quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Europeana, a biblioteca digital europeia está de volta


0 Comentários

Após quadriplicar a capacidade do servidor, a Europeana já está online. O projecto europeu junta obras de mais de mil instituições.

No total, são mais de dois milhões de livros, quadros e músicas num único site digital.

A Europeana esteve online apenas um dia, não aguentando a enorme afluência dos utilizadores (mais de dez milhões de cliques por hora). Hoje, os responsáveis pelo projecto dizem que a biblioteca está “no ar”, após «temos quadriplicado a capacidade do servidor», afirma Martin Selmayr, da Comissão Europeia.

Fonte: Exame Informática

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Estarão os amantes de livros a passar do papel para os pixels?


1 Comentários

Será mais uma partida em falso ou finalmente os e-books começam a se "impor"?
For a decade, consumers mostly ignored electronic book devices, which were often hard to use and offered few popular items to read. But this year, in part because of the popularity of Amazon.com’s wireless Kindle device, the e-book has started to take hold.

Ler na totalidade o artigo do New York Times


Aproveito para desejar a todos um Bom 2009

domingo, 28 de dezembro de 2008

Alto preço do livro em Portugal


0 Comentários

Lobo Antunes critica preços dos livros
Fonte: Jornal de Notícias. Data: 28/12/2008
URL: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Cultura/Interior.aspx?content_id=1064110
O escritor António Lobo Antunes considerou sábado no Porto que os livros em Portugal são "indecentemente caros", referindo que "há países com maior poder de compra onde são muito mais baratos", como Alemanha, Holanda e Noruega.
O autor de "Arquipélago da Insónia", publicado este ano e que já vai na sétima edição, falou durante a cerimónia em que recebeu o Prémio Clube Literário do Porto, com um valor pecuniário de 25.000 euros.
Lobo Antunes, de 68 anos, foi apresentado pelo jornalista, comentador e professor Carlos Magno como um autor que "escreve sobre a contemporaneidade como poucos o fazem neste país", fazendo uso de uma "ironia absolutamente a toda a prova".
O escritor disse que não podia deixar de estar no Porto para receber o prémio, por ter "uma dívida de gratidão muito grande para com a cidade", que vem do tempo em que esteve internado num hospital lisboeta, a lutar contra um cancro.
"Quando há dois anos estive muito doente, recebi sete, oito mil cartas e a maior parte eram do Porto. Isso é uma coisa que nunca poderei pagar", explicou.
O autor falou sobre a sua doença, a morte, a escrita, a cultura, a guerra, o preço dos livros, entre outros temas.
Disse por exemplo que os governos pouco têm feito pela cultura desde o 25 de Abril de 1974.
"Quem tem trabalhado com a cultura são as autarquias e são fundações" como aquela a que está ligado o Clube Literário do Porto, a Fundação Dr. Luís de Araújo, defendeu.
Como autor, o que o move é "tentar colocar em palavras o que por definição é impossível contar em palavras, como as emoções ou os impulsos".
Lobo Antunes evocou Ernesto Melo Antunes, que foi um dos ideólogos do 25 de Abril e morreu há nove anos, tendo mantido com ele uma grande amizade.
"A morte de um amigo é uma coisa irreparável", resumiu, para depois acrescentar que "o que aparece nos livros são estas coisas todas, ou seja, a vida".
"Os portugueses vivem tão mal e os livros são tão indecentemente caros!", criticou, em seguida, frisando que "que quem lê não são as classes altas, é a classe média baixa, como se pode observar nas feiras do livro".
O presidente da Fundação Dr. Luís de Araújo, Augusto Morais, ofereceu a Lobo Antunes um elefante prateado, que definiu como sendo "uma provocação à memória" do escritor.
O autor de "Memoria de Elefante", o seu primeiro livro, lançado em 1979, recordou que ninguém, na altura, queria publicar este livro, que acabou por ser um êxito editorial.
Perante uma plateia constituída por várias dezenas de pessoas, entre elas muitos jovens, Lobo Antunes falou sobre a sua experiência enquanto doente com um cancro, dizendo que viveu então "uma mistura de sentimentos" e que passou depois "dois meses sentado numa cadeira, completamente vazio".
Segundo Lobo Antunes, a doença deu-lhe outra perspectiva sobre a vida.
"A gente passa a jogar com as cartas para cima; não há nada para esconder", sustentou.
António Lobo Antunes revelou à comunicação social que poderá haver um novo livro seu "talvez para o fim do ano que vem".
"Não depende só de mim, penso que sim, se for capaz de o acabar", completou.
O Prémio Clube Literário do Porto tem "um significado muito maior do que um prémio no estrangeiro, por maior nome que o prémio tenha".
"É para as pessoas do meu país que eu escrevo", justificou.
Esta é a quarta edição do Prémio Clube Literário do Porto, que nos anos anteriores distinguiu os escritores Mário Cláudio, Armando Baptista Bastos, e Miguel Sousa Tavares.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Votos de um Santo Natal e um Próspero Ano de 2009!


0 Comentários

Caros amigos,

Em nome de todos os colaboradores, desejo-vos um Santo e Feliz Natal e um Próspero Ano de 2009!

Festas Felizes,
Paulo Sousa

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Portal do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal


0 Comentários

Na 3.ª CONFERÊNCIA SOBRE O ACESSO LIVRE AO CONHECIMENTO, ocorrida entre 15 e 16 de Dezembro, na Universidade do Minho - Braga, foi apresentado o Portal do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal.

Trata-se de um projecto transversal, cujo impacto poderá ser bastante relevante no actual contexto da Ciência e do Ensino Superior, quer no fomento e promoção da informação científica em acesso livre, em Portugal, quer como canal de acesso à mesma por parte dos utilizadores finais, sejam eles investigadores, docentes, alunos, ou outros.

A concretização deste projecto de âmbito nacional deve-se, em grande parte, ao nosso colaborador Eloy Rodrigues, o qual começou a amadurecer a ideia há alguns anos atrás.

Ao contrário de outros projectos de âmbito nacional na nossa área que acabaram por morrer devido ao excesso de tempo de "gestação", este nasceu dentro da data prevista e foi dado a conhecer ao mundo junto de algumas das individualidades mais relevantes a nível mundial no domínio do acesso livre, num evento nacional! Penso que é de louvar a eficiência e o impacto da iniciativa no panorama nacional e internacional.

O Pedro Príncipe acaba de disponibilizar no seu blogue "rato de biblioteca" uma playlist do YouTube com 12 vídeos de algumas das apresentações da conferência.

Segue-se um vídeo disponibilizado pelo Pedro Príncipe com a apresentação do RCAAP.

Concluindo, espero muito sinceramente que o projecto cresça sustentadamente com a colaboração e participação de todos os stakeholders associados ao processo de produção e consumo de informação científica, desde universidades, centros de investigação até às bibliotecas universitárias e públicas, investigadores, alunos, etc. - com uma avaliação constante e rigorosa de modo a acompanhar a evolução natural do processo.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Padrão para acessibilidade


0 Comentários

W3C anuncia novo padrão para facilitar navegação de usuários deficientes
Fonte: IDG Now. Data: 15/12/2008

Content Accessibility Guidelines 2.0 sugere diretrizes para que web designers adaptem sites para usuários com dificuldades de acesso.
O World Wide Web Consortium (W3C) anunciou nesta quinta-feira (11/12) um novo padrão de acessibilidade que ajuda a navegação de usuários velhos ou com deficiências.
O Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.0 tenta resolver problemas de acessibilidade oferecendo diretrizes para que web designers adaptem seus sites para tais usuários.
O texto do padrão adverte, por exemplo, web designers a providenciarem legendas para vídeos, alternativas em texto para imagens, funções para contraste de cores ou opções para outros gadgets de entrada de dados, além de teclados.

O inventor do mouse e da internet


0 Comentários

O homem que inventou a internet
Fonte: O Estado de S. Paulo. Data: 15/12/2008
Enquanto o Brasil, um quê envergonhado, parou na última semana para lembrar o Ato Institucional de número 5, imposto pela Ditadura Militar, o Vale do Silício celebrava outro aniversário. Na mesma semana do AI-5, em 9 de dezembro de 1968, um cientista de 43 anos chamado Douglas Engelbart apresentou ao mundo, de uma só tacada, o mouse e a internet.
Aquela apresentação, apelidada de ‘a mãe de todas as apresentações’, foi realizada na Universidade de Stanford para uma platéia de engenheiros da computação estupefatos. A ArpaNet, que viria a se transformar na internet, só seria inaugurada alguns meses depois e cientistas de todos os EUA estavam empolgados com a novidade. Aproveitando-se desta animação, Engelbart se propôs a demonstrar os possíveis usos de uma rede de computadores como aquela.
O trabalho que ele apresentou não foi organizado de uma hora para outra. Ele e sua equipe de Stanford vinham pesquisando, com verbas da NASA e do Pentágono, desde 1963. O mouse é apenas uma das ferramentas que eles criaram e demonstraram em 68. (“Como esse instrumento lembra um ratinho”, disse Engelbart naquele palco, “alguns de nós começamos a chamá-lo de mouse; talvez o nome cole”.)
A festa destes 40 anos se deu em Stanford, no mesmo palco em que a revolução teve início. Durante 4 horas, na tarde do último dia 9, a platéia pôde assistir ao vídeo da apresentação, a um debate com os sobreviventes da equipe de Engelbart, e a palestras.
O filme é qualquer coisa de espetacular. O velho cientista tinha um telão às suas costas de maneira que o público podia ver o que ele fazia na tela. Alguns risos de fascínio podem ser entreouvidos quando ele apresenta o mouse. Seu monitor estava ligado em rede a um computador no outro lado da cidade. (Não custa lembrar: computadores contavam-se às dezenas no mundo. Vários monitores podiam ser ligados a um só computador, mil vezes menos poderoso do que um iPhone.)
Após apresentar o mouse, como uma versão mais antiga de Steve Jobs apresentando seus novos produtos, o velho cientista pôs-se a navegar na tela clicando em links. Que ele chamou de links. E, a cada link, uma nova página era aberta com novos textos e novos links. A web foi criada apenas em 1989, mas já estava esboçada.
Dotado de um rádio transmissor, enquanto apresentava as possibilidades daquela rede que estava para nascer, o cientista conversava com sua equipe, no laboratório, que a tudo acompanhava. Em um momento, ele faz mágica: faz aparecer uma janela no monitor e lá está o rosto, em movimento, de um de seus engenheiros. Eles começam a conversar: videoconferência. Skype em preto e branco no ano de 1968.
Aquilo foi trapaça: embora o vídeo estivesse realmente no monitor de Engelbart, a transmissão não foi feita pela rede computacional mas sim pelo ar. Uma transmissão comum de TV. As duas novidades, ali, eram a possibilidade de digitalizar a transmissão de vídeo para que ele aparecesse no computador, e a demonstração de que, com mais banda e algum poder maior nos computadores, conversas por vídeo seriam possíveis.
A tecnologia de digitalização que eles desenvolveram foi aproveitada alguns meses depois, pela NASA, para transmitir ao vivo, pelo mundo, a chegada do homem à Lua.
O mais impressionante da mãe de todas as apresentações, não é isso. Naquela platéia, na festa de 40 anos, acompanhando o vídeo, depois os debates e palestras, estavam jovens cientistas da computação fascinados. Engelbart não possibilitou apenas uma transmissão ao vivo da Lua ou apresentou o mouse ao mundo. Fez muito mais do que isso: imaginou a internet e, ao imaginar, guiou por décadas o seu desenvolvimento.
O velhinho se levantou, a um dado momento. Está com 83 anos. O auditório inteiro se pôs de pé para aplaudi-lo por alguns minutos. Uma ovação de reconhecimento que encheu-lhe os olhos de lágrimas. Muito pouca gente ouviu falar do nome de Doug Engelbart. Nestes 40 anos de sua cria, é hora de mudar isso.

Revista Veja na internet


0 Comentários

Revista Veja disponibiliza todo o seu acervo na Internet
Fonte: Portal Imprensa. Data: 12/12/2008
A partir da próxima segunda-feira (15) a revista Veja, da Editora Abril, disponibilizará todo o seu acervo na Internet. Todas as edições, desde a primeira, em 11 de setembro de 1968, poderão ser lidas e consultadas gratuitamente no site [www.veja.com.br/acervodigital] feito para abrigar o acervo digital.
Com investimento de R$ 3 milhões e patrocínio do Bradesco, "a idéia é democratizar o acesso à história recente do país e do mundo", diz Yen Wen Shen, diretor da publicação. "Essa iniciativa coloca Veja ao lado dos maiores acervos digitais do mundo e em condição única no Brasil."
Para maior comodidade dos leitores, o Acervo Digital segue a estrutura da própria revista, ou seja, o usuário navega na web como se estivesse folheando a publicação. Fácil de ser utilizado, o acervo apresenta as edições em ordem cronológica e conta com um avançado sistema de busca desenvolvido especialmente para Veja.
Este sistema permite cruzar informações e realizar filtros por período e editorias. Assim, basta o internauta digitar uma palavra-chave que automaticamente a ferramenta pesquisa em todos os textos da revista. Além disso, o usuário também terá acesso a um conjunto de pesquisas previamente elaborado pela redação do site, com temas da atualidade e fatos históricos sobre o Brasil e o mundo. Será possível, ainda, navegar pelas capas, entrevistas, reportagens e anúncios publicitários, sempre visualizando a reprodução do material original.
Resultado de 12 meses de intenso trabalho, o projeto foi desenvolvido por Veja em parceria com a Digital Pages, empresa responsável por estruturar a digitalização de cada uma das mais de 2 mil edições e convertê-las em revistas digitais. Dado o porte do projeto, uma equipe de 30 pessoas foi montada para cuidar desde o desgrampeamento das edições impressas até a publicação dos quase nove milhões de arquivos que compõem o acervo.
"Como os exemplares em papel não poderiam ser inutilizados pelo processo de digitalização, o fluxo de trabalho contrapôs ciclos de uma sofisticada linha de produção industrial com procedimentos extremamente artesanais, como o nivelamento de página por página por meio de ferros de passar roupa antes do escaneamento", explica Shen.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Apresentação do projecto Consulta Real em Ambiente Virtual


0 Comentários

Convite da DGARQ e do Arquivo Distrital do Porto para a apresentação do projecto Consulta Real em Ambiente Virtual no dia 12 de Dezembro, pelas 17:30 horas.

Em implementação desde do início do ano, o projecto Consulta Real em Ambiente Virtual é o complemento natural da pesquisa e leitura de documentos através da Internet, disponível desde Abril de 2004.

O sistema estabeleceu um marco significativo na facilitação do acesso, pelos utilizadores, aos serviços sobre os documentos, assente no princípio da desmaterialização dos processos. A articulação da possibilidade de efectuar os pedidos – consulta, reserva, pesquisa, reprodução – com as respostas, envio de documentos e pagamento electrónico, quebrou as barreiras dos horários e das distâncias tornando o Arquivo um espaço mais próximo do seus utilizadores. A Referência e Leitura Virtual constitui, assim, uma concretização de ideias e práticas na linha das orientações do Plano Tecnológico, do “governo electrónico” e da sociedade da informação e do conhecimento.

No dia 12 de Dezembro, pelas 17:30 horas, no Arquivo Distrital do Porto, damos a conhecer o projecto em diálogo com os seus utilizadores e todos os interessados.
Fonte: Arquivo Distrital do Porto

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

3ª Conferência sobre o Acesso Livre ao Conhecimento, Universidade do Minho, 15 e 16 de Dezembro de 2008


0 Comentários

“Ensuring that the outputs of research are freely available to all is the best way to maximise their utility. Open access is good for science, the research community and mankind.”
Sir John Sulston

O Acesso Livre promove a visibilidade, acessibilidade e difusão dos resultados da actividade científica de cada investigador, de cada organização e de cada país, potenciando o seu uso e subsequente impacto na comunidade científica internacional.

O programa da 3ª Conferência sobre o Acesso Livre, que se vai realizar no campus de Gualtar da Universidade do Minho, abrange os seguintes temas:
  • Políticas de Open Access
  • Repositórios institucionais
  • Open Science e Open Data
  • Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (que aí será apresentado)

A qualidade dos apresentadores convidados (ver lista e biografia dos oradores) garante que a Conferência será uma excelente oportunidade para adquirir conhecimento actualizado, debater e trocar experiências sobre esta problemática.

A Conferência está aberta a todos os potenciais interessados na temática do Acesso Livre: investigadores e académicos, dirigentes universitários, bibliotecários, editores e outros. As inscrições, gratuitas, podem ainda ser realizadas até ao dia 10 de Dezembro em: http://confoa08.sdum.uminho.pt/inscricao1.asp

Se pretende participar na ConfOA08, inscreva-se na rede social da conferência em http://oa2008.crowdvine.com/. "É uma excelente forma para informar outros colegas que irá participar na conferência, quais são as suas áreas de interesse, mas sobretudo para dialogar e interagir com outros participantes ANTES da conferência começar." In: ConfOA08

Congresso Internacional de Promoção da Leitura


0 Comentários

Estão abertas as inscrições para o Congresso Internacional de Promoção da Leitura - FORMAR LEITORES PARA LER O MUNDO, marcado para os dias 22 e 23 Janeiro de 2009, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Consulte o programa(.pdf).

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Livro eletrônico


0 Comentários

Best-sellers também chegam à internet
Autora: Daniela Arrais
Fonte: Folha Online. Data: 6/12/2008.

O professor de idiomas Giuliano Reali, 30, começou a ler livros digitais quando o escritor Stephen King lançou "Riding the Bullet", em 2000. Logo depois, quis ler um título que não existia no Brasil e acabou adquirindo a versão eletrônica em um site. Desde que comprou um smartphone, ler e-books se tornou tão comum quanto usar o e-mail ou consultar o GPS.
No dia-a-dia de Reali e de inúmeros leitores, os e-books já são realidade. O mercado editorial busca soluções para atender a esse tipo de leitor, que forma um contingente que vem ganhando expressão, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pelo Instituto Pró-Livro ao Ibope: 3% (ou 4,6 milhões de pessoas) do universo estudado, que equivale a 92% da população brasileira, lêem livros digitais e 2% (ou 2,9 milhões) usam audiolivros.
No universo de leitores, que corresponde a 95 milhões de pessoas, 7% (ou 7 milhões) baixam livros gratuitamente da internet, segundo a pesquisa.
Editoras investem em catálogos digitais. A inglesa Random House (www.randomhouse.com) anunciou na semana passada que está disponibilizando milhares de livros nesse formato -já existem 8.000 títulos e a idéia é chegar a 15 mil, segundo a Associated Press.
No Brasil, a Lex Editora (www.lex.com.br) tem obras digitalizadas sobre legislação. A partir de uma assinatura, que custa entra R$ 420 e R$ 2.000, a editora permite acesso ao conteúdo, que pode ser lido por celular ou PDA.
Vantagens
Para Reali, a principal vantagem dos e-books é a mobilidade. "Não acho nem um pouco cansativo. Acho até mais fácil de segurar um smartphone do que um livro aberto. A iluminação passa a ser secundária, você pode até mesmo ler no escuro, pois a tela do telefone basta."
No entanto, ele acha que a tecnologia ainda tem muito a crescer no Brasil. "O brasileiro é muito impermeável ao uso de conveniências eletrônicas. As pessoas te olham como um ET ou um nerd quando te vêem lendo um e-book ou usando a função GPS no seu celular, quando, na verdade, você está apenas dando um passo para tornar a sua vida mais prática."
Mago
Para o best-seller Paulo Coelho, editores são tão ruins quanto os monges copistas que lamentavam a chegada dos livros impressos no século 16 --ele declarou isso na Feira de Frankfurt, em outubro.
Para o mago -que disponibiliza seus livros em www.piratecoelho.wordpress.com --, há uma falta de entendimento sobre a internet fazer parte da indústria.
"Em vez de olharem a nova mídia como uma oportunidade de criar novas formas de promoção, editores se concentram em criar microssites, que são completamente fora de moda, e alguns se queixam dos "infortúnios" das outras indústrias culturais, percebendo a internet como inimiga", disse.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Biblioteca tem meio milhar de utentes galegos


0 Comentários

Um em cada quatro dos que requisitam livros é espanhol, daí a aposta em publicações galegas.

A Biblioteca Municipal de Valença é cada vez mais procurada por espanhóis, nomeadamente galegos. Mas os valencianos também podem requisitar livros em Tui, graças a uma parceria entre as duas autarquias.

A Biblioteca Municipal de Valença tem, actualmente, meio milhar de utentes galegos inscritos, oriundos na sua esmagadora maioria de Tui e localidades vizinhas mais próximas da fronteira. Num universo de 2184 de registos de pessoas que utilizam os serviços da biblioteca e requisitam livros a título de empréstimo, 472 são residentes na Galiza, quase 25 %.

A crescente procura dos galegos por aquele espaço, a que se associa também a deslocação do Bibliomóvel de Valença (serviço de biblioteca itinerante destinado principalmente a crianças e jovens) uma vez por mês ao outro lado da fronteira, deu origem a uma parceria com o Ayuntamiento de Tui, com o objectivo de os portugueses poderem também usufruir livremente da biblioteca pública daquela localidade galega.

Aceda à notícia completa no Jornal de Notícias.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Assuntos mais procurados no Yahoo Brasil


0 Comentários

Yahoo! Brasil apresenta os termos mais buscados da Internet no ano
Fonte: Coletiva Net. Data: 02/12/2008.
O Yahoo! Brasil divulgou a lista dos termos e assuntos que mais despertaram a curiosidade dos internautas no ano de 2008. Os temas mais buscados na web, pela ordem, foram: BBB8, Olimpíadas, Oscar 2008, células-tronco, Mulher Melancia, Isabella Nardoni, dengue, Amy Winehouse, Barack Obama e portabilidade numérica. Mesmo tendo ocorrido no início do ano, o reality-show da Rede Globo foi o assunto mais buscado pelos usuários do portal. O resumo do ano mostra ainda que as pesquisas mais realizadas trazem temas variados, de entretenimento, celebridades e TV, assuntos de saúde e que tiveram destaque em determinado momento do ano.
O levantamento foi feito pelo portal, a partir de sua ferramenta de busca, entre janeiro e novembro. De acordo com números do Ibope, apenas em outubro, 11 milhões de internautas passaram pelo Yahoo! Brasil.
A partir de agora, o site passa a contar com um ‘termômetro’ do que os internautas brasileiros buscam na Internet: a página especial dos ‘Mais Buscados’. Os usuários podem conferir, com atualização diária, quais foram os assuntos procurados pelos milhões de visitantes do portal. A página, além de imagens dos termos, mostra também o ranking dividido por categorias: Top 10, Celebridades, Música, Esportes, Entretenimento, Tecnologia e Notícias.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Arquivos da revista LIFE no Google


0 Comentários

O Google tem disponível online, desde 18 de Novembro, 20% dos 10 milhões de fotografias que constituem o arquivo da extinta revista LIFE. 97% destas imagens, que serão colocadas online nos próximos meses, nunca foram publicadas.

Esta colecção apresenta imagens que datam de 1750 até aos dias de hoje, tiradas por nomes sonantes do fotojornalismo como Alfred Eisenstaed ou W. Eugene Smith.

O arquivo da LIFE apresenta imagens icónicas do século XX e o registo de acontecimentos históricos como a Guerra do Vietname ou a morte de JFK.

Cada imagem aparece com informações técnicas, o nome do fotógrafo e a possibilidade votar a fotografia.
Fonte: JN

Arquivo

Categorias