato, é bom que a figura do negro apareça com o destaque de uma pessoa afável como a Tia Nastácia. Antes, aparecia só como denúncia social ou não aparecia. Então, temos uma personagem negra que assume voz importante, mesmo que seja chamada de negra beiçuda”.

Senado francês vota a lei do preço fixo para e-books


0 Comentários

Fonte: Publishing Perspectives. Data: 27/10/2010.

Autoria: Olivia Snaije.

A França está procurando formas de proteger suas pequenas livrarias e editoras de gigantes como a Amazon, a Apple e o Google, e na noite desta terça-feira (26), o Senado aprovou, por unanimidade, a proposta de lei que fixa os preços dos e-books. Até agora, os e-books não estavam incluídos na famosa Lei Lang, que proíbe a venda de livros com mais de 5% de desconto no preço de capa. O ministro da Cultura e da Comunicação, Fréderic Mitterrand, expressou sua satisfação com a votação, embora o Actualité, um blog sobre o mercado editorial, tenha chamado isso de “catástrofe”, citando protecionismo e também o fato de que bibliotecas não poderão oferecer e-books assim que eles forem lançados devido a um dos artigos da proposta de lei.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Google não é diretamente responsável por conteúdo


0 Comentários

Por Mayara Barreto

O Google não é diretamente responsável pelos conteúdos inseridos em seus domínios e sim mero prestador de serviços. Mas precisa retirar do ar o mais breve possível perfis falsos no Orkut — site de relacionamentos. O entendimento é do desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Francisco Loureiro, que reduziu a indenização imposta ao Google em ação movida pelo piloto de Fórmula 1, Rubinho Barrichello. A ação foi movida por causa da publicação de um perfil falso no piloto no Orkut.

Ele explicou que para fixar o valor do dano moral, devem-se levar em conta suas funções ressarcitória e punitiva. Na função ressarcitória, olha-se para a vítima e para a gravidade objetiva do dano. Na função punitiva, olha-se para quem causou o dano para que a indenização represente advertência. Com base nisso, ele diminuiu a indenização de R$ 850 mil para R$ 200 mil.

Em primeira instância, o Google foi condenado ao pagamento de R$ 850 mil por danos morais mais R$ 50 mil por novo perfil falso e comunidades criados. E, caso descumprisse a medida cautelar, sofreria multa diária de R$ 1 mil. Na época, o valor da indenização por dano moral, atualizado desde que a ação foi impetrada, poderia chegar a mais de R$ 1,2 milhão.

A empresa recorreu. Alegou no TJ-SP a inviabilidade técnica de fiscalização prévia e controle de conteúdo que iniba os usuários de inserirem remissão ao nome de Barrichello. Sustentou que é necessário que ele indique as páginas que deseja ver removidas do site. Isso porque considera inviável o atendimento da obrigação genérica. Argumentou, ainda, que não pode funcionar com o censor e repressor à ampla liberdade de manifestação do pensamento, constitucionalmente assegurada.

O Google também defendeu a inaplicabilidade da teoria do risco, de modo que a responsabilidade é subjetiva. Insistiu na inexistência de ilícito e na ausência de dano causado ao autor. Disse também que a responsabilidade é exclusiva de terceiros, que inseriram os perfis falsos e criaram as comunidades de conteúdo ofensivo. Por isso, pediu a redução do valor da indenização arbitrada e dos honorários advocatícios.

O desembargador ressaltou que é de conhecimento de todos que as comunidades são grupos temáticos formados por internautas previamente cadastrados no Orkut, sob um título e interesse comum. “Os perfis, por seu turno, são os dados de identificação — reais ou fictícios — pelos quais o internauta se cadastra e se faz conhecer no Orkut, instruído eventualmente com fotografias e preferências pessoais. Os perfis em exame são apenas aqueles que se identificam falsamente como da pessoa notória Rubens Barrichello, que nunca se cadastrou no Orkut”.

Loureiro lembrou que a polêmica sobre o tema é persistente, inclusive pela falta de legislação, e “a tendência mundial, é a da não responsabilização dos intermediários pelo conteúdo dos dados transmitidos e armazenados, salvo quando produzirem, selecionarem ou modificarem as informações”, comentou.

Ele disse que o Google não é diretamente responsável pelos conteúdos que são inseridos em seus domínios, caracterizando-se no serviço mencionado, como mera prestadora de serviços de hospedagem. “Mas, sem dúvida a empresa deveria divulgar a identidade dos usuários que utilizam seus serviços para que, na hipótese de prática ilícita, terceiros possam reprimir os responsáveis diretos pela prática do ato ilícito”.

O relator disse que a redução levou em conta que os perfis falsos, embora não retirados do site imediatamente, como seria exigível, o foram 40 dias depois, antes do ajuizamento da Ação Cautelar. As comunidades ofensivas, por seu turno, perduraram por mais alguns dias, até a concessão da liminar.

Ele considerou excessivo o valor fixado da indenização e, por isso, a reduziu. Além disso, excluiu da condenação a indenização de R$ 50 mil em virtude da criação de novos perfis falsos e comunidades no domínio.

Para ler a decisão: http://s.conjur.com.br/dl/reducao-indenizacao-google-pagar-rubens.pdf

FONTE/ORIGEM => http://www.conjur.com.br/2010-out-26/google-nao-diretamente-responsavel-conteudos-dominios

Fonte: Lista Infolegis, 27/10/2010.

Graciliano Ramos no cinema


0 Comentários

Fonte: O Globo. Data: 27/10/2010.

Autor: Joaquim Ferreira dos Santos

Sylvio Back começa a filmar em novembro, no Rio e em Alagoas, um documentário sobre o universo de Graciliano Ramos, conta a coluna Gente Boa. A base é “Angústia”, o único dos grandes livros do escritor jamais filmado.

Para ler:

Ramos, Graciliano. Angústia. 56ª Rio de Janeiro: Record, 2003. 336 p. ISBN 9788501067128

Para 25% dos alunos do Ensino Fundamental, ler é sacrifício


0 Comentários

Fonte: PublishNews. Data: 27/10/2010.

Um em cada quatro alunos do Ensino Fundamental acha que ler é "um sacrifício", alerta a pesquisa “Leitura e qualidade de ensino”, encomendada pela Fundação SM e realizada por Mara Kotscho Pesquisas de Mercado. Os resultados parciais desse estudo, que investiga os hábitos de leitura de crianças e professores de escolas públicas e privadas de São Paulo, foram apresentados na última sexta-feira (22), durante o Fórum de Leitura promovido pela entidade. A análise das informações obtidas está a cargo das professoras Marisa Lajolo, da Unicamp e do Mackenzie, e Regina Zilberman, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Segundo Marisa, a pesquisa evidencia a necessidade de se repensar a formação do professor: se este não gostar de ler, dificilmente será capaz de despertar o interesse dos alunos pela leitura.

Para incentivar o desenvolvimento de uma geração de leitores no Brasil, a Fundação SM reuniu, no fórum, representantes do Ministério da Educação, do Ministério da Cultura e da Fundação para o Desenvolvimento da Educação de São Paulo, bem como professores que desenvolvem projetos inovadores em sala de aula. Se, por um lado, políticas públicas como o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) e o projeto Ler é Viver estão colocando mais livros de literatura ao alcance dos alunos, de outro lado é o empenho de professores em aulas, saraus de leitura e festivais literários que está rompendo com o desinteresse de crianças e jovens.

A identificação com as histórias e a autonomia dos alunos na escolha do que querem ler são essenciais, concordaram os professores convidados, pois motivam o interesse pela leitura. Mas “para formar um leitor, é importante criarmos uma comunidade leitora, um ambiente em que aquela criança possa conversar sobre o que está lendo com outras pessoas”, destaca a professora Marisa Lajolo. Afinal, ainda que a leitura seja uma atividade solitária, ela promove um repensar sobre si e se reflete na formação e na ação social de cada cidadão.

Os resultados completos da pesquisa serão divulgados ainda neste ano.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Novidades no Catálogo On-line das Bibliotecas da PUCRS (Aleph500)


1 Comentários

A Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Brasil, recentemente disponibilizou melhorias no Catálogo On-line das Bibliotecas, com a implantação da versão 20 do sistema Aleph500.

A interface gráfica foi aprimorada, com novo design e novas funções:

* INTERFACE NO IDIOMA INGLÊS

Em razão do crescente número de estudantes estrangeiros na Universidade e como iniciativa para internacionalizar o acesso às informações do acervo da Biblioteca, foi disponibilizada a interface do Catálogo On-line no idioma Inglês.

Para alternar os idiomas de qualquer página, basta clicar na bandeira que fica no menu superior do Catálogo.

Na interface em Inglês é possível ainda traduzir automaticamente o resumo de teses, dissertações e artigos de periódicos para diversos idiomas, através do serviço Google Translator. Para isso, o usuário precisa somente clicar no link "Click here to translate this abstract via Google".

Acesso à interface em Inglês:
http://verum.pucrs.br/ALEPH?func=find-b-0&con_lng=eng


* OBRAS RELACIONADAS

Recurso especial, criado para o Catálogo On-line do sistema Aleph500, por Matthew Phillips da University of Dundee (Escócia).

Através desse recurso é possível visualizar, a partir do registro completo de cada material recuperado em buscas, uma relação com links para outros materiais do catálogo que possuem relacionamento com o mesmo:

1. Quem retirou esta obra também retirou:
Lista obras retiradas em comum por dois ou mais usuários. Funciona como nos sites de livrarias (quem comprou esse livro... também comprou esses...);

2. Algumas obras que tratam dos mesmos assuntos:
Lista obras que possuem dois ou mais assuntos em comum com a obra recuperada;

3. Algumas obras com mesmo título:
Lista obras que possuem o mesmo título principal da obra recuperada:
* do mesmo autor (outras edições);
* de autores diferentes.

Para acessar esse recurso, basta clicar no botão "Ver Obras Relacionadas" a partir da tela do registro completo.

Esses relacionamentos são continuamente re-verificados, com freqüência diária, para incluir os títulos novos no catálogo e para re-avaliar os cruzamentos do histórico de empréstimos e de assuntos.

Alguns exemplos:
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000061123
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000057944
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000059658
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000072927
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000082927
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000062527
http://verum.pucrs.br/F/?func=find-b&find_code=SYS&request=000162527


* NOVA TELA PARA FILTRAR RESULTADOS

A tela "Filtrar Resultados" do Catálogo On-line permite reduzir a quantidade de registros obtidos na última pesquisa realizada, através da aplicação de diversos filtros.

A novidade está na reunião das opções de filtragem de resultados em uma única página.

Os filtros disponíveis são: Palavra-chave, Ano de Publicação, Biblioteca, Novos Registros, Idioma, Tipo de Material, Intervalo de Texto e Texto em um campo.

Para saber mais sobre a filtragem de resultados, acesse a página de ajuda do Catálogo das Bibliotecas da PUCRS:
http://verum.pucrs.br/ajuda/a.html?article=short-filter

terça-feira, 26 de outubro de 2010

1001 livros para ler antes de morrer


0 Comentários

Fonte: Editora Sextante. Data: 26/10/2010.

URL: http://www.esextante.com.br/

“1001 livros para ler antes de morrer” (Sextante, 960 pp., R$ 59,90 – Tradução de Ivo Korytowski, Marcelo Mendes e Paulo Polzonoff Jr.), de Peter Boxall, reúne resenhas elaboradas por uma equipe de escritores, críticos literários e jornalistas internacionais das obras de ficção de maior impacto da história. Neste guia, o leitor encontra de clássicos como Dom Quixote, de Cervantes, e Os Lusíadas, de Camões, até os mais recentes e inovadores, como Almoço nu, de William Burroughs, e Tudo se ilumina, de Jonathan Safran Foer. Autores de língua portuguesa também estão presentes. Entre eles, Aluísio de Azevedo, Guimarães Rosa, Lima Barreto, Lygia Fagundes Telles e Mia Couto. Dividido por séculos, o guia é uma obra ricamente ilustrada.

Leitura no Metrô


0 Comentários

Fonte: PublishNews. Data: 26/10/2010.

Desde ontem (25) - e até o dia 29 de outubro, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) está distribuindo oito mil livros nas estações. Nesses dias, os passageiros vão encontrá-los nas catracas ou nas lanchonetes, por exemplo. É só pegar, ler, e deixar em algum lugar público para que outra pessoa também possa encontrá-lo e fazer o mesmo. A organização é da Biblioteca CPTM - Mário Covas, que conta com o apoio da Biblioteca Pública Monteiro Lobato de Osasco e ainda de 22 instituições, entre editoras e órgãos estaduais. Além disso, durante toda a semana haverá bate-papo com escritores, sessões de autógrafos, apresentação de dança e de música e muito mais.

Leituras de Fernando Pessoa chegam à internet


0 Comentários

URL: http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt/

Conhecer o que lia Fernando Pessoa, as anotações que fazia nos seus livros, como ideias para poemas surgiam durante suas leituras. Agora, isso vai ser possível a qualquer pessoa: já está disponível na internet a biblioteca digital do poeta português, no sitio da casa-museu dedicada a ele. Os livros são os que acompanharam o poeta desde a adolescência - na época em que ele ainda morava na África do Sul. "O livro mais antigo é do século 19, quando Pessoa tinha 12 a 14 anos. São livros que vão desde essa época até sua morte, com 47 anos", conta o professor Jerônimo Pizarro, responsável pelo trabalho. O último livro foi parar na biblioteca do escritor em outubro de 1935, um mês antes de sua morte. No total, o espólio de Fernando Pessoa que está na casa-museu reúne 1.312 títulos. No entanto, apenas pouco mais de 1.100 estarão disponíveis para consulta.

Conferência luso-brasileira sobre Acesso Livre


0 Comentários

1ª Conferência luso-brasileira sobre Acesso Livre, Universidade do Minho, 25 e 26 de Novembro de 2010.


No Website da Conferência (http://confoa2010.acessolivre.ptconfoa2010.acessolivre.pt) já está disponível informação (ainda provisória) sobre comunicações e posters aceites para integrar o programa científico da 1ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Livre.

Como o número de participantes que serão aceites está limitado à capacidade da sala, e para aproveitar eventuais preços especiais oferecidos por alguns hotéis de Braga, aconselhamos que efectuem a inscrição na conferência (http://bit.ly/bFnDND) e a reserva de alojamento (caso necessário) tão depressa quanto possível. Foram disponibilizadas informações sobre alojamento em: http://bit.ly/9Fk1iy .

Convidámos-vos ainda, para além de se inscreverem na conferência, a registarem-se e usarem as redes sociais associadas à conferência como o Facebook e o Twitter. São uma excelente forma para informar outros colegas que irão participar na conferência, agendar encontros e reuniões durante o evento, mas também para dialogar e interagir com outros participantes mesmo ANTES da conferência começar.

Esperamos-vos nas redes sociais desde já e em Braga no final de Novembro!

Ricardo Saraiva

Universidade do Minho - Serviços de Documentação

RepositóriUM: https://repositorium.sdum.uminho.pt
Campus de Gualtar, 4710-057 Braga - Portugal
Telefone: +351 253 604 150 Ext.: 605153
Fax: +351 253 604 159

Resgate de acervos documentais danificados por água


0 Comentários

Objeto da Consulta Pública: *RECOMENDAÇÃO PARA O RESGATE DE ACERVOS


DOCUMENTAIS DANIFICADOS POR ÁGUA*

*Período:*

*Início: 24 de setembro de 2010

Final: 31 de outubro de 2010*


Esta Consulta Pública tem por finalidade promover a participação da sociedade no processo de tomada de decisões do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ.

A consulta é dirigida principalmente aos setores envolvidos com a *preservação documental, arquivos, bibliotecas, museus, centros de documentação e a todos que se interessam pelo tema.*

Essa versão para Consulta Pública de *RECOMENDAÇÃO PARA O RESGATE DE ACERVOS DOCUMENTAIS DANIFICADOS POR ÁGUA*, foi elaborada por especialistas da Câmara Técnica de Preservação de Documentos do CONARQ e aprovada na 58ª reunião plenária do CONARQ, realizada no dia 19 de agosto de 2010.

Nesse processo, serão recebidas e analisadas as contribuições para a Consulta Pública, e será divulgado o resultado após a publicação da versão final do documento colocado em discussão.

Contamos com a sua participação, enviando suas contribuições. As contribuições devem ser encaminhadas para:

conarq@arquivonacional.gov.br ,

antonio@arquivonacional.gov.br



*Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ* Arquivo Nacional

Praça da República, 173 - Centro

Rio de Janeiro RJ - 20211-350

[Link para o texto da recomendação]

http://http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/recomendaes_da_ctpd_para_o_resgate_de_acervos.doc

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Internet próxima de atingir 2 bilhões de usuários em 2010


0 Comentários

Autora: Veronica C. Silva.

Fonte: IDG Now. Data: 25/10/2010.

Dos 226 milhões de novos internautas previstos até o fim de 2010, 162 milhões estarão em países em desenvolvimento como Brasil, Rússia e Índia.

Até ao final deste ano, o número mundial de internautas deve atingir a marca de dois bilhões, sendo os países em desenvolvimento os principais responsáveis por esse índice, de acordo com o último relatório da International Telecommunication Union (ITU) - em português, União Internacional das Telecomunicações.

Segundo o estudo, intitulado "The World in 2010: ICT facts and figures", (em português, "O Mundo em 2010: fatos e números das Tecnologias da Informação e Comunicação"), ao todo, 1,2 bilhão de pessoas estarão localizadas em países em desenvolvimento. Dos 226 milhões de novos usuários previstos até o final de 2010, 162 milhões estarão em nações como Brasil, Rússia e Índia.

A estimativa é que a China contine sendo o maior mercado de Internet no mundo, com mais de 420 milhões de pessoas.

No entanto 71% de toda a população dos chamados países de primeiro mundo conseguem acessar a web, enquanto esse número cai para 21% em países em desenvolvimento.

Acesso privado x público

Outro detalhe apontado pelo estudo são as diferenças no modo como as pessoas ao redor do mundo acessam e utilizam tal tecnologia. De acordo com a ITU, até o final de 2010, o número de usuários que podem acessar a web de casa chegará a 1,6 bilhão contra 1,4 bilhão no ano passado. Esta é uma realidade comum, principalmente na Europa e em alguns países na América onde a banda larga é a tecnologia mais utilizada.

Já nos países sub-desenvolvidos, a Internet é acessada por meio de escolas, escritórios e locais públicos, como cafés, por exemplo.

Por região, o relatório observou que também há uma diferença considerável na utilização da web entre as populações.

A cada 100 habitantes, o número de internautas na região da Ásia-Pacífico deve chegar a 21,9; na região árabe será de 24,9; enquanto na Europa, a previsão é que esse índice seja bastante superior, atingindo 65; na América 55 e na África de apenas 9,6 pessoas.

Telefonia Móvel

No entanto, quando se fala em telefonia móvel, são os países desenvolvidos que comandam o crescimento.

"Nestes países, a taxa de penetração móvel chegará a 68% no final de 2010, impulsionado principalmente pela região Ásia-Pacífico", indica o relatório. As Filipinas e a China também foram citadas por contribuir significativamente para as receitas das operadoras de telefonia móvel devido às receitas geradas com SMS no ano passado.

Juntos, Estados Unidos e Filipinas foram responsáveis por 35% de todos os SMS enviados em 2009. Já a receita de SMS representou 12% da receita total da maior operadora móvel da China, observou a ITU.

Novo número: Encontros Bibli


0 Comentários

Acaba de ser publicado o novo número dos "Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e


Ciência da Informação", v. 15, n. 30, 2010 [URL: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/issue/view/1412].

Sumário:
Editorial
--------
Recursos tecnológicos e informacionais ativos na Encontros Bibli
Ursula Blattmann, Rosângela Schwarz Rodrigues, Araci Isaltina de Andrade Hillesheim

Artigos

--------

Uma outra face dos metadados: informações para a gestão da preservação
Luís Fernando Sayão

Estudo exploratório sobre ontologias aplicadas a modelos de sistemas de informação: perspectivas de pesquisa em Ciência da Informação

Maurício Barcellos Almeida, Viviane Nogueira Pinto Oliveira, Kátia Cardoso Coelho

Novas perspectivas dos estudos de satisfação de usuários
Luciana Ferreira da Costa, Francisca Arruda Ramalho

Aprendizagem profissional: a docência na biblioteconomia
Edileuda Soares Diniz, Ademar de Lima Carvalho

O contexto profissional do indexador no ensino de indexação
Mariângela Spotti Lopes Fujita

O profissional bibliotecário e o domínio da língua inglesa: necessidade ou formalidade do mercado de trabalho?
Elizabeth Andrade Duarte, Rogério Manoel de Oliveira Braga

sábado, 23 de outubro de 2010

Manuscritos do Mar Morto vão para a web


0 Comentários

Autora: Paula Rothman.

Fonte: Info Online. Data: 20/10/2010.

Fundação israelense responsável pela manutenção dos Manuscritos do Mar Morto faz parceria com Google para disponibilizá-los na web.

A coleção de 972 documentos é um dos grandes achados arqueológicos do século 20. Eles foram descobertos ao sul de Jerusalém em 1964, ao fundo de uma caverna às margens do Mar Morto e possuem mais de dois mil anos.

Ao todos, são mais de 30 mil fragmentos que contém as cópias mais antigas da Bíblia Hebraica, além de outras passagens de importância histórica e religiosa. Devido á sua fragilidade, eles são mantidos em ambientes com luz e temperatura controladas. Um pesquisador que queira ter acesso a eles só pode removê-los por algumas horas, para evitar a deterioração do material.

O objetivo da Israel Antiquities Authority é justamente tornar mais acessível esse conteúdo. Para isso, lançará Biblioteca Digital Leon Levy dos Manuscritos do Mar Morto, um projeto de custo estimado em US$3,5 milhões e que teve início há três anos.

Desde 2008, a IAA vem estudando a melhor maneira de digitalizar essas imagens em alta resolução. O método escolhido foi desenvolvido pela NASA e permite uma qualidade igual à visualização real – ou melhor: graças à luz infravermelha utilizada, será possível visualizar também coisas que já foram apagadas pelo tempo.

O equipamento deve ser instalado no início do ano que vem e, assim que as imagens começarem a ficar prontas, entra em cena a equipe do Google. Sua missão é não só colocar as imagens online, mas traduzir os textos originais em Hebraico, Aramaico e Grego para o Inglês. Além disso, a biblioteca contará com um mecanismo avançado de buscas. O melhor: todas as imagens estarão disponíveis de graça

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Apresentação do livro ‘PRESERVMAP – Um Roteiro da preservação na Era Digital’


0 Comentários

No próximo dia 26 de Outubro, pelas 17h30, vai ter lugar a sessão de apresentação do livro PRESERVMAP – Um roteiro da preservação na Era Digital, fruto do trabalho de investigação de doutoramento da Dra. Maria Manuela Pinto, uma das minhas professoras de referência durante a Licenciatura em Ciência de Informação, FLUP/FEUP.

A sessão terá lugar na Sala de Reuniões da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (2º Piso). A obra será apresentada pelo Professor Doutor Óscar Mealha, da Universidade de Aveiro.
 
Estou certo de que esta será mais uma obra de referência para os profissionais de informação e para a própria fundamentação epistemológica da Ciência da Informação.

Lula não cumpriu promessa de investimentos em Cultura


1 Comentários

Fonte: Veja. Data: 20/10/2010.

Quando nomeou Gilberto Gil ministro da Cultura, em 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu elevar a verba da pasta para o equivalente a 1% do Orçamento. Sete anos depois, a promessa ainda não foi cumprida. Na festa de apoio promovida por artistas para a candidata do governo à Presidência, Dilma Rousseff, ninguém se lembrou de avaliar os gastos do Planalto com Cultura, que chegaram a 2,23 bilhões de reais em 2010 - o equivalente a 0,23% do total do Orçamento.

De acordo com reportagem desta quarta-feira do jornal O Globo, no ano da promessa, o investimento na pasta era de 0,08% do total do Orçamento. Para 2011, o Ministério da Cultura deverá receber 2,23 bilhões de reais, ou 0,23% dos 974,8 bilhões de reais previstos no Orçamento. Os gastos do setor, porém, devem ser maiores, graças a emendas de deputados e senadores.

O orçamento da Cultura em 2010 foi o quinto menor da Esplanada, à frente apenas dos ministérios da Pesca, Esporte, Indústria e Comércio e Relações Exteriores. No ano que vem. A pasta deve registrar a terceira pior posição, superando somente os ministérios da Pesca e do Esporte.

Divulgado texto do tratado secreto sobre direitos de autor (ACTA)


0 Comentários

A versão final do acordo internacional “Anti-Counterfeiting Trade Agreement” (ACTA) deixa a porta aberta para os países introduzirem a chamada regra dos três avisos, que pretende permitir o corte do acesso à Internet aos utilizadores que fizerem o download de material protegido por copyright.
O ponto polémico do texto permite que os signatários do acordo possam requerer aos ISPs a divulgação de informações pessoais sobre os clientes. No entanto, o texto foi aligeirado relativamente ao documento original, que dizia que as partes “devem” legislar para exigir informações aos ISP. Fontes próximas das negociações dizem que o documento actual pode ser visto como sugerindo “o que é considerado a melhor prática”, o que pode ser interpretado como um incentivo aos países para introduzir essas medidas draconianas.
Os membros do Parlamento Europeu que tinham ficado preocupados com o sigilo em torno das negociações receberam o texto ao mesmo tempo que os jornalistas e não serão informados sobre as negociações até quinta-feira. Alguns parlamentares já ameaçaram bloquear o acordo se não lhes for dado tempo suficiente para analisar as suas ramificações.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas será extinta


0 Comentários

Segundo a proposta do Orçamento de Estado para 2011 a Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas será extinta e as suas atribuições serão integradas na Biblioteca Nacional.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Restam 5 anos de vida para o livro em suporte papel...


2 Comentários

CNN - As e-book readers and tablets become more common, author Nicholas Negroponte says [VIDEO]  that the physical book will be gone in five years.

Está de acordo? Será que conseguimos deixar o papel no que concerne aos livros? 

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Chamada de novos trabalhos para a Prisma.com - até 31 de Outubro de 2010


0 Comentários

Até 31 de Outubro de 2010 serão aceites propostas de artigos, entrevistas e recensões para publicação na PRISMA.COM.

PRISMA.COM, propriedade da unidade de investigação CETAC.Media (Centro de Estudos em Tecnologias, Artes e Ciências da Comunicação), é uma publicação on-line dedicada à pesquisa de temas, problemas e casos de intersecção e convergência das novas tecnologias digitais com a complexidade dos fenómenos de informação e comunicação.

PRISMA.COM publica: a) artigos de natureza teórica, ensaística ou de comentário e reflexão, bem como trabalhos monográficos nos domínios das Ciências da Informação e Comunicação (CIC); b) trabalhos de natureza empírica, privilegiando a sua natureza inter e transdisciplinar; c) Recensões críticas da literatura própria destes domínios; d) noticiário sobre actividades em curso ou a desenvolver, bem como entrevistas e outros materiais de carácter informativo e de divulgação nestas áreas do conhecimento.

A publicação das colaborações será sujeita a avaliação prévia, por especialistas, em regime de anonimato.

Os artigos devem respeitar as normas e estilos de redacção, e ser submetidos por via electrónica, para o e-mail da Revista Prisma.Com.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Brasiliana Eletrônica


2 Comentários

URL: http://www.brasiliana.com.br/

Idealizada por Octales Marcondes Ferreira, presidente da Companhia Editora Nacional, como a "quinta série" de uma coleção mais ampla, intitulada Biblioteca Pedagógica Brasileira, a Brasiliana compõe-se de 387 volumes, acrescidos de 26 da série Grande Formato e de dois da Série Especial. A Coleção foi lançada logo após a Revolução de 1930 e a criação do Ministério da Educação, tendo a dirigi-la, por 25 anos, o grande educador Fernando de Azevedo, depois substituído pelo historiador Américo Jacobina Lacombe. Ela foi editada no período de 1931 a 1993.

Sua abrangência se estende pelas principais áreas do saber, da História à Antropologia, da Ciência Política à Geografia, da Sociologia à Lingüística, da Economia às Ciências Naturais, reunindo autores nacionais e estrangeiros que se debruçaram sobre o Brasil, inclusive a importante contribuição dos viajantes europeus que percorreram o país no século XIX.

O exemplo da Companhia Editora Nacional foi seguido por inúmeras outras iniciativas do gênero, como as coleções Documentos Brasileiros, da Editora José Olympio; Azul, da Editora Schmidt; Reconquista do Brasil, da Editora Itatiaia; Memória Brasileira, da Melhoramentos; Corpo e Alma do Brasil, da Difel; Dimensões do Brasil, da Vozes; Retratos do Brasil, da Civilização Brasileira e, mais recentemente, da Companhia das Letras.

A apresentação na Internet da íntegra de uma biblioteca como a Coleção Brasiliana constitui um desafio que só uma instituição como a Universidade Federal do Rio de Janeiro poderia vencer. Ao assumir este projeto a UFRJ permite disseminar entre a população um precioso acervo de conhecimentos sobre o Brasil e uma das mais fecundas reflexões sobre a nossa terra e a nossa gente.

Este projeto apresenta um trabalho editorial, com informações sobre os autores e a obra reproduzida; oferecer ao pesquisador o fac-símile do livro e ao, mesmo tempo, levar ao estudante o mesmo texto nos padrões atuais de ortografia. 85 obras já estão disponíveis no sítio.

Biblioteca Nacional espera verba do BNDES para acervo


0 Comentários

Autor: Bruno Boghossian.
Fonte: O Estado de S. Paulo. Data: 14/10/2010.
Cerca de 3,5 milhões de exemplares de periódicos, entre eles, “A Província de São Paulo”, ficarão em prédio na zona portuária

Um acervo de 3,5 milhões de exemplares de jornais e revistas vai contar os últimos 200 anos da história do Brasil em uma nova unidade da Biblioteca Nacional na zona portuária do Rio. A instituição espera receber recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para organizar uma coleção de peças raras, como edições do Diário Oficial do Império e exemplares dos primeiros periódicos do País. A verba pedida será usada para reformar um prédio, que precisa passar por adaptações para receber o peso do acervo gigantesco de jornais e revistas. O objetivo é criar ali uma hemeroteca - nome dado às coleções de periódicos e publicações seriadas. Atualmente, a coleção de jornais e revistas está armazenada em 17 quilômetros de prateleiras, divididas entre o edifício da zona portuária e a sede da biblioteca, na Cinelândia, centro do Rio.

Intimidade da vida privada e familiar


0 Comentários

"DIVULGAÇÃO DE DOCUMENTOS REFERENTES À INTIMIDADE DA VIDA PRIVADA E FAMILIAR DE OUTREM: RESPONSABILIDADE CIVIL" - Eis um interessante e elucidativo artigo sobre os limites impostos por lei para a divulgação de documentos referentes à intimidade da vida privada e familiar de outrem e que num mundo onde a informação está à distância de um click se torna imperdível.

Biblioteconomia: periódicos brasileiros na internet


1 Comentários

Autor: Murilo Cunha
Fonte: Infohome, v. 9, n. 29, outubro 2010.
Colunas: A Biblioteca do Bibliotecário
URL: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=553

A atualização técnica deve ser um objetivo constante de qualquer profissional e uma das maneiras mais simples de fazê-la é por meio da leitura de artigos publicados em periódicos técnico-cientificos. Com o advento do periódico eletrônico e do movimento do acesso livre, essa tarefa ficou extremamente fácil e sem nenhum custo!

Hoje estão disponibilizados na internet inúmeros periódicos da nossa área. Portanto, por meio de alguns cliques no teclado do computador o bibliotecário pode buscar esses títulos e selecionar os artigos de seu interesse, os quais podem ser lidos imediata ou posteriormente. Para que esta última opção possa ser executada é necessário que se faça o download e o salvamento do artigo desejado; a leitura do artigo pode ser feita a partir do monitor de vídeo do computador ou do texto impresso pela impressora. O profissional pode aos poucos montar uma verdadeira biblioteca digital com os textos de seu interesse selecionados a partir desses periódicos eletrônicos.

Abaixo estão listados os 27 periódicos brasileiros que incluem artigos de Biblioteconomia e áreas correlatas, publicados sob a modalidade de acesso livre, isto é, títulos que disponibilizam gratuitamente os seus conteúdos proporcionando assim, uma maior democratização de acesso ao conhecimento. Em cada registro estão os dados bibliográficos básicos, o seu endereço na internet, as menções dos principais assuntos inseridos na publicação e as línguas dos artigos escritos. São eles:

Arquivística.net [URL: http://www.arquivistica.net/ojs/index.php] v. 1-, 2005- , semestral. ISSN: 18084826. Assuntos cobertos: ciência da informação e da arquivística, em suas relações interdisciplinares com a biblioteconomia, museologia e ciência da computação. Línguas dos artigos: português, inglês e espanhol.

Biblionline. [URL: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/index] João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Ciência da Informação, v. 1- , 2005- . ISSN 1809-4775 Assuntos cobertos: Biblioteconomia, arquivologia, ciência da informação e museologia. Língua dos artigos: português. Nota: o periódico prioriza colaborações inéditas, originadas de trabalhos de conclusão de curso (TCC) de cursos de graduação em Administração da Informação, Arquivologia, Biblioteconomia, Ciência da Informação, Gestão da Informação e Museologia.

Biblos. [URL: http://www.seer.furg.br/ojs/index.php/biblos] Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 1- ,1984- , semestral. ISSN 0102-4388. Assuntos cobertos: ciência da informação. Língua dos artigos: português. Nota: substitui, a partir de 1984, a Revista do Departamento de Biblioteconomia e História, publicada de 1978/1983 (v. 1-4).

Boletim Eletrônico CFB. [URL: http://repositorio.cfb.org.br/handle/123456789/58] Brasília: Conselho Federal de Biblioteconomia, v. 1-, 2008-, mensal. Assuntos cobertos: biblioteconomia. Língua dos artigos: português. Nota: boletim noticioso.

Brazilian Journal of Information Science. [URL: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/index] Marília: Universidade Estadual Paulista, v. 1- , 2007- , semestral. ISSN: 19811640. Assuntos cobertos: ciência da informação, arquivologia, biblioteconomia, bibliometria. Línguas dos artigos: português, inglês e espanhol.

Ciência da Informação. [URL: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf] Brasília: IBICT, v. 1- 1972-, quadrimestral. ISSN: 1518-8353 Assuntos cobertos: ciência da informação, arquivologia, biblioteconomia. Línguas dos artigos: português, inglês e espanhol.

Comunicação & Informação. [URL: http://www.revistas.ufg.br/index.php/ci] Goiânia: Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, v. 1- , 1997- , semestral. ISSN1415-5842. Assuntos cobertos: jornalismo, relações públicas, publicidade e propaganda, cinema e ciência da informação. Língua dos artigos: português, inglês, francês e espanhol.

Datagramazero. [http://www.dgz.org.br/index.html] Rio de Janeiro: Instituto de Adaptação e Inserção na Sociedade da Informação, v. 1-, 2000-, ISSN: 15173801. Assuntos cobertos: ciência da informação, biblioteconomia, arquivologia, comunicação científica, sociedade da informação, inclusão digital.

Em Questão. [URL: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/index] Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, v. 1-, 2003-, semestral. ISSN 1808-5245. Assuntos cobertos: comunicação, biblioteconomia e áreas afins. Línguas dos artigos: português, espanhol e inglês. Nota: substitui a Revista de Biblioteconomia & Comunicação, publicada no período de 1986-2000 (v.1-8).

Encontros Bibli. [http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb] Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, v. 1-, 1996-, semestral. ISSN: 15182924. Assuntos cobertos: biblioteconomia, ciência da informação, gestão da informação. Línguas dos artigos: português e espanhol.

Inclusão Social. [URL: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/index] Brasília: IBICT, v. 1- , 2008- , semestral. ISSN: 1808-8678 Assuntos cobertos: ações, programas, projetos, estudos e pesquisas voltados à problemática da inclusão dos cidadãos na sociedade da informação. Língua dos artigos: português.

Informação & Informação. [URL: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/index] Londrina: Universidade Estadual de Londrina (UEL), Departamento de Ciência da Informação, v. 1- , 1996-, semestral. ISSN: 19818920. Assuntos cobertos: ciência da informação, arquivologia, biblioteconomia e áreas de interface, buscando incentivar debate interdisciplinar acerca dos fenômenos concernentes à informação. Línguas dos artigos: português e espanhol. Nota: no período de 1996-2002 foi publicada no formato impresso e, a partir de 2003 (v. 9), somente no formato eletrônico.

Informação e Sociedade: Estudos. [http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/] João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, v.1 -, 1991-. ISSN: 18094783. Assuntos cobertos: biblioteconomia, ciência da informação, biblioteca pública. Língua dos artigos: português.

Liinc em Revista. [URL: http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/index] Rio de Janeiro: Laboratório Interdisciplinar em Informação e Conhecimento (LIINC), v.1- , 2005- , semestral. ISSN: 18083536. Assuntos cobertos: ciência da informação, sociedade da informação, biblioteconomia, políticas publicas. Línguas dos artigos: português, espanhol e inglês.

Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia. [URL: http://revista.ibict.br/pbcib/index.php/pbcib/index] Brasília: IBICT, v. 1-, 2006- , semestral. ISSN: 1981-0695. Assuntos cobertos: ciência da informação, biblioteconomia, epistemologia, sociologia da informação, formação profissional, educação continuada e responsabilidade social no campo científico. Nota: é uma publicação do Grupo de Pesquisa em Informação e Inclusão Social do IBICT.

Perspectivas em Ciência da Informação. [URL: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/index] Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, v. 1- , 1996- , quadrimestral. ISSN: 14139936 Assuntos cobertos: ciência da informação, arquivologia, biblioteconomia. Língua dos artigos: português.

Ponto de Acesso. [URL: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/index] Salvador: Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciência da Informação, v. 1- , 2007-. ISSN: 19816766. Assuntos cobertos: ciência da informação, biblioteconomia, arquivologia. Língua dos artigos: português.

Revista ACB. [URL: http://revista.acbsc.org.br/index.php/racb] Florianópolis: Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB), v. 1- , 1996- , semestral. ISSN: 14140594. Assuntos cobertos: biblioteconomia, ciência da informação, arquivística e documentação, ou textos que apresentem resultados de estudos e pesquisas sobre atividades relacionadas ao movimento associativo (classe dos bibliotecários). Língua dos documentos: português.

Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, Nova Série. [URL: http://www.febab.org.br/rbbd/ojs-2.1.1/index.php/rbbd/index] São Paulo; FEBAB, v.1- , 2006- , semestral. ISSN: 1980-6949 Assuntos cobertos: biblioteconomia, ciência da informação. Língua dos documentos: português. É o órgão oficial da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB); tem a finalidade de ser um veículo noticioso e informativo de eventos e feitos de associações e de outras instituições ligados às áreas. Foi publicada no suporte impresso, com o mesmo título, no período de 1973-2005.

Revist@CRB-7. [URL: http://crb7.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=910&Itemid=91] Rio de Janeiro: Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região, v. 1-, 2005-, semestral. ISSN 1809-7456. Assuntos cobertos: biblioteconomia. Língua dos artigos: português. Nota: periódico destinado a disseminar a produção intelectual dos profissionais afiliados ao CRB-7 e dos alunos de biblioteconomia do Estado do Rio de Janeiro.

Revista CRB-8 Digital. [URL: http://revista.crb8.org.br/index.php/crb8digital/index] São Paulo: Conselho Regional de Biblioteconomia 8ª Região, v. 1- , 2008- , trimestral. ISSN 2177-1278. Assuntos cobertos: processos, produtos e serviços, bem como de inovações desenvolvidas pela comunidade biblioteconômica e seus relatos de experiências. Prioriza o Estado de São Paulo sem, no entanto, desconsiderar a possibilidade de divulgação de trabalhos de colegas de outros estados do Brasil. Língua dos artigos: português.

Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG. [URL: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/reb/] Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, v. 1-, 1972-1995, semestral. Assuntos cobertos: biblioteconomia. Línguas dos documentos: português e espanhol. Nota: a publicação foi suspensa em 1996; o sitio provê acesso integral aos artigos publicados nos 24 anos da revista.

Revista de Biblioteconomia de Brasília. [URL: http://164.41.122.25/portalnesp/ojs-2.1.1/index.php/RBB/index] Brasília: Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal; Universidade de Brasília, v. 1- , 1973-. ISSN 0100-7157. Assuntos cobertos: biblioteconomia. Nota: a publicação foi suspensa em 2001; estão disponíveis no formato digital os volumes de 1-25, relativos ao período de 1973-2001.

Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. [http:// http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php] Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Sistema de Bibliotecas da Unicamp, v. 1-, 2003-, semestral. ISSN: 1678765X. Assuntos cobertos: ciência da informação, biblioteconomia. Línguas dos artigos: português, inglês e espanhol.

Revista Documentação e Memória. [URL: http://www.tjpe.jus.br/judiciario/didoc/Memorial/revista/index.asp] Recife: Tribunal de Justiça de Pernambuco, v. 1-, 2009-, anual. ISSN 2175-716X. Assuntos cobertos: arquivologia, biblioteconomia, história e museologia. Língua dos artigos: português.

Revista Ibero-americana de Ciência da Informação. [URL: http://164.41.122.25/portalnesp/ojs-2.1.1/index.php/rici] Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, v. 1-, 2008-, semestral. Assuntos cobertos: ciência da informação, arquivologia, biblioteconomia e museologia. Línguas dos artigos: português, espanhol e inglês. Nota: é editada pela Universidade de Brasília em cooperação com Departamento de Biblioteconomía y Documentación da Universidad Carlos III de Madrid.

Transinformação. [URL: http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php] Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, v. 1- , 1989- , quadrimestral. ISSN0103-3786 Assuntos cobertos: ciência da informação e ciências de domínio conexo. Língua dos artigos: português.

Como se pode notar pela listagem acima, contamos com quase três dezenas de periódicos eletrônicos na nossa área. Assim, o bibliotecário tem à sua disposição um enorme potencial informacional para que possa acompanhar os lançamentos de novos produtos, serviços e programas para as unidades de informação, bem como, se atualizar em relação aos grandes problemas enfrentados na área. Boa leitura para todos!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"Information: a fundamental construct": livro disponivel


0 Comentários

"Information: A Fundamental Construct" - um livro grátis foi escrito por Robert Allen e trata de ciência da informação, informática e sistemas de informação. Sua intenção foi o leitorado de pós graduação, mas pode
com muita utilidade ser usado na pesquisa e na graduação.

No site, abaixo indicado está o livro,ainda em rascunho, como quer o autor, mas algumas seções já estão quase completadas. Portanto, o esta continuamente en se fazendo pelo autor que solicita correções, comentários e sugestões (em inglês, email abaixo).

LIVRO está em: http://boballen.info/ISS/

Robert B. Allen é professor no College of Information Science and Technology da

Drexel University

Email: allen@acm.org


Complete text in one file (about 15 MB), pdf

Copyright R.B. Allen. 2000-2010. No use of this version of the material after December 2010.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Estudantes recolhem livros para jovens


0 Comentários

A Associação Académica de Coimbra (AAC) começou a promover desde o dia 7 de Outubro uma recolha de livros para crianças e jovens dos seis aos 20 anos. O objectivo passa por estimular a leitura nessas idades. A entrega dos livros será feita a 8 de Novembro.

A recolha será feita nos núcleos de estudantes dos departamentos da Universidade de Coimbra e na recepção do edifício da AAC e reverte para as crianças e jovens da Comunidade São Francisco de Assis. “Trabalhamos com várias instituições mas optámos por esta porque abrange todas as idades, desde a infância até aos 20 anos”, justifica a coordenadora-geral do pelouro da Intervenção Cívica da Direcção-Geral da AAC, Patrícia Damas.

Na iniciativa foram excluídos os manuais escolares. Patrícia Damas conta que a Comunidade já tem uma biblioteca vasta nesta área e que não é um género que esteja em falta. ?Preferimos que nos mandem outro tipo de livros, como romances ou dramas, que incentivem estes jovens à leitura?, explica a jovem.

Os espaços para deixar os livros vão estar disponíveis nos núcleos de estudantes dos departamentos até 19 de Outubro. Na recepção da AAC poderão ser entregues até dia 27. A 8 de Novembro, Patrícia Damas afirma que a AAC vai passar uma tarde com as crianças e jovens da Comunidade São Francisco de Assis para lhes entregar os livros recolhidos.

A responsável do pelouro da Intervenção Cívica da AAC afirma não ter uma ideia de quantas obras poderão ser recolhidas, mas está esperançada num bom resultado. “Esperamos que haja muitos e muito variados. As outras recolhas que temos feito este ano, como por exemplo de roupa, têm corrido bastante bem”, ressalva.

O presidente da Direcção-Geral da AAC, Miguel Portugal, destaca o trabalho feito pelo pelouro da Intervenção Cívica ao longo do mandato, iniciado em Janeiro deste ano, e pretende que a recolha de livros ajude a incrementar hábitos de leitura.

Fonte: JN

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Portugueses têm em média 196 “amigos” nas redes sociais


0 Comentários

Entre Facebook, Twitter e demais rede sociais online, os portugueses somam, em média, 196 “amigos”.

O número coloca Portugal em quarto lugar entre os 17 países europeus listados num estudo global, divulgado ontem pela empresa de análises britânica TNS, que questionou 50 mil pessoas em 48 países.

Mais sociais do que os portugueses são os noruegueses (com uma média de 216 “amigos”), os polacos (201) e os gregos (198).

Contudo, tendo em conta apenas os utilizadores entre os 16 e os 20 anos (a faixa etária que mais socializa online), Portugal sobe para o segundo lugar, com uma média de 325 “amigos”. O primeiro lugar, com larga margem, vai para a Grécia, onde cada jovem tem 439 contactos.

O estudo mostra ainda que os portugueses passam 13 horas por semana online e que a actividade mais importante, de longe, é o e-mail, que foi destacado por 64 por cento dos inquiridos.

As redes sociais surgem em segundo lugar, com 15 por cento a classificarem-nas como a actividade mais relevante.

Fonte: Público 

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Programa gratuito preserva dados digitais para o futuro


0 Comentários

Cientistas europeus disponibilizaram gratuitamente um software desenvolvido com o objetivo de garantir que os dados armazenados digitalmente sejam preservados, acessados e compreendidos no futuro, sobrevivendo às contínuas mudanças tecnológicas.

Preservação do conhecimento

A ferramenta é resultado do CASPAR (Cultural, artistic and scientific knowledge preservation, for access and retrieval - preservação do conhecimento cultural, artístico e científico para o acesso e recuperação), um projeto que consumiu 8,8 milhões de euros de investimentos dentro do programa europeu Agenda Digital.

Os grandes volumes de dados eletrônicos, incluindo registros oficiais, arquivos históricos e resultados de pesquisas científicas estão se tornando ilegíveis ou correndo o risco de serem perdidos não apenas porque as novas tecnologias não conseguem lê-los, mas também porque os usuários não conseguem entender a informação.

O objetivo do novo software de código aberto é eliminar esse problema de uma vez por todas, "por um futuro indefinido", afirmam os pesquisadores.

Bases de dados do passado guardavam os registros em formatos diferentes e com precisão diferente das atuais, e as bases de dados do futuro também evoluirão com as necessidades e terão formatos diferentes dos atuais.

Por exemplo, os sinais da influência humana sobre o aquecimento global estão sendo coletados há várias décadas. Apesar da evolução das tecnologias de gravação de dados - dos cartões perfurados e das fitas magnéticas até os inúmeros servidores da computação em nuvem - é crucial para o progresso científico que esses dados sejam inteiramente acessíveis e possam ser diretamente comparados com os dados coletados no futuro.

Descrição dos dados

Com problemas como este em mente, os pesquisadores do CASPAR criaram uma ferramenta é capaz de descrever todos os tipos de dados para que os números possam ser extraídos no futuro - o equivalente a ser capaz de imprimi-los hoje.

O programa também garante que os números e os relacionamentos entre eles possam ser entendidos e manipulados em qualquer software, e para qualquer pesquisa que os cientistas possam querer.

As técnicas foram amplamente utilizadas e testadas com sucesso com diferentes tipos de dados científicos, culturais e artísticos, que serviram para validar a técnica.

O programa pode ser baixado gratuitamente no site do projeto CASPAR, no endereço www.casparpreserves.eu.

Fonte: Site Inovação Tecnológica


Livros falados para pessoas com deficiência visual


1 Comentários

Este sítio disponibiliza livros falados para pessoas com deficiência visual. Divulgue a idéia e facilite aos que não vêem o acesso a diversas obras.

URL: http://www.livrofalado.pro.br/index.php

Portal de anais de eventos científicos


0 Comentários

O Office of Scientific and Technical Information do Departamento de Energia dos Estados Unidos (OSTI) possui um portal que oferece acesso aos anais de trabalhos apresentados em eventos científicos. As áreas indexadas são: partículas físicas, física nuclear, química, petróleo, aeronáutica e astronáutica, meteorologia, ciência da computação, engenharia elétrica, combustíveis fósseis, energia, ciências físicas e tecnologia.
URL: http://www.osti.gov/scienceconferences

Próximo ato da cultura


0 Comentários

Autor: João Bernardo Caldeira.

Fonte: Valor Econômico. Data: 8/10/2010.

Seja qual for o nome, o partido e a ideologia do próximo governo, estará nas mãos do futuro ministro da Cultura a possibilidade de avançar em pontos essenciais para o segmento cultural. Artistas, representantes do setor livreiro, das artes cênicas, da música, do cinema e das artes visuais têm reivindicado mais do que a ampliação orçamentária. Também está na agenda a criação de políticas que beneficiem a formação de público, a desburocratização e o mapeamento da economia criativa. Mas o sucessor do ministro Juca Ferreira também terá de tomar partido sobre polêmicas discussões alimentadas pelo atual governo, como as modificações propostas nas áreas do direito autoral e do incentivo fiscal. O início da próxima gestão, no entanto, deve contar com um aliado: o bom desempenho da economia. Os sinais foram sentidos também no entretenimento, como se pôde verificar no boom de consumo, no início da venda de obras literárias por revendedoras de cosméticos ou na abertura “cybercafés" Brasil afora.

O Toca-livros está de volta


0 Comentários

Fonte: PublishNews. Data: 08/10/2010,

O Toca-livros [URL: http://www.tocalivros.com.br/], projeto que apresenta a música do Brasil contada e tocada a partir dos livros volta a ser apresentado ao público carioca no Oi Futuro de Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 54 – 3º andar – Ipanema – Rio de Janeiro/RJ) e no Centro Cultural da Caixa (Av. Almirante Barroso, 25 – Centro – Rio de Janeiro/RJ) após passar por Salvador.

De 12 de outubro a 15 de dezembro, sempre às terças e quartas-feiras, às 19h30, o projeto apresenta a vida e a obra de doze artistas, a partir do relato ao vivo de autores e da participação do público, com entrada franca. Em outubro, a programação se concentra no Oi Futuro Ipanema e será aberta no dia 12 por Nelson Motta, que vai falar sobre Tim Maia. As senhas são distribuídas uma hora antes.

Biblioteca diminui evasão escolar


0 Comentários

Fonte: PublishNews. Data: 8/10/2010.

Após 10 anos do Projeto Biblioteca Comunitária Ler é Preciso, o Instituto Ecofuturo [URL: http://www.ecofuturo.org.br/programa_ler_e_preciso] , uma organização social de interesse público criada e mantida pela Suzano desde 1999, divulga pesquisa que traça um perfil do projeto, fazendo uso de metodologia que pode servir de referência à políticas públicas e ações privadas para implantação de bibliotecas.

O trabalho, coordenado pelo pesquisador Ricardo Paes de Barros, ligado ao Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas (IPEA), verificou a sustentabilidade das bibliotecas implantadas pelo Ecofuturo no modelo de gestão compartilhada entre poder público, comunidade e parceiros.

Para a realização do estudo, foi avaliada a qualidade do serviço oferecido por 55 bibliotecas do projeto (atualmente, são 85 bibliotecas em 11 estados brasileiros). Segundo a pesquisa, o projeto teve êxito no seu objetivo de atender crianças e jovens. O estudo aponta que 80% dos 2.300 livros emprestados por ano são obras de literatura infanto-juvenil.

Conferência "As Redes Socias e as Bibliotecas"


0 Comentários


Uma conferência onde se pretende discutir as Redes Sociais ao serviço das Bibliotecas. Saiba mais aqui

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Maior livro do mundo


0 Comentários

Fonte: Publish News. Data: 6/10/2010.

Autor: Carlo Carrenho.

Os australianos bem que tentaram. Mas não conseguiram. A idéia era criar o maior livro do mundo. E para isso publicaram uma obra magistral, um atlas gigante, com o trabalho de mais de 100 cartógrafos e geógrafos internacionais. Com o título de Earth Platinum Edition, o livro mede 1,4 por 1,8 metros. Mas o que realmente impressiona é a qualidade do livro. A impressão é perfeita, feita em off-set na Itália, e o nível de detalhes dos mapas e ilustrações é inesperado para uma publicação que busca bater recordes.

Na realidade, o tamanho do livro tem uma razão. “Conseguimos apresentar detalhes no livro que jamais poderiam ser visto em uma edição menor”, explica Gordon Cheers, o diretor da editora australiana Millennium House, que apostou no título. O que ele quer dizer é que o livro não foi aumentado, ampliado, mas foi editado para ser daquele tamanho.

Mas o que Cheers esqueceu de fazer foi abrir um outro livro, o Guinness. Lá teria descoberto que a brasuca Ediouro, localizada em Bonsucesso, no Rio de Janeiro, já fez um livro no formato de 1,54 x 2 m, uma edição especial de O Pequeno Príncipe, que chegou a figurar no livro dos recordes e hoje está em exibição na sede de sua empresa digital, a Singular, em Xerém.

No entanto, ainda que seja apenas o segundo maior livro do mundo, ou o maior livro da Austrália, Earth é uma verdadeira obra de arte. Ao preço de US$ 100 mil, está prevista uma tiragem de apenas 31 exemplares numerados da obra. Quem gostar do livro, mas quiser economizar um pouco, pode comprar um dos 2.000 exemplares da Blue Edition, com formato de 46,9 x 61 cm, ao preço de US$ 5.800. Ou, se o bolso estiver apertado, há ainda a “edição de bolso” (33,8 x 44 cm) ao preço de módicos US$ 125.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Dom Quixote 2.0


1 Comentários

Autora: Debora Schach.

Fonte: Blue Bus. Data: 1/10/2010.



A Real Academia Espanhola da Língua, em parceria com o YouTube, está convidando pessoas de todo o mundo a participarem da leitura coletiva do clássico 'Dom Quixote de La Mancha'. O romance foi dividido em mais de dois mil trechos. Aqui [URL: http://www.youtube.com/elquijote] os interessados recebem um desses trechos (em espanhol) para ler, gravar e em seguida fazer upload no site de vídeos. Segundo a Academia, a intenção é divulgar tanto o livro quanto a língua espanhola, argumentando que o idioma não ocupa o espaço que merece na internet.

Livros didáticos de religião possuem conteúdo preconceituoso


0 Comentários

Autora: Priscilla Borges.

Fonte: IG. Data: 1/10/2010.

Os livros didáticos de ensino religioso mais adotados no País não seguem preceitos básicos das leis brasileiras que tratam do tema. Ao contrário do que diz a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), as obras professam doutrinas religiosas específicas, discriminam comportamentos e ideias. A conclusão é das pesquisadoras Débora Diniz, Tatiana Lionço e Vanessa Carrião, da Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. Incomodadas com a falta de definições claras na legislação educacional sobre o ensino religioso, elas decidiram investigar a que conteúdos os alunos brasileiros têm acesso durante essas aulas. O estudo, transformado no livro Laicidade e ensino religioso no Brasil (LetrasLivres/EdUnB/UNESCO, 112 pp., R$ 20) foi feito com base em uma amostra de 25 obras produzidas por editoras laicas ou religiosas.

Google e Kobo mostram as garras


0 Comentários

Autor: Carlo Carrenho.

Fonte: PublishNew. Data: 05/10/2010.

A Feira de Frankfurt só começa amanhã, mas nesta terça-feira (5) vários profissionais do livro já se encontravam à beira do rio Main para participar do Tools of Change Frankfurt (TOC), evento organizado pela O’Reilly em parceria com a própria Feira de Frankfurt. A agenda era monotemática: o futuro digital do livro. As palestras gerais do início da manhã foram bastante conceituais e filosóficas. Mas conforme o dia se desenrolava, algumas abordagens mais práticas foram apresentadas pelos palestrantes na área de conferência do Hotel Marriott.

Google

Um destes palestrantes foi Abraham Murray, da Google. Em sua conferência “Books in the Cloud - Google’s Perspective”, ele apresentou um panorama do que a empresa californiana já desenvolveu dentro da indústria editorial, mas o enfoque não podia deixar de ser o programa Google Editions. Segundo Murray, o programa será lançado ainda este ano nos EUA, oferecendo um catálogo de 400 mil títulos à venda. Para justificar a operação Murray apresentou dados do International Digital Publishing Forum que apontam que os e-books terão uma fatia de 10% do mercado americano no fim de 2010.

O Google Editions prevê parcerias com o varejo de livros, de forma que o consumidor poderá comprar os e-books em uma livraria virtual, ainda que o controle tecnológico e os arquivos digitais em si sejam controlados pela Google. “Qualquer varejista deveria ser capaz de vender e-books que funcionem em qualquer leitor”, afirmou Murray defendendo a filosofia da Google. “Nossa plataforma é aberta e pode suportar qualquer leitor digital”, continuou, “mas os livros da Google Editions não estarão disponíveis para Kindle em seu lançamento”. Ainda que discreta, a mensagem nas entrelinhas era que a Amazon não parecia disposta a trabalhar com o Google Editions.

O Google Editions trabalhará com a plataforma da Adobe Digital Editions para a implementação do polêmico DRM (Digital Rights Control). Murray ainda aproveitou para ressaltar a segurança do projeto googliano: “No projeto Google Books nós desenvolvemos profundos conhecimento e capacidade para evitar hackers e ter um alto padrão de segurança.”

Em um primeiro momento alguns recursos não estarão disponíveis, mas estão na agenda da Google para o futuro. Entre eles estão uma plataforma de mídia social, capacidade de se fazer anotações e leitura offline em telefones e na web (no início, apenas e-readers permitirão a leitura offline ao baixarem os livros no formato ePub).

Nos EUA, a Google irá operar com modelo agência, que permite aos editores determinar o preço de venda. Em relação a outros mercados, Murray afirmou que “a Google pretende satisfazer as necessidades de cada mercado”. Quanto à divisão de receitas, Murray informou que “nos EUA, os editores ficarão com mais de 50% da margem”. A impressão por demanda não faz parte dos planos da Google para o projeto Google Editions.

Entre os brasileiros que acompanharam a palestra da Google, estava Karine Pansa, da editora Girassol, e candidata à presidência da Câmara Brasileira do Livro nas próximas eleições da associação. “O Google Editions estará disponível em vários devices; isto é positivo porque você precisa ir ao encontro do que o consumidor quer. Se o consumidor tem vários acessos, é preciso alcançá-los aonde estiverem”, afirmou a editora. A questão da segurança, no entanto, a preocupa. “Não tenho certeza se a segurança que o Google anuncia é verdadeira, mas se for é algo muito bom.”

Kobo

Outra palestra que chamou a atenção por seu caráter mais prático foi a proferida por Michael Tamblyn, vice-presidente da Kobo, uma e-bookstore canadense. Com o lema de “Toda sua vida de leitura sempre com você”, a Kobo possui aplicativos para praticamente todas as plataformas de smartphones, para iPad, para a web e até um e-reader próprio.

Depois de apresentar alguns números interessantes como “nossos clientes compram dois livros por mês em média enquanto os clientes de livrarias físicas compram metade disso” e outros curiosos “domingo é o dia da semana que mais vendemos online”, Tamblyn passou a discutir quais atributos um varejista de e-books tem que ter para sobreviver.

Para o canadense, há cinco qualidades fundamentais para o sucesso de uma loja de livros digitais:

1) Mentoria: “É preciso guiar o leitor neste novo mundo digital. Dar toda a assessoria necessária neste momento de transição.”

2) Internacionalização: “Para sobreviver, o varejista de e-books terá de atuar globalmente.”

3) Capacidade de custódia: “O varejista tem de ser o guardião da biblioteca dos leitores. Terá de oferecer um serviço de custódia.”

4) Curadoria: “As livrarias de e-books terão de oferecer ao seu cliente uma curadoria sobre o conteúdo.

5) Conectividade: “É fundamental que a loja de e-books permita que os usuários se conectem.

No aspecto internacional, Tanblyn observou que 5% das vendas da Kobo já são para países de língua não-inglesa e que em um dia típico vendem para mais de 150 países. Outras estatísticas da Kobo mostram que 90% dos leitores possuem apenas um device, mas que a parcela dos 10% restantes está crescendo. Outro número interessante é que metade dos compradores de e-books da Kobo lê em celulares ou tablets.

De forma geral, chama a atenção o tamanho do catálogo digital de empresas como a Kobo, com quase 2 milhões de títulos, e a Google, que já começa com 400 mil livros. Enquanto isso, nenhuma loja de e-books nacional tem mais de 2 mil livros digitais em português. Isto também chamou a atenção de Karine Pansa. “Sinto-me empurrada para fazer algo o mais rápido possível. Empresas como Google e Kobo vão chegar e não podemos ficar parados. Essa é a conclusão que chego aqui no TOC Frankfurt.”

Karine também observou a velocidade das mudanças. “Está tudo muito rápido. Ano passado, por exemplo, nessa mesma data, a gente não tinha o iPad. Hoje todo mundo já está com um aqui em Frankfurt.” Sobre o Brasil, Karine acredita que possamos nos tornar competitivos rapidamente. “Talvez no ano que vem, quando estivermos aqui novamente, já sejamos competitivos. Isso se aceitarmos esse empurrão e fizermos a nossa parte. Já estou vendo as editoras no Brasil se movimentando. Essa quantidade de brasileiros aqui demonstra esse interesse e preocupação com o mercado.”

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Arquivos Administrativos. Manual de Formação


0 Comentários

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa publicou recentemente a obra “Arquivos Administrativos. Manual de Formação” a qual se encontra disponível no seu website. 

É possível obter um exemplar em formato digital mediante o preenchimento de um pequeno formulário.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Businesses Cash In on Web Privacy Concerns - CNBC


0 Comentários

Um interessante artigo da CNBC sobre a privacidade e os dados dos utilizadores da Internet - Businesses Cash In on Web Privacy Concerns

Arquivo

Categorias