quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Fundada em 23 de novembro de 2012 a Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO)


0 Comentários

"Dia 23 de novembro de 2012, na presença de mais de 80 participantes, foi fundada a Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO). 
Consequência das discussões iniciadas no Facebook, em março deste ano."
- Anúncio enviado por Antonio Agenor Briquet de Lemos, via Facebook, dia 23/11/2012.

Grupo no FaceBook:
http://www.facebook.com/groups/126172034187521/
"Este Grupo discute, exclusivamente, a representatividade profissional: Para que servem as associações? O sentido de uma associação forte. A participação dos profissionais e os benefícios coletivos. Perspectivas futuras."

Website da ABRAINFO:
http://www.abrainfo.com.br


Reproduzo mensagem do Briquet de Lemos (de nov.2012):

Nos últimos meses pelas redes sociais foi possível constatar o interesse dos bibliotecários, arquivistas e museólogos pelo tema “representatividade profissional”. Essas discussões mostraram um quase e inesperado consenso: a necessidade de integração maior entre entre Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. As ferramentas digitais, incluindo a internet, foram determinantes para essa aproximação – já evidenciada no perfil dos cursos de formação de profissionais para essas áreas, bem como no perfil de nossas representações acadêmicas e políticas.

Dessa constatação surgiu a proposta de abertura de um novo espaço de diálogo e de convergência. Para chegar a essa meta, considerou-se a necessidade de existir uma associações que pudesse reunir, amplamente, os profissionais de Informação – sem as tradicionais divisões. Assim, com o trabalho incansável do nosso colega Luís Milanesi, está sendo proposta a criação da ABRAINFO – Associação Brasileira de Profissionais da Informação.
Essa entidade de caráter nacional deverá aproximar pessoas físicas que trabalhem na área da Informação, os bibliotecários, arquivistas e museólogos e, ainda, engenheiros, linguistas e outros que inclusive dão aulas nos cursos das três áreas. O objetivo maior que se busca é a convergência tanto do ponto de vista teórico e prático quanto da representatividade social.
No próximo dia 23 de novembro vamos realizar a assembleia para instituir a entidade. É importante que essa iniciativa seja do conhecimento de todos os profissionais brasileiros. Por isso peço a sua ajuda para divulgar o convite.
No próximo dia 23 de novembro, às 14 horas, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade, rua da Consolação, 94, São Paulo, será realizada a Assembleia de Fundação da ABRAINFO –
Associação Brasileira de Profissionais da Informação. Em nome de todos que participaram das discussões preliminares convidamos você, na qualidade de sócio fundador, para comparecer e
compartilhar ideias e propostas, visando a criação da Entidade. Na ocasião será discutido e aprovado o seu Estatuto e eleitos os membros do Conselho Deliberativo provisório que terá a incumbência de organizar as bases da Associação e convocar eleições no prazo de seis meses.




terça-feira, 27 de novembro de 2012

Lançamento: Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada (ISBD)


0 Comentários


Novo número: Informação e Sociedade


0 Comentários


Acaba de sair o novo número da revista “Informação & Sociedade: Estudos”.

Abaixo o sumário:

Editorial

·         20 anos de publicação ininterrupta da revista. Gustavo Henrique de Araújo Freire, Isa Maria Freire

Artigos de Revisão

·         Leis, Decretos e Normas sobre Gestão da Segurança da Informação nos órgãos da Administração Pública Federal. Wagner Junqueira de Araujo.

·         Modelo conceitual para o capital intelectual integrado à Gestão do Conhecimento. Simone Bastos Paiva.

·         Representação temática da informação e mapas cognitivos: interações possíveis. Dulce Amélia de Brito Neves.

·         A institucionalização da Ciência da Informação no Brasil: elementos disciplinadores do campo científico. Edivanio Duarte de Souza.

·         O acesso a informações e a contribuição da arquitetura da informação, usabilidade e acessibilidade. Marckson Roberto Ferreira de Sousa.

Memórias Científicas Originais

·         A pesquisa qualitativa: origens, desenvolvimento e utilização nas dissertações do PPGCI/UFPB - 2008 a 2012. Edvaldo Carvalho Alves, Mirian de Albuquerque Aquino.

·         Produção sobre necessidades de informação: em foco Informação & Sociedade: Estudos. Francisca Arruda Ramalho.

·         Relatos de Experiência

·         Novas fronteiras acadêmicas: cooperação entre Grupos de Pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. Isa Maria Freire, Placida Leolpdina Ventura Amorim da Costa Santos.

·         A inclusão digital dos agentes de limpeza urbana e dos agentes ambientais da coleta seletiva de lixo da cidade de João Pessoa/PB. Julio Afonso Sá de Pinho Neto.

Relatos de Pesquisa

·         Informação & Sociedade: Estudos – Memórias de um periódico científico. Maria Elizabeth Baltar Carneiro de Albuquerque, Guilherme Ataíde Dias.

·         A configuração do campo da Ciência da Informação: marcas de uma identidade. Gustavo Henrique de Araújo Freire, Jonathas Luiz Carvalho Silva.

·         Informação arqueológica de Ingá: preservação, acesso e uso a partir de um ambiente virtual. Liliane S. Machado, Carlos. Xavier Azevedo Netto, Thaíse K. L. Costa, Ronei M. Moraes, Pablo Rodrigues Rosa, Pablo C. P. Laranjeiras, Daniel P. S. Medeiros, Eduardo L. Falcão, Anderson P. Belo, Herminegildo R. R. Netto.

·         Conteúdos temáticos como subsídios para indicação de colaboração na Ciência da Informação: PPGCI/UNESP e PPGCI/UFPB em evidência. Emeide Nóbrega Duarte.

 

O texto completo pode ser acessado no URL:

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Dicionário de Bluteau


0 Comentários


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Conversas públicas – Web Semântica e Arquivos


0 Comentários

A Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas convida todos os interessados para esta sessão de Conversas Públicas que tem como convidada Ana Alice Baptista, especialista na área de Ciências da Computação e da Informação. 
 Esta sessão realiza-se no próximo dia 4 de dezembro pelas 15h.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal completa 50 anos


1 Comentários


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

5º Workshop de Arquivística «Metodologia de tratamento de documentos sonoros e audiovisuais»


0 Comentários

Local: Anfiteatro 1 (Ed. Antigo, UCP-Lisboa)
Horário: 9h30 - 13h00 | Consultar Programa.

Esta iniciativa é promovida pelo Grupo de Arquivística do CEHR. Pretende-se, com a sua realização, abordar sobretudo a vertente prática do trabalho de representação dos documentos fotográficos, sonoros e audiovisuais. É nosso objetivo dar continuidade e complementar os resultados dos anteriores workshops, nos quais se tem procurado expor e debater casos concretos de intervenção, com a demonstração de exemplos de descrição de unidades arquivísticas.

Interoperabilidade Digital: IPv6 não é obrigatório na Administração Pública


1 Comentários

Num cenário de grande atraso na migração para o IPv6, o novo protocolo Internet não é considerado obrigatório para as comunicações da Administração Pública (AP) nacional. Este será provavelmente o dado mais desconcertante do Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital (RNID) aprovado recentemente pelo Governo e ontem publicado em Diário da República.

Com este regulamento, elaborado pela Agência para a Modernização Administrativa (AMA), o Governo quis estabelecer um conjunto de «especificações técnicas e formatos digitais definidos e mantidos por organismos internacionais».

E no portfólio de especificações e formatos digitais aprovado, o IPv6 é definido como o protocolo para as comunicações, mas não como «obrigatório». O IPv6 na AP é apenas «recomendado».

É uma falta de obrigatoriedade que contrasta com os sucessivos alertas de vários especialistas na área das redes de comunicações quanto a urgência de migração para o IPv6.

Já no final do ano passado, em entrevista ao iGOV, o presidente da Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN), Pedro Veiga, alertava para a necessidade de a AP «migrar com rapidez para o IPv6 porque o protocolo actual, o IPv4, está a esgotar os seus endereços. Nalgumas zonas do globo, como a Ásia/Pacífico, já se esgotaram os endereços. Na Europa espera-se que isso aconteça nos próximos meses e deveria ter havido um planeamento melhor relativamente à migração do IPv6».

Pedro VeigaMas na carteira de especificações e formatos agora definidos no RNID, o IPv6 não passa de uma recomendação. Segundo o texto da Resolução do Conselho de Ministros agora publicada, os itens recomendados limitam-se a «orientações que constituem boas práticas que devem ser aplicadas sempre que possível». Significa isso que na implementação de projectos de comunicações na AP, e respectivas adjudicações de equipamentos e serviços, o IPv6 não será uma condição obrigatória.

Também aqui, nas opções de compras públicas, o responsável da FCCN alertava, na entrevista ao iGOV, para os riscos de não se apostar no IPv6.

«Há organismos que há um/dois anos compraram equipamentos e não acautelaram a sua compatibilidade com o IPv6 e isto vai ser uma fonte de gasto desnecessário de recursos porque, se calhar, daqui a 2/3 anos num período em que os equipamentos ainda estariam na sua vida activa terão que ser substituídos», alertava Pedro Veiga.

E concluía: «Gastou-se mal o dinheiro porque não se fez um planeamento adequado da necessidade de migrar para o IPv6. Ou seja vão-se perder investimentos…»

Fonte: iGOV

Bibliotecas escolares em Angola


0 Comentários


Fonte: Agência Angola Press. Data: 14/11/2012.

URL: http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2012/10/46/Bibliotecario-defende-criacao-bibliotecas-escolares,b2ef83e3-884f-4380-a381-2d8ff20033cd.html

O bibliotecário Jorge de Abreu Arrimar defendeu hoje (quarta-feira), em Luanda, a parceria entre o ministério de educação, editoras e as escolas, por forma a criação de bibliotecas escolares, visam, sobretudo, incentivar o hábito de leitura na sociedade no geral.

Em declarações á Angop, por ocasião da mesa redonda “ A história e a literatura “, realizada no âmbito da segunda edição do projecto cultural “ Ler é uma Festa “, Jorge Arrimar sustentou que a parcerias entre o ministério de educação e as escolas do ensino geral teria como finalidade desenvolver projectos para a criação de bibliotecas escolar, para o insectivo a leitura por parte dos alunos.

Jorge de Abreu Arrimar disse ainda que em cada escola do ensino geral deveria existir uma biblioteca, conforme a dimensão da instituição, onde cada aluno teria disponível um livro seleccionado para o incentivo a leitura.

Acredita que esta parceria contribuiria também para o aparecimento de mais publicações e autores nacionais.

 “As próprias editoras estariam motivadas para editar mais livros e isso incentivaria também o aparecimentos de mais autores e escritores porque os mesmos sentem a existência de oportunidades para o lançamentos das suas obras”, realçou o bibliotecário.

 “Ler é uma Festa “visa divulgar, cada vez mais, a importância do livro e promover o hábito de leitura na população com vista a contribuir na formação cultural e intelectual da pessoa, para que tenha uma melhor compreensão dos factos e fenómenos no mundo.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Curso de Biblioteconomia a distância


1 Comentários


No último dia 29 de outubro, o Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB) protagonizou um momento histórico para a Biblioteconomia no País. A presidente do CFB, Nêmora Rodrigues, assinou junto ao Prof. Dr. Jorge Almeida Guimarães, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), um acordo de parceria para a implantação do curso de Biblioteconomia à distância no Brasil. O acordo resulta de uma discussão conjunta que se iniciou em outubro de 2008.

A decisão do CFB em consolidar tal cooperação para viabilizar esta formação foi pautada em dois princípios: na avaliação de que as políticas nacionais têm, ao longo do tempo, favorecido a distribuição de acervos em detrimento da oferta de serviços de informação, sendo que qualquer intervenção, visando promover alterações no quadro descrito, esbarra na pouca quantidade de profissionais formados no País e no entendimento de que a educação à distância é uma realidade mundial.

Na área de Biblioteconomia, essa modalidade já é efetuada em diversos países da Ásia e Europa, além dos Estados Unidos, Canadá, México, Argentina, Venezuela, Costa Rica e Cuba.

O sistema de ensino brasileiro faculta a qualquer instituição a oferta de ensino de graduação nesta modalidade, fato que poderia se constituir em uma realidade nacional a qualquer momento, independentemente da qualidade ou da ingerência de qualquer organismo ligado à área.

Desse modo, o Conselho Federal de Biblioteconomia entende que, ao apoiar a iniciativa da formação de bibliotecários nessa modalidade, é oportuno conduzir, na qualidade de organismo fiscalizador, um processo de negociação visando à formação de bibliotecários que assegurem a qualidade almejada pelas instituições da área e, sobretudo, pelo mercado.

Para operacionalizar o trabalho junto à Universidade Aberta do Brasil (UAB), foram observados os pressupostos estabelecidos pela Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), por meio dos documentos construídos pelas escolas de Biblioteconomia do Brasil, bem como a observância das diretrizes curriculares elaboradas para os cursos de graduação em Biblioteconomia estabelecidas pelo Ministério da Educação (MEC).

EIXOS TEMÁTICOS

Nesse sentido, foram assumidos como eixos temáticos os seis estabelecidos pelos documentos que a norteiam, a saber:

1.      Fundamentos Teóricos da Biblioteconomia e da Ciência da Informação;

2.      2. Organização e Representação da Informação;3. Recursos e Serviços de Informação;

3.      4. Gestão da Informação;

4.      5. Tecnologias de Informação e Comunicação;

5.      6. Políticas e Gestão de Unidades, Sistemas e Serviços de Informação.

A elaboração do projeto pedagógico, o acompanhamento, visando o fiel cumprimento dos princípios de qualidade emanados pela Comissão de Ensino do CFB, estão a cargo de um grupo de trabalho composto por bibliotecários professores doutores, com relevada produção em cada um dos eixos citados e que atuam em diferentes regiões do País, para atuar junto à UAB, cujas atividades tiveram início em 18 de junho de 2009.

A previsão de início da primeira turma do curso é março de 2013.

Fonte: Conselho Regional de Biblioteconomia 1ª Região (CRB-1). Editado pelo CRB-6.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

D. Manuel II e a cultura


0 Comentários


Arquivo

Categorias