segunda-feira, 30 de março de 2009

Revista disponível desde 1972


5 Comentários

"Ciência da Informação" desde 1972
O IBICT passou a disponibilizar por meio do repositório digital de acesso livre (OJS/SEER), a coleção completa da revista Ciência da Informação.
São 80 números publicados ininterruptamente desde 1972. Vale a pena consultar esta importante fonte de informação no URL:
http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/issue/archive
Esta revista foi a primeira da área a ser publicada no Brasil.

Murilo Cunha

sábado, 28 de março de 2009

IV Encontro Ibérico EDIBCIC 2009


0 Comentários

Informações sobre a Conferência:

quinta-feira, 26 de março de 2009

10º Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas


0 Comentários

O Conselho Directivo Nacional da BAD agendou o 10º Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas para os dias 7, 8 e 9 de Abril de 2010, em Guimarães, no Centro Cultural Vila Flor.

Composição da Comissão Organizadora do Congresso:

Presidente
  • António Pina Falcão

Conselho Científico
  • António Sousa
  • Armando Malheiro da Silva
  • Eloy Rodrigues
  • Fernanda Campos
  • Fernanda Ribeiro
  • Henrique Barreto Nunes
  • José António Calixto
  • Pedro Penteado

Conselho Executivo
  • Aida Alves
  • Ivone Gonçalves
  • Jacinta Maciel
  • Leonarda Galhanas
  • Luísa Alvim
  • Manuela Barreto Nunes
  • Olinda Cardoso
Informação mais detalhada, incluindo datas para a apresentação de propostas de comunicações, preços de inscrição, etc., será apresentada em Abril.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Google venderá livros eletrônicos


0 Comentários

Fonte: Portal Imprensa. Data: 25/03/2009.

O Google anunciou que disponibilizará uma página na web para facilitar a busca por livros na rede mundial de computadores. De acordo com a empresa, no site, estarão digitalizados até 7 milhões de títulos, em mais de 100 idiomas. Nos livros presos a direitos autorais, será possível à consulta de dados bibliográficos e fragmentos de textos, como em uma livraria convencional.
Nos títulos de domínio público, o usuário poderá visualizá-los na íntegra, sem qualquer restrição. O Google ainda estuda uma forma de comercializar os livros que estão fora do catálogo e outros que estão no mercado. Ainda não foram estipulados valores médios para a venda das publicações online.
A estimativa é de os lucros com as vendas das obras seja dividido entre o Google e a distribuidora das publicações, na faixa de 37% e 63%, respectivamente. "Nós seremos a vitrine para que o editor possa vender os livros", ressaltou o responsável pela iniciativa na Espanha, Luis Collado.

Mais brasileiros acessam a web de casa


0 Comentários

Fonte: Adnews. Data: 24/03/2009.

O número de usuários ativos da internet em residências aumentou para 24,8 milhões em fevereiro de 2009, segundo o IBOPE Nielsen Online. O crescimento foi de 1,4% sobre o mês de janeiro e de 12,5% sobre fevereiro de 2008. Pessoas que moram em residências em que há computador com internet somaram 38,2 milhões.
Considerando todos os brasileiros de 16 anos ou mais de idade com posse de telefone fixo ou móvel, o IBOPE projeta a existência de 62,3 milhões de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente. Dos 24,8 milhões de usuários ativos de fevereiro de 2009, 21,5 milhões ou 87% navegaram por meio de banda larga, crescimento de 3,9% sobre janeiro de 2009 e de 24% sobre fevereiro de 2008. “O crescimento do uso de banda larga em fevereiro foi maior no público feminino, principalmente crianças e adolescentes, justamente os perfis que historicamente menos usam conexões rápidas”, informou José Calazans, analista de Mídia do IBOPE Nielsen Online.
Considerando as pessoas de 16 anos ou mais de idade que moram em domicílios com telefonia fixa, o total com acesso em todos os ambientes (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros) no quarto trimestre de 2008 foi de 43,2 milhões.
O tempo de navegação por pessoa da internet residencial caiu 10,7% em relação ao mês anterior e 1,1% na comparação com fevereiro de 2008, ficando em 22 horas e 10 minutos. Entre os países medidos com a mesma metodologia, navegaram mais que o Brasil em fevereiro o Reino Unido, com 23 horas e 29 minutos, a França, com 22 horas e 50 minutos, e a Alemanha, com 22 horas e 22 minutos por pessoa em residências.
“Por ser um mês mais curto, fevereiro registrou diminuição da navegação em todos os países. Na Europa, a queda foi menor por causa do crescente interesse por redes sociais neste momento”, explicou o analista José Calazans.
As categorias que registraram o maior aumento percentual em relação ao mês anterior foram Educação e Carreiras, com 5,9%, Portais, Buscadores e Comunidades, com 1,7%, Telecomunicações e Serviços de Internet, com 1,4%.
Cresceram acima da média da internet residencial na comparação com fevereiro de 2008 as categorias Informações Corporativas (23,8%), Viagens e Turismo (19,8%), Comércio Eletrônico (17,0%), Buscadores, Portais e Comunidades (13,6%) e Entretenimento (13,6%).

Google inclui associação semântica no seu motor de busca


0 Comentários

O grupo norte-americano de Internet Google modificou o seu popular motor de busca para incluir a associação semântica de forma a responder de modo mais eficaz às buscas, por vezes incompletas, dos internautas.

"Nós disponibilizámos uma nova tecnologia que compreende melhor as associações de ideias e conceitos ligadas à vossa pesquisa", explicaram no blogue da Google Ori Allon e Ken Wilder, dois responsáveis da equipa técnica encarregue de melhorar a qualidade da resposta às pesquisas dos internautas.

As pesquisas por campo semântico, vão além da simples junção das palavras digitadas pelos internautas tentando compreender o significado das frases ou da combinação das palavras.

Para tal, a Google lançou na terça-feira a possibilidade de pesquisar por campos semânticos em 37 línguas.

Fonte: Jornal de Notícias

segunda-feira, 23 de março de 2009

Fórum Internacional Software Livre - Fisl 10


0 Comentários





Prezados,

em junho próximo (24 a 27) acontecerá a décima edição do Fórum Internacional Software Livre - Fisl 10

O maior encontro de comunidades de software livre da América Latina e um dos maiores do mundo. O maior e mais antigo evento de tecnologia do Brasil.

Trata-se de uma excelente oportunidade para conhecermos de perto a revolução que está ocorrendo no mundo da tecnologia.

Maiores informações neste link.

Um abraço a todos.

André Ricardo Luz
Linux user 369770
Editor da revista Arquivistica.net
http://www.arquivistica.net/

visite:
http://arquivistica.blogspot.com/

sábado, 21 de março de 2009

VII Curso Segurança de Acervos Culturais - Rio de Janeiro/Brasil


1 Comentários

VII Curso Segurança de Acervos Culturais

Período: 04 a 08 de maio de 2009

Organização: Coordenação de Documentação e Arquivo

Museu de Astronomia e Ciências Afins/MCT

Objetivos:

1. Conscientizar profissionais para a gestão de segurança de acervos culturais;

2. Instruir sobre questões da conservação preventiva voltada à segurança de bens culturais:

3. Incentivar estudos na área de preservação, conservação e segurança de bens culturais.

Público Alvo:

Conservadores, restauradores, engenheiros, arquitetos, museólogos, bibliotecários, arquivistas, dirigentes de instituições culturais e profissionais diretamente envolvidos com a preservação de acervos culturais.

Regime: tempo integral de 8 h/a por dia

Pré-requisito:

2º Grau Completo

Número de vagas: 40 vagas

Carga Horária: 40 horas

Inscrições:

As inscrições podem ser feitas na secretaria da Coordenação de Documentação e Arquivo, com a Secretária Vânia Rodrigues, pelo tel (21) 2580 -7010 ramal 217 no horário de 9:00 às 12:00h e de 13:00 às 17:00h, a partir de 03 de março.

Pagamento:

Cheque nominal à Associação Cultural de Amigos do Museu de Astronomia e Ciências Afins ou, então, por depósito em conta corrente:

Caixa Econômica Federal

Banco 104

Agência 0232-1

São Cristóvão

Conta Corrente: 003 / 773.287-9

CNPJ: 72.084.155/0001-64

Taxa de Inscrição:

R$ 360,00 - pessoa física;

R$ 460,00 – pessoa jurídica.

Obs 1: A taxa de inscrição pode ser dividida em três parcelas:

1ª até 6 de março;

2ª até 3 de abril;

3ª até 1 de maio

Obs 2 : A matrícula está sujeita à confirmação de pagamento da inscrição.

Obs 3: A inscrição dá direito ao material do curso, coffee break e certificado.

Prazo de Inscrição: de 02 de março a 30 de abril de 2009.

Horário:

O curso será ministrado de 04 a 08 de maio de 2009, no horário de 9:00 às 18:00.

Será concedido certificado de participação para quem freqüentar todas as aulas.

Local:

Museu de Astronomia e Ciências Afins/ Ministério da Ciência e Tecnologia.

Rua General Bruce, 586.

São Cristóvão

Rio de Janeiro

CEP: 20921030


PROGRAMA

Dia 4 de maio – segunda-feira

8:20h Entrega de material

8:40h Abertura

Disciplinas:

Controle de Acervos

Horário: 9 às 13h

Carga Horária: 4 h/a

Professora: Maria Celina Soares de Mello e Silva

Arquivista do Arquivo de História da Ciência / Museu de Astronomia e Ciências Afins; Doutora em História Social pela USP.

Ementa: Aborda questões que envolvem o controle de acervos, tais com a formação de coleções, registro e processamento técnico, instrumento de busca e controle de acesso, sob o ponto de vista da segurança.

Coffee Break10:00h

Legislação Patrimonial

Horário: 14h às 18h

Carga Horária: 4 h/a

Professor: Nelson Lacerda Soares

Procurador Público Federal – PROJUR / RJ / IPHAN; Assessor jurídico da Direção do Pró-Documento / FNpN; Assessor Jurídico da Comissão de Inventário de bens Imóveis; Assessor Jurídico da direção do Museu Nacional de Belas Artes.

Ementa: Da proteção constitucional e infraconstitucional (leis e decretos relevantes) / Dos crimes contra o patrimônio cultural e da competência do Estado para apurar / Organizações internacionais (UNESCO e OEA) / Documentos internacionais importantes relativos à proteção do patrimônio cultural material e imaterial / Direito à cultura e direitos humanos / Dos direitos autorais.

Coffee Break 10h e 16h

Dia 5 de maio – terça-feira

Preservação de Acervos

Horário: 9h às 18h

Carga Horária: 8 h/a

Professora: Lygia Guimarães

Conservadora Sênior do IPHAN – Especialista em Conservação de Acervos Arquivísticos e Bibliográficos e de Obras de Arte sobre papel, Camberwell School of Arts and Crafts, Londres/Inglaterra.

Vice-Presidente do Comitê Regional da América Latina e Caribe do Programa Memória do Mundo da UNESCO.

Ementa: conceituação, contextualização e função dos acervos culturais, políticas e estratégias de preservação, elaboração de planos de preservação e de emergências.

Coffee Break 11h e 16h

Dia 6 de maio - quarta-feira

Arquitetura e Segurança das Coleções

Horário: 9h às 18h

Carga Horária: 8h/a

Professora: Cláudia Suely Rodrigues de Carvalho

Arquiteta, Doutora em Preservação Arquitetônica pela USP. Coordenadora do Núcleo de Preservação Arquitetônico e Diretora Substituta do Centro de Memória e Informação da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Ementa: A disciplina tem como foco as relações entre as características arquitetônicas dos edifícios que abrigam coleções e a preservação dos acervos, com ênfase nas questões ambientais, a luz das normas e recomendações sobre segurança em edificações

Coffee Break 11h e 16h

Dia 7 de maio – quinta-feira

Proteção contra Incêndio

Horário: 9h às 13h

Carga Horária: 4 a/h

Professor: Victor Manoel de Carvalho

Especialização em Salvatagem; especialização em situações de emergências nucleares e radiológicas; Curso de operações contra incêndios (Texas, EUA); Instrutor de Combate a Incêndio da Marinha, Instrutor de Socorro e Salvamento da Marinha; Oficial Analista de Inteligência Estratégica no Ministério da Defesa em Brasília.

Ementa: Brigadas de incêndio; Programa de Prevenção de Riscos e Acidentes (PPRA); Programas de Fiscalização e avaliação; Equipamentos e materiais básicos de emergência; Prevenção e gerência de riscos; Planos de emergência contra incêndios; Técnicas de combate a incêndio, análises de causas de incêndios.

]

Coffee Break 11:00 h

Segurança da Informação em Meios Eletrônicos

Horário: 14h às 18h

Carga Horária: 4 h/a

Professor: Luiz Fernando Sayão

Mestre e Doutor em Ciência da Informação, Convênio CNPq/IBICT/UFRJ-ECO; Chefe do Centro de Informações Nucleares (CIN) da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN); Membro da Câmara Técnica do Documento Eletrônico do CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos); Representante brasileiro no INIS – Internacional Nuclear Information System.

Ementa: O que é preservação digital: definições e conceitos; a obsolescência das mídias digitais: causas e conseqüências; os desafios da preservação digital; metadados para preservação digital; projetos internacionais em andamento.

Coffee Break 16h

Dia 8 de maio – sexta-feira

Biossegurança em Bibliotecas, Arquivos e Museus

Horário: 9h às 13h

Carga Horária: 4 h/

Professora: Francelina H. Lima e Silva

Bióloga da Escola Nacional de saúde Pública / Fundação Oswaldo Cruz Mestre em Ciência da Informação, Convênio CNPq/IBICT/UFRJ-ECO; Tecnóloga Sênior do Núcleo de Biossegurança / NUBio da Vice Presidência de Serviço de Referência e Ambiente / VPSA da Fiocruz.

Ementa: Abordará conceitos e informações básicas em Biossegurança, facilitando o despertar da percepção do profissional que atua em bibliotecas, arquivos e museus em relação aos diversos riscos inerentes ao trabalho e ao meio ambiente.

Coffee Break 11h

Combate ao Tráfico Ilícito de Bens Culturais

Horário: 14h às 18h
Carga Horária: 4 h/a

Professor: Delegado da Polícia Federal / Interpol

Ementa: Conhecer da estrutura e atuação da Interpol no combate ao comércio ilícito de bens culturais; conhecer a atuação da Interpol em parceria com o IPHAN, interpretando os fundamentos legais para a defesa e preservação do patrimônio nacional; expor e interpretar os elementos ensejadores da Política Nacional de Segurança para arquivos, bibliotecas e museus.

Coffee Break 16:00 h

Coordenação do Curso:

Coordenação de Documentação e Arquivo

- Vânia Hermes de Araújo (Coordenadora)

- Solange Rocha

- Maria Celina Soares de Mello e Silva



Arquivo de História da Ciência

E-mail: arquivo@mast.br

Museu de Astronomia e Ciências Afins

www.mast.br

Tel: 21- 25807010 / ramal: 214 / 201

Classificação dos periódicos em Humanidades


0 Comentários

Fontes: Revista Pesquisa FAPESP, artigo: Não à hierarquia, Edição Impressa 157 - Março 2009 e URL da Capes:http://www.capes.gov.br/servicos/sala-de-imprensa/36-noticias/2550-capes-aprova-a-nova-classificacao-do-qualis


Editores europeus de revistas acadêmicas de disciplinas ligadas às humanidades insurgiram-se contra uma tentativa de enquadrá-los em critérios consagrados na avaliação das ciências e engenharias.
Um manifesto conjunto assinado pelos responsáveis por 61 periódicos foi proposto um boicote ao European Reference Index for the Humanities (ERIH), um índice criado pela European Science Foundation que pretendia graduar cerca de 12 mil publicações do velho continente em três categorias, de acordo com seu impacto e disseminação: A (alto nível internacional), B (nível internacional padrão) e C (publicações de importância regional).
Critério semelhante é usado no Brasil para valorizar periódicos na produção intelectual da pós-graduação. O Qualis, da CAPES/Ministério da Educação, é fruto do conjunto de procedimentos utilizados para estratificação da qualidade dessa produção. O Qualis afere a qualidade dos artigos e de outros tipos de produção, a partir da análise da qualidade dos veículos de divulgação, ou seja, periódicos científicos e anais de eventos.
A classificação da CAPES de periódicos é realizada pelas áreas de avaliação e os periódicos são enquadrados em indicativos da qualidade como: A1, o mais elevado; A2; B1; B2; B3; B4; B5; C - com peso zero.
Segundo a revista Social Studies of Sciences, a adoção de um índice de classificação europeu é imprópria por dois grandes motivos. Um deles seria a baixa representatividade acadêmica dos que seriam encarregados de classificar os jornais. A segunda e mais importante é que os periódicos em ciências humanas e sociais são diversos, heterogêneos e distintos como o é o objeto de seu estudo e seus diferentes contextos. Alguns se dirigem a conjuntos amplos, gerais e internacionais de leitores, outros são mais especializados em seus conteúdos e audiência implícita.
Confunde-se internacionalidade com qualidade de uma forma particularmente prejudicial para periódicos publicados em outras línguas que não o inglês, diz o editorial assinado pelos editores das 61 publicações europeias.
Iniciativas de classificar a qualidade de periódicos podem tornar-se profecias autorrealizáveis. Se forem adotadas como base para as decisões de agências de financiamento, muitos pesquisadores concluirão ter pouca escolha e limitar suas publicações, unicamente, a periódicos da primeira divisão. Existirão menos periódicos, com muito menor diversidade, empobrecendo assim nossas disciplinas.
O modelo prejudicaria também os jornais de nível A, ao inundar as mesas dos editores com um número desproporcional de submissões de artigos. Entre os pesquisadores das humanidades da Europa é persistente uma visão segundo a qual os critérios bibliométricos, como números de artigos e citações, não são seguros para atestar a qualidade e a validade da produção acadêmica de um periódico.
O texto, europeu, assinado pelos 61 editores deixa transparecer essa desconfiança, ao falar de uma “contabilidade supostamente precisa” ou dizer que o modelo de atribuição de valor qualitativo baseia-se numa incompreensão fundamental da conduta e da publicação da pesquisa nas humanidades em geral.

Dia Mundial da Poesia 2009 - Deixe-se inspirar!


0 Comentários

Hoje, celebra-se o Dia Mundial da Poesia!

Esta efeméride é assinalada pelo Serviço de Documentação e Informação da FEUP com uma selecção de poemas de autores portugueses que mantém uma estreita relação com as artes visuais.


Na companhia dos seis autores apresentados neste website desenvolvido para o efeito, o SDI deseja-lhe um Dia da Poesia inspirador!

sexta-feira, 20 de março de 2009

2ª Caminhada de bloguistas BAD&LIS


0 Comentários

"Cruzar caminhos e olhares de autores, editores e leitores de blogues do mundo das bibliotecas, dos arquivos, da documentação... da ciência da informação!"

28 de Março de 2008 - Programa

“Um dia de caminhada entre aldeias mágicas e rios de ouro, com posts e comentários quanto baste!”

Local de encontro: Arouca, Câmara Municipal
  • 09h30 – Encontro em frente à Câmara Municipal de Arouca
  • 10h00 – Saída de Arouca (Arouca - Covelo Paivó)
  • 10h30 – Início da caminhada em Covelo de Paivó

1ª etapa »» Covêlo de Paivó »» Regoufe [4 km]

(...) avistando o Rio Paivó:

1º post – Blogs: antes de mais uma atitude pessoal
  • 13h00 – Almoço em Regoufe
(...) cafezinho na venda de Regoufe:

2º post – Blogs... como exercício profissional


2ª etapa »» Regoufe »» Drave

(...) avistando a aldeia mágica

3º post – Blogs... vozes pessoais que identificam instituições
  • 16h30 – Lanche em Drave
(...) bem perto da ribeira

4º post – Blogs... o ponto de partida da biblioteca 2.0
  • 17h30 – Regresso (Drave - Arouca)
Para mais informação sobre o evento devem consultar o nosso colega e organizador Pedro Príncipe, do blogue Rato de Biblioteca.

Convite para o Seminario de Administración del Conocimiento y la Información


3 Comentários

Totalmente online e aberto a toda a comunidade interessada: http://www.saci.cfie.ipn.mx

Estimados colegas, una nueva emisión del Seminario de Administración del Conocimiento y la Información es una oportunidad para reflexionar acerca de nuestro proceso de transición hacia la sociedad del conocimiento, quizá también, la oportunidad de hacer una autocritica y una redefinición de nuestras acciones en el futuro inmediato. Agradecemos el seguimiento que ustedes han dado y la participación que han tenido en la interacción y el diálogo que ha significado su paso por los foros de discusión.

En esta nuevo inicio les hacemos una muy atenta invitación a que nos acompañen en la ceremonia inaugural del Seminario de Administración del Conocimiento y la Información 2009, la cual tendrá lugar el día miércoles 29 de abril a las 16:00 hrs., en el Auditorio Principal del Centro de Formación e Innovación Educativa, ubicado en la Unidad Profesional Adolfo López Mateos, Av. Wilfrido Massieu s/n, a un costado del Planetario "Luis Enrique Erro" Delegación Gustavo A. Madero.

Les invitamos también a que se inscriban y sean parte de esta experiencia que inicia el 29 de abril del año en curso. Se acompaña el cartel en formato digital, el cual agradeceremos se sirvan compartirlo con otros colegas interesados a fin de lograr juntos generar la masa crítica que haga realidad la transición hacia la sociedad del conocimiento

En esta ocasión nos acompañan, en forma presencial, tres destacados especialistas que nos comparten su experiencia en tres interesantes conferencias:

  • 1. Nuestro rezago con la Sociedad del Conocimiento | Macario Schettino. Analista político. México | 29 de abril, 16:00 hs.
  • 2. ¿ Qué es la gestión del conocimiento y cuál es su aplicación en las IES? |Ricardo Villafaña Figueroa, Instituto Mexicano de Administración del Conocimiento. México. | 29 de abril, 16:00 hs.
  • 3. Las telecomunicaciones y el acceso al conocimiento en la era digital | Elvia Monasterio. Fundación Canitec. México | 29 de abril, 16:00 hs.
Se les recuerda que al finalizar las videoconferencias tendremos una sesión de acercamiento entre los participantes y los ponentes para dialogar en torno a la gestión del conocimiento. Les recordamos que el acceso es libre para toda la comunidad académica interesada y que estaremos atentos para brindarle la información que ustedes requieran en la dirección de correo: saci.seminario@ipn.mx y directamente en las oficinas de la Subdirección de Innovación Educativa.
Informação disponibilizada pelo Dr. Noel Angulo

quinta-feira, 19 de março de 2009

Submissão de propostas de comunicação à II Conferência Internacional “Bibliotecas Para a Vida”


0 Comentários

O Centro Interdiciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e a Biblioteca Pública de Évora convidam todos os interessados a apresentar propostas de comunicação à II Conferência Internacional “Bibliotecas Para a Vida”, subordinada ao tema “Bibliotecas e Leitura”. A Conferência tem lugar em Évora nos próximos dias 18 a 21 de Novembro.

Este é um convite aberto a todos os que quiserem participar, e que tenham trabalho e estudos para apresentar dentro da temática da Conferência, por exemplo:
  • Professores e investigadores de diversas áreas científicas,
  • Estudantes de mestrado e doutoramento,
  • Bibliotecários públicos, escolares ou universitários.
As propostas serão apreciadas por uma comissão científica.

Os sub-temas da Conferência são os seguintes:
  • Conceitos, técnicas e práticas de promoção da leitura em bibliotecas
  • Contextos de promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras
  • Perfis profissionais para a promoção da leitura
  • O livro impresso: importância, presente, futuro
  • Leitura e Tecnologias de Informação e Comunicação
  • Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas
  • Marketing, comunicação e informação no âmbito da promoção da leitura em bibliotecas
  • Cooperação luso-espanhola na promoção da leitura
As datas mais importantes a ter em atenção são as seguintes:
  • Apresentação do resumo: Até 30 de Abril
  • Confirmação de aceitação pela Comissão Científica: Até 30 de Junho
  • Entrega do texto completo: Até 31 de Agosto
Todas as informações, bem como os formulários para a apresentação das propostas, encontram-se disponíveis no seguinte endereço: http://www.evora.net/bpe/inicial5.htm

Informação disponibilizada pelo Dr. Paulo Leitão, da Fundação Calouste Gulbenkian.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Mapa do Conhecimento


0 Comentários

Ao longo da história conceberam-se inúmeros modelos, mapas ou representações do conhecimento humano. Dando seguimento às mais variadas interpretações e abrangências, foi publicada uma notícia, no passado dia 16 de Março, no "The New York Times", dando a conhecer um novo mapa do conhecimento:
A new map of knowledge has been assembled by scientists at the research library of the Los Alamos National Laboratory. It is based on electronic data searches in which users moved from one journal to another, thus establishing associations between them. [...]

In the map, published in the current issue of PLoS One, the journals are color-coded as follows: physics, light purple; chemistry, blue; biology, green; medicine, red; social sciences, yellow; humanities, white; mathematics, purple; and engineering, pink. The interconnecting lines reflect the probability that a reader will click from one journal to another on the computer screen.

terça-feira, 17 de março de 2009

XIII Jornadas da Comunicação da ESEP


0 Comentários

Começaram ontem as XIII Jornadas da Comunicação da ESEP e podem ser acompanhadas aqui, aqui e em tempo real aqui.

Candidatura à Criação de um Repositório Institutional (16 a 27 de Março)


0 Comentários

Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais do RCAAP
Período de manifestações de interesse e candidaturas
Informam-se todas as instituições do sistema científico e de ensino superior nacional que, de 16 a 27 de Março, se encontra aberto um período de manifestação de interesse e candidatura para criação de repositórios institucionais no Serviço de Alojamento de Repositórios Institucionais (SARI) do Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP).
Para obter mais informação consulte o website do projecto RCAAP

segunda-feira, 16 de março de 2009

Feed RSS agregando a informação disseminada pelos colaboradores deste blogue no Twitter


1 Comentários

Acabei de disponibilizar um feed RSS agregando a informação disseminada pelos colaboradores deste blogue no Twitter. Deste modo, qualquer visitante pode acompanhar todas as mensagens publicadas por nós a partir do mesmo canal, neste blogue.
De momento, só 3 dos colaboradores é que estão registados nesta rede social (Paulo Sousa, Nuno Matos e Eloy Rodrigues). Espero que em breve seja possível estarmos todos!

Ônibus serve como biblioteca na Nicarágua, atendendo 9,5 mil crianças


2 Comentários

Fonte: Jornal do Brasil Online. Data: 13/03/2009.
Autor: Oliver Sefrin*.

NICARÁGUA - Mais alguns minutos na fila e será a vez dela. A jovem Escarlet, habitante do povoado Los Pocitos, a 50 km ao sul de Manágua, na Nicarágua, espera no pátio da sua escola, junto com outras crianças e jovens, a hora de ser atendida. Ela leva na mão uma edição espanhola do livro “A História sem Fim”, do famoso autor alemão de literatura infantil ­Michael Ende.

Ela pegou o livro emprestado num lugar inusitado – numa biblio­teca móvel, o ônibus Bertolt Brecht, que atende cerca de 9,5 mil crianças e adultos em escolas e prisões de Manágua e ­comunidades próximas. O colorido veículo leva a bordo entre 150 e 200 livros – obras de ficção e não-ficção, literatura ­infantil e para adultos. Onde quer que ele chegue, é recebido com grande entusiasmo.

A idéia de uma biblioteca móvel partiu de uma alemã: Elisabeth Zilz, de 86 anos, proveniente de Frankfurt do Meno. Em 1985, ela fundou a associação “Uma biblioteca movel na Nicarágua”. Seu objetivo era elevar a baixa taxa de alfabetização no país e facilitar o acesso da população aos livros, um bem raro e caro na ­Nicarágua, sobretudo nas zonas rurais.

A iniciativa fez com que Elisabeth Zilz recebesse, em 2008, a maior condecoração nicaraguense. Sua perseverança valeu a pena. A biblioteca móvel já existe há 22 anos. O grande sortimento de livros provém da biblioteca alemã-nicaraguense, fundada em Manágua, também com ajuda de Elisabeth Zilz. A maior do país, com um acervo de 12 mil livros – literatura nicaraguense e internacional e uma coleção em espanhol de obras de autores alemães, como Goethe e Günter Grass.

A sala de leitura da biblioteca, inaugurada em 2001, é muito frequentada, sobretudo por crianças e adolescentes. O número de leitores chega a mais de cem por dia. Os jovens lêem, fazem seus deveres de casa ou participam de cursos de alemão e inglês.
O futuro da biblioteca e da biblioteca móvel está garantido, graças a um segundo parceiro alemão do projeto, a associação “Pan y Arte”. Uma boa notícia para Escarlet e outros jovens ratos de biblioteca do ­povoado Los Pocitos.

*Da revista Deutschland Online

O futuro da internet


0 Comentários

Conheça as previsões de especialistas para o futuro da internet
Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 13/03/2009.
Autora: Daniela Arrais

O Google vai perder espaço no mercado de buscas. A Apple deixará de vender tantos computadores e tocadores de música. O Twitter continuará crescendo vertiginosamente. O Facebook fará algo completamente chocante e imprevisível.
Empresas vão investir em tecnologia de telepresença --em tempos de crise econômica, nada mais natural do que evitar gastos com reuniões cara-a-cara entre funcionários de uma empresa que conta com escritórios espalhados pelo mundo.
Essas são apenas algumas das inúmeras previsões que analistas, especialistas e consultorias que trabalham com internet fazem sobre o futuro da rede e da tecnologia.
John Battelle, jornalista, um dos fundadores da revista "Wired" e presidente da Federated Media Publishing, afirma que, em 2009, a mídia on-line será bastante afetada pela crise econômica no primeiro semestre, mas até o fim do ano será possível ter ganhos moderados. "A web é onde as pessoas estão passando seu tempo, a web será onde os marqueteiros gastarão seu dinheiro", escreveu em seu site (battellemedia.com).
O expert diz ainda que o Google verá seu poder de busca declinar significativamente pela primeira vez, enquanto a Microsoft ganhará espaço nesse setor. Outro gigante, a Apple, também terá sua fortuna reduzida: "Uma marca baseada em "ser mais legal" que a outra simplesmente não escala depois de um certo ponto. Sinto que a Apple atingiu esse ponto."
Chris Brogan, estrategista em mídias sociais, afirma que o OpenID, identidade única para acessar diversas redes sociais, ganhará espaço. "Teremos um perfil fatiado que carregará as informações e a habilidade de segmentá-las para sites específicos. Posso não compartilhar minha paixão por cerveja na rede da minha igreja e posso não querer levar religião para a rede do trabalho."
Para a Gartner, que analisa tendências no setor de tecnologia, a virtualização será uma das grandes apostas para 2009 --até 2013, as mudanças em infraestrutura e operações devem dominar o mercado. "Empresas estão procurando maneiras de cortar custos, utilizar melhor os ativos e reduzir implementação/gerenciamento de tempo e complexidade", afirma relatório.

Concurso de vídeos - "O Futuro das TIC"


0 Comentários

A União Internacional das Telecomunicações (UIT) - agência especializada da Nações Unidas para as telecomunicações - está a promover um concurso de vídeos subordinado ao tema "O Futuro das TIC".

O concurso destina-se a jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 26 anos que, para participar, deverão enviar vídeos contendo ideias concretas, criativas e inovadoras sobre o futuro das TIC, incluindo sugestões, nomeadamente, sobre o desenvolvimento das TIC no plano técnico, financiamento, cooperação internacional, segurança, assuntos políticos, entre outros.

Os vídeos deverão ser enviados para a UIT até dia 20 de Março de 2009 e cumprir os seguintes requisitos:

  • Duração máxima de 3 minutos;
  • Utilizar apenas as línguas oficiais da UIT (inglês, francês, espanhol, árabe, russo ou chinês);
  • Respeitar os direitos de propriedade intelectual;
  • Não conter informação de carácter ilegal ou ofensivo;
  • Respeitar os termos e condições exigidos pelo YouTube (para concorrer é necessário ter conta no YouTube).


Os vídeos vencedores serão seleccionados por um painel de jurados escolhido pela UIT e serão premiados com viagem e alojamento (para uma pessoa) para participar no 4º Fórum Mundial de Políticas de Telecomunicações da UIT, a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa (Portugal), de 22 a 24 de Abril de 2009. Os restantes vídeos aceites serão também publicados online e poderão vir a ser divulgados pela UIT em outros eventos internacionais.

O Fórum Mundial de Políticas de Telecomunicações reveste-se de grande importância e visibilidade no seio da UIT visto que pretende debater assuntos de cariz estratégico e político de grande importância para o desenvolvimento do sector das telecomunicações. Em particular, este evento debruçar-se-á sobre temas como a convergência, as redes de nova geração, o Regulamento das Telecomunicações Internacionais e outros assuntos de política pública relacionados com Internet.

No dia que antecede o Fórum (21 de Abril) terá ainda lugar um evento com a designação Strategic Dialogue on ICTs: Confronting the Crisis, no qual se pretende debater o impacto da crise financeira no sector das telecomunicações.

Mais informações sobre o concurso em:


Mais informação sobre o Fórum Mundial de Políticas de Telecomunicações em:

Biblioteca Municipal Almeida Garrett


1 Comentários

Hoje, deixo-vos com uma apresentação da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, um espaço fantástico de acesso à informação, integrado num verdadeiro paraíso (Jardins do Palácio de Cristal), no coração do Porto! Durante 5 anos, de 2000 a 2005, trabalhei nesta biblioteca pública! Foi uma grande experiência profissional, muito bem alicerçada numa excelente equipa de profissionais e amigos.

Esta montagem foi executada pela colega Eva Lima, da BMAG.
Um abraço amigo para todos!

quinta-feira, 12 de março de 2009

Os 12 inimigos da internet


0 Comentários

Fonte : http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI3628323-EI4802,00-ONG+aponta+paises+como+inimigos+da+internet.html

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) publicou hoje a lista dos chamados "12 inimigos da internet" devido ao controle e à censura que exercem sobre a rede e ao acesso a ela em seus respectivos territórios.
As nações que fazem parte da relação são Arábia Saudita, Mianmar, China, Coréia do Norte, Cuba, Egito, Irã, Uzbequistão, Síria, Tunísia, Turcomenistão e Vietnã, que, segundo a ONG, "transformaram suas redes em uma intranet, impedindo que os internautas tenham acesso a informações consideradas 'indesejáveis'".
"Todos esses países evidenciam não apenas sua capacidade para censurar a informação, mas também a repressão praticamente sistemática dos internautas", afirma a organização no relatório.
No caso de Cuba, a RSF afirma que, embora os cidadãos da ilha possam utilizar conexões de internet em hotéis e consultar sites estrangeiros, "a rede se encontra estreitamente vigiada pela Agência Cubana de Supervisão e Controle".
Quanto à Arábia Saudita, a ONG afirma que as autoridades não oficializaram a prática de proibir certas páginas, "mas optaram por reprimir os blogueiros que se manifestam contra sua moral, seja qual for a reivindicação".
O Governo chinês "ocupa a liderança da repressão na internet", e a organização adverte de que, "com a maior população de internautas do mundo, o jogo da censura é um dos mais indecentes do mundo".
No Egito, o "dinamismo" da blogosfera do país no panorama internacional "está muito longe de ser uma vantagem para seus blogueiros, que se encontram entre os mais perseguidos do mundo", ressaltou a organização.
O Irã lidera a repressão na internet no Oriente Médio, segundo o relatório da RSF, que lembra que, "de acordo com o conselheiro do procurador-geral de Teerã, as autoridades bloquearam em 2008 cinco milhões de sites".
O relatório dedica um espaço para a Austrália, onde lembra que, desde 2006, está em discussão um projeto de lei "que obrigará todos os provedores de acesso a filtrar a conexão à internet em cada residência" para "descartar qualquer conteúdo 'inadequado'".
Outros governos - dez no total, incluindo o da Austrália, que a RSF afirma que estão "sob vigilância" - também adotaram medidas "preocupantes", porque, diz a organização, "podem abrir a via para que sejam cometidos abusos".

Dia do Bibliotecário brasileiro


0 Comentários

O bibliotecário e a era do conhecimento
Coluna: TENDÊNCIAS/DEBATES
Autores: VERA STEFANOV e LEVI BUCALEM FERRARI
Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 12/3/2009, p. A3.

Hoje, no Dia do Bibliotecário, esse profissional clama pelo reconhecimento social que, todavia, ainda não lhe faz justiça plena aqui no Brasil.

AS CIVILIZAÇÕES têm como marco inicial a palavra escrita, testemunho mais eloquente de qualquer cultura. Na Antiguidade, bibliotecas foram símbolo do prestígio das cidades que as abrigavam. Zelar por elas era tarefa das mais importantes, atribuída a um segmento nobiliárquico competente. Ainda não se distinguiam os papéis do escriba e os do bibliotecário, como os entendemos hoje, mas o fato é que esses profissionais gozavam de prestígio e respondiam diretamente ao soberano. A partir da invenção da prensa móvel por Gutenberg, aumenta exponencialmente o número de exemplares por livro e surgem os jornais, os fascículos, as revistas. Logo, as bibliotecas demandaram profissionais especializados, na moderna figura do bibliotecário -que desenvolveram sistemas mais eficazes de catalogação, disposição, conservação etc.
No Brasil, esse marco foi estabelecido pelo engenheiro, bibliotecário, escritor e poeta Manuel Bastos Tigre. A importância de sua contribuição é reconhecida também pela legislação, que apontou a data de seu nascimento -12 de março- como o Dia do Bibliotecário no Brasil. Em 1906, Bastos Tigre viajou para os Estados Unidos, onde conheceu Melvil Dewey, que já havia instituído o sistema de classificação decimal. A partir de 1945, trabalhou na Biblioteca Nacional e, depois, assumiu a direção da Biblioteca Central da Universidade do Brasil.
Fiéis ao espírito pioneiro de seu patrono e aos inúmeros serviços que prestou ao país e ao livro, bibliotecários brasileiros clamam na data de hoje pelo reconhecimento social que, todavia, ainda não lhes faz justiça plena. De fato, predomina, entre nós, muito amadorismo na questão. Enquanto o bibliotecário é visto como luxo dispensável, não raro outros profissionais são chamados para quebrar o galho, comprometendo a conservação de acervos importantes, sua disposição racional e sua acessibilidade. Nas escolas a situação é de calamidade pública. Muitas nem sequer possuem bibliotecas. Não raro, é algum professor que se encarrega de organizar o acervo. Em outras, os livros se atulham sob escadas, corredores ou salas inadequadas. O impacto é extremamente negativo na formação dos alunos. Na idade em que a leitura precisa ser valorizada para que seu hábito se cristalize, o estudante vê livros tratados como entulho. Nada o convencerá mais tarde do contrário: o livro permanecerá entulho, e sua leitura, um ato despido de sentido.
Quanto ao ensino superior, as informações não são melhores. Boa parte dos grandes complexos educacionais privados costuma adquirir muitos livros. Mas, quantos? Uma centena de exemplares pode impressionar o leigo, mas está longe da suficiência se o número de alunos por curso passa da casa do milhar. Se isso é válido para uma política hipócrita em relação ao livro, imaginemos as proporções bibliotecário/usuário nessas instituições. Seu número é quase sempre insuficiente, como são precárias suas condições de trabalho.No momento em que governo e sociedade no Brasil se dão conta de nossos vergonhosos níveis de leitura e se mobilizam para superá-los por meio de programas de incentivo, não é mais possível aceitarmos esses descalabros. É o momento de convocar o bibliotecário para -ao lado do educador, do escritor, do editor e de outros- traçar os rumos de uma política eficaz e duradoura para os livros e para as bibliotecas.
Entre os novos desafios, o maior vem da tecnologia da informação, que cresce exponencialmente. Ajudar o pesquisador, o profissional e o cidadão a pinçar, entre uma infinidade de informações, aquelas que realmente lhe interessam e que são confiáveis é apenas a ponta do iceberg. De fato, a possibilidade de acesso mais democrático à informação, à literatura e à cultura em geral não permitirá que o bibliotecário se aliene em relação a desafios que trazem em seu bojo a histórica oportunidade de aliança entre cultura e consciência crítica, entre informação e emancipação. Inicialmente, ele terá de interagir em equipes multidisciplinares, em processos de mútuo aprendizado. Aos poucos, sua formação específica haverá de impor-se como peça-chave de funções socialmente tão relevantes. O bibliotecário se mostrará, assim, indispensável. Quando isso ocorrer, a forma como esse profissional for tratado por empregadores de quaisquer tipos, pela sociedade e pelo legislador representará indicador do grau de civilização que poderemos projetar para nós mesmos.

VERA LUCIA STEFANOV, 56, bibliotecária documentalista, é presidente do SinBiesp (Sindicato dos Bibliotecários do Estado de São Paulo).
LEVI BUCALEM FERRARI, 63, cientista político, é presidente da UBE (União Brasileira de Escritores).
--------
Comentário:
Parabéns a todos os 25.000 bibliotecários brasileiros pelo muito que estão fazendo para o progresso sócio-cultural do País. Parabéns também pelo esforço em levar a leitura e a informação aos nossos cidadãos, de todas as faixas etárias, raças, credos religiosos e políticos.
Murilo Cunha

Invisuais “conseguem” ler na Biblioteca Municipal


0 Comentários

Uma notícia bem interessante sobre o investimento na acessibilidade à informação:
Jornais em braille são uma raridade em Portugal mas os invisuais já podem “ler”, diariamente, notícias frescas na Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, graças a um inovador “scanner” com voz.

“É só pegar no jornal, digitalizá-lo e esperar que o ‘scanner’ nos leia as notícias. Quem diz um jornal, fala num livro, numa revista ou num outro documento qualquer, obviamente”, explicou, a responsável pela sala de leitura especial daquela biblioteca.

Ana Paula Pereira, 39 anos, invisual, garante que com as facilidades que a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo proporciona, ninguém tem desculpas para não ler.

“Aqui, só não lê quem não quer”, afirma.

Aceda à notícia completa no jornal Falcão do Minho

Situación de los repositorios institucionales en España: informe 2009


0 Comentários

Tomei conhecimento através do micro blogue do nosso colaborador Eloy Rodrigues que o Grupo de Investigación Acceso Abierto a la Ciencia, de Espanha, acabou de disponibilizar o relatório: "Situación de los repositorios institucionales en España: informe 2009"(pdf). Vale a pena ler.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Melhorias no layout do blogue


8 Comentários

Boa noite caros visitantes, colegas e amigos:

Em resposta às solicitações de alguns visitantes para proceder à remoção dos pop-ups, acabo de efectuar uma limpeza dos scripts que geravam esse ruído no acesso ao blogue. Espero que a partir de agora a visita de vocês seja mais agradável e acessível.

Paralelamente, também aproveitei para efectuar uma renovação na imagem - um pouco experimental e inacabada - mas com uma grande vontade de tornar o blogue mais apelativo, usável e acessível. Para tal, agradeço que me enviem as vossas sugestões de melhoria, quer para a definição dos conteúdos, quer da estruturação dos mesmos.

Nos próximos dias vão ser adicionados os restantes conteúdos.

Um grande abraço,
Paulo Sousa

O outro Big Brother, o pioneiro


0 Comentários

De livros e sua falta de leitura
Autor: Ivan Lessa. Data: 09/03/2009.
Fonte: BBC Brasil

"Era uma manhã clara e fria de abril e os relógios soavam 13 horas".
Soavam, e não marcavam.
Alguém na distinta platéia reconhece este início de romance tido como um clássico moderno? Alguém no Reino Unido? Não. Pouquíssima gente.
Trata-se da primeira frase do romance 1984, de George Orwell. Isso. Aquele do "Big Brother". Todo mundo fala do livro, quase ninguém leu. Basta pensar nessa tolice inominável televisiva que varre o mundo: a casa do Big Brother
.
Quem bolou foi um holandês. Dada a nacionalidade, daria para entender a falta de intimidade com o livro. O Big Brother de Orwell, afinal, é o representante de uma sociedade totalitária onde todos os cidadãos são observados 24 horas por dia. Para conferir que não estejam fazendo besteira. Caso estejam, prisão e tortura, para eles. Tortura ainda que psicológica. Pura ditabranda", como está sendo dito por aí. Hoje em dia, Big Brother é adotado em "n" países e passou a ser conhecido por suas iniciais: BB5, BB9 e assim por diante.
Não era bem o que Orwell tinha em mente.
Quinta-feira, 5 de março, comemorou-se aqui no Reino Unido o que chamaram de "Dia Mundial do Livro". Os relógios também soaram 13 horas. Uma pesquisa foi encomendada com o objetivo de se saber quem lê e quanto lê. Mas lê mesmo. Afinal de contas, os britânicos, com seus mais de 200 mil títulos novos de livros publicados todos os anos, são tidos como um dos povos que mais lê no mundo. Duro acompanhar esse montão.
O questionário deixou claro que tem gente mentindo para valer. O que é um fenômeno mundial. Vamos dar uma espiada no que foi encontrado.
Perguntados se já haviam se gabado de terem lido um livro quando na verdade não tinham, 65% disseram que sim, que mentiram. Ao menos, com o anonimato garantido de uma pesquisa, não enganaram. 42% admitiram que, apesar de nunca terem sequer aberto o 1984 de Orwell, faltaram com a verdade com o intuito de impressionar alguém.
Na lista das inverdades literárias, segue-se o Guerra e Paz, de Leão Tolstói, com 31% na escala de mendacidade.
33% juraram de pés juntos que nunca passaram perto de uma falsidade libresca: leram tudo que disseram que leram.
Outros livros que se prestaram a uma enganação literária: Madame Bovary, de Flaubert. Os ímpios bateram ponto e bateram feio: a Bíblia não foi lida. Folheada, com boa vontade. Dom Quixote, lá fez sua triste figura. Os chamados populares Thomas Hardy, Dickens e Anthony Trollope? Hum. Sérias dúvidas no ar.
Deixando as hipocrisias para lá: o pessoal lê mesmo são os livros de Harry Potter e do John Grisham. Mais Sophie Kinsella e Jilly Cooper. A primeira, nunca ouvi falar. A segunda, conheço de vista. 99% de mim mesmo não está faltando com a verdade.
Façamos a ponte aérea e partamos para o Brasil, sempre uma viagem agradável. Mesmo tendo apenas umas 3000 livrarias em todo o país, menos do que em Lisboa, com suas 4000, incluindo os alfarrabistas (é sebo, gente), nós não lemos nada. Paulo Coelho, talvez. Jorge Amado, capaz, bem capaz. Os Sertões? Machado de Assis? Graciliano Ramos? Clarice Lispector? Tenho sérias dúvidas. Uns poucos são capazes de citar algumas linhas - sempre as mesmas - de Carlos Drummond e outras de Vinícius, principalmente se tiveram sido musicadas. Paremos por aqui.
Desconfio até mesmo da leitura de Paulo Coelho, que é mais lido na França, na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos e nos Emirados Árabes. Nossos quase que 200 milhões de leitores em potencial? Sei não, sei não.
É conhecida a história de que Euclides da Cunha escreveu Os Sertões, e foi logo, tal como hoje em dia, chamado de "gênio da raça". Um ano após sua publicação, se esquecera de que era seu autor. Perguntado se lera Os Sertões, Euclides invariavelmente respondia, "Quê, Quem?".

Congresso de Informação Agrícola


0 Comentários

AIBDA ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE BIBLIOTECARIOS, DOCUMENTALISTAS Y ESPECIALISTAS EN INFORMACIÓN AGRÍCOLA
XV REUNIÓN INTERAMERICANA DE BIBLIOTECARIOS, DOCUMENTALISTAS Y ESPECIALISTAS EN INFORMACIÓN AGRÍCOLA -
XV RIBDA"INNOVACIÓN TECNOLÓGICA EN EL ACCESO ABIERTO A LA INFORMACIÓN AGRÍCOLA Y DE MEDIO AMBIENTE"

Lugar: Biblioteca Nacional del Perú, Lima - 27, 28 y 29 de Octubre de 2009

CONVOCATORIA A LA PRESENTACIÓN DE COMUNICACIONES Y POSTERS
La Asociación Interamericana de Bibliotecarios, Documentalistas y Especialistas en Información Agrícola (AIBDA), tiene el agrado de convocar a los Bibliotecarios y Documentalistas Agrícolas, así como a profesionales vinculados a la producción y gestión de información agrícola y del medio ambiente, a participar de la Décimo Quinta edición de la Reunión Interamericana de Bibliotecarios y Documentalistas Agrícolas – RIBDA 2009 -, que tendrá lugar en la Biblioteca Nacional de Perú, Lima del 27 al 29 de Octubre de 2009.

TEMAS EJE TEMÁTICO
1: "Información de Acceso Abierto en Innovación Agrícola en las Américas" Estado del Arte, Investigación y Análisis. Promover en las Américas la acción y filosofía del Movimiento Acceso Abierto (OA), aplicado en instituciones enfocándose en el esfuerzo por reducir cualitativamente las barreras generales de acceso a la información.

EJE TEMÁTICO 2: "Perspectivas sobre OA y las Tecnologías de Gestión de Información". Dar a conocer a los creadores, gestores y usuarios de información, las posibilidades tecnológicas para la transferencia de información, por medio de publicaciones digitales y bajo estándares de análisis y diseminación

EJE TEMÁTICO 3: "Redes Sociales Profesionales y Sistemas de Información Local". Enfatizar el impacto e incidencia del movimiento OA en las Américas, bajo Políticas Públicas de Información, Sistemas de Información Local, Tele-Centros y Gestión Especializada. Garantizar la variedad y propiedad intelectual del conocimiento agrario científico y ancestral con recursos informativos públicos y éticos.

EJE TEMÁTICO 4: "Otros aspectos y temas indirectos a los anteriores, que incidan en resultados, gestión, economía agrícola, medio ambiente o dificultades de acceso informativo".

ENVÍOS DE PROPUESTAS PARA COMUNICACIONES
El plazo para el envío de un resumen como propuesta para la presentación en sesión plenaria junto con los datos completos del autor(es) vence:* el 1 de Abril del 2009 para las comunicaciones* el 1 de Mayo del 2009 para los postersUna vez evaluados, los resúmenes seleccionados se harán públicos:* a mediados de Abril del 2009 para las comunicaciones* a mediados de Mayo del 2009 para los postersLos resúmenes (mínimo 500 palabras, máximo 900) deben incluir un título provisional que defina con claridad el contenido de la propuesta e indique el eje temático pertinente.
Deben enviarse por correo electrónico a:aibdaperu@gmail.com y/o ceaibda2006@yahoo.esy pueden presentarse en castellano, portugués o inglés.
El autor(es) debe adjuntar sus datos personales de contacto, un breve currículum y la institución, empresa u organización a la que está asociado(a).

ELECCIÓN DE RESÚMENES ACEPTADOS
Los trabajos propuestos los revisará el Comité Académico Internacional XV RIBDA 2009 bajo los siguientes criterios:* Contribución a los objetivos del congreso, abordando los ejes temáticos propuestos* Originalidad y validez del análisis en método, instrumentos y resultados obtenidos* Coherencia científica, sencillez y claridad expositiva en la presentación de resultados.

sábado, 7 de março de 2009

Arquivo da Defesa Nacional (ADN)


0 Comentários

O Arquivo da Defesa Nacional (ADN) tem como objectivo a guarda, tratamento, preservação e difusão dos documentos de valor histórico relativos ao Ministério da Defesa Nacional e seus órgãos antecessores ou directamente dependentes, promovendo o seu acesso ao público em geral e a salvaguarda e valorização do património arquivístico da Defesa, enquanto depositário da sua memória colectiva.

O ADN encontra-se aberto a todos os cidadãos, nacionais ou estrangeiros, devidamente identificados, interessados na consulta da documentação para fins de investigação científica e histórica, solicitando-se o contacto prévio com o referido Arquivo. Alojado no site do Ministério da Defesa Nacional (http://adn.defesa.pt/adn/), o ADN encontra-se também integrado no sistema de pesquisa inter-arquivos, proporcionado pelo uso do aplicativo InfoGestNet, que permite a pesquisa em rede das várias bases de dados participantes.

O Arquivo da Defesa Nacional (ADN), enquanto núcleo histórico, tem a sua origem na documentação depositada no forte de São Julião da Barra, entretanto inventariada preliminarmente pelo Grupo de Trabalho dos Arquivos do Ministério da Defesa, criado em 1996.

O ADN possui um acervo documental que abrange sobretudo os anos de 1950 a 1975, nomeadamente o fundo do Secretariado Geral da Defesa Nacional, o Estado-Maior General das Forças Armadas, a Comissão Luso-Francesa, a Comissão Luso-Alemã, as relações com a NATO, e outros órgãos entretanto extintos, tornando-se uma fonte de informação fundamental para o estudo da história militar e política de Portugal. Para saber mais, contacte-nos através do e-mail adn@sg.mdn.gov.pt ou para o telefone 213027309.

Fonte: APBAD

quinta-feira, 5 de março de 2009

Nova Especialização Pós-Graduada em Informação Empresarial


0 Comentários

Até ao dia 25 de Março, estão abertas as candidaturas ao Curso de Especialização Pós-Graduada em Informação Empresarial, da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (ESEIG) do Instituto Politécnico do Porto (IPP).

O plano de estudos inclui três componentes nucleares: a Gestão da Informação e do Conhecimento, a Inovação e o Empreendedorismo bem como as Tecnologias da Informação e da Comunicação. A abordagem integradora e transversal destes três campos oferece a oportunidade de desenvolver competências na área da informação aplicáveis em organizações e contextos empresariais.

A Especialização Pós-Graduada em Informação Empresarial destina-se a actuais ou a futuros profissionais das áreas da assessoria, da ciência da informação, do comércio, da economia, da gestão, da informática de gestão, do marketing, dos recursos humanos e do secretariado, entre outros.

Podem candidatar-se detentores do grau de bacharel ou de licenciado de qualquer área científica. São também encorajados a candidatarem-se os interessados que não sejam portadores de grau académico mas que apresentem curriculum relevante e/ou experiência profissional na área da informação empresarial.

O curso irá funcionar em horário pós-laboral ao longo do ano de 2009. O início das actividades lectivas está previsto para o mês de Abril.

quarta-feira, 4 de março de 2009

A sinuca digital


0 Comentários

Sinuca digital
Autor: Paulo Pacini.
Fonte: Jornal do Brasil. Data: 3/3/2009.
URL: http://jbonline.terra.com.br/leiajb/noticias/2009/03/03/sociedadeaberta/sinuca_digital.asp
Quando, em 1999, o neurobiólogo Joseph Miller pediu à Nasa acesso aos dados das missões Viking, que aterrissaram em Marte em 1976, sua solicitação foi prontamente atendida. As fitas magnéticas, corretamente armazenadas, foram localizadas e entregues. Infelizmente, delas não foi possível se extrair nada, pois o formato digital no qual a informação foi codificada já tinha sido esquecido, e seus criadores haviam falecido ou se aposentado. Graças a algumas anotações em folhas de papel, anexadas às fitas, depois de muito esforço foi possível recuperar um terço da informação.
O episódio acendeu uma luz vermelha em todas instituições que trabalham com o armazenamento de informações digitais, acerca dos riscos que a evolução tecnológica pode ocasionar para o resgate futuro dos dados.
Um dos grupos mais preocupados com a conservação de seus arquivos é a indústria do cinema, e, para situar o problema, a Academy of Motion Picture Arts and Sciences (instituição que concede os Oscars) divulgou, em 2007, um estudo abrangente, no qual também são analisados casos de outros setores. Para os estúdios, a preservação dos filmes é uma questão de vida ou morte, pois um terço de sua renda provém de reprises, comercializadas para a TV ou em DVDs.
A maior parte de seu acervo são filmes de 35mm, uma tecnologia confiável, conhecida, cuja qualidade ainda não foi equiparada pelo meio digital, com uma vida prevista de pelo menos 100 anos, em condições corretas de armazenamento, e um custo extremamente baixo. Por esta razão, quase tudo é filmado em película, apesar de todo processamento posterior ser digital. O custo do arquivamento digital é pelo menos 11 vezes superior, pois necessita uma verdadeira parafernália para seus muitos terabytes de informação, armazenados em discos rígidos ou fitas magnéticas, pedindo uma estrutura pesada de servidores, com manutenção constante, incluindo hardware, software, substituição de mídia, treinamento de pessoal, consumo de energia elétrica, só para citar alguns. Mesmo assim, a acessibilidade não está garantida, pois tudo muda na indústria de informática, os formatos de arquivo, sistemas operacionais, interfaces, software, etc.Em outros setores, a questão é igualmente grave.
A Biblioteca do Congresso dos EUA criou o programa NDIIPP, para a criação e preservação da informação digital, que estipulou algumas linhas gerais de orientação, procurando favorecer a criação de uma rede de arquivamento, pois se considera que a tarefa é grande demais para uma única instituição.
Os arquivo nacional americano, o Nara, que contém todos os registros da esfera governamental, também criou uma iniciativa nesse sentido, que inclui a padronização dos formatos de arquivo e da metainformação, ou seja, informação sobre as informações, que facilitam sua localização.A imprensa também lida com dificuldades relativas ao arquivamento de informações, especialmente de imagens, pois é prática corrente o descarte de material não utilizado, apagando-se a memória das máquinas.
Não existem mais negativos que possam ser utilizados no futuro, em novas publicações. Emissoras de TV frequentemente eliminam material gravado digitalmente, reutilizando as fitas, preservando para a posteridade só uma parte da informação.Esses problemas, que pouca gente vê, são extremamente sérios.
O único meio encontrado até o momento para se garantir o acesso futuro aos arquivos digitais é, antes de tudo, ter-se uma política de preservação da informação, e também um esquema de migração contínua para novos formatos, a ser feita a cada poucos anos, a um custo elevado.A maioria dos países está se conscientizando das limitações da tecnologia atual com relação ao arquivamento a longo prazo, ao mesmo tempo em que buscam soluções.
Será necessário um grande esforço das instituições governamentais e privadas brasileiras para que o costumeiro imediatismo e aversão ao planejamento não faça com que no futuro exista uma enorme lacuna em todo tipo de dados relativos ao período histórico que então será o nosso presente.

Futuro de livros e jornais passa pelos leitores digitais


0 Comentários

A notícia é da agência Lusa, "Especialistas editoriais defendem que o futuro de livros e jornais passa pelos leitores digitais..."

segunda-feira, 2 de março de 2009

EPHEMERA


0 Comentários

Interessante a abertura de uma das mais faladas bibliotecas privadas de Portugal na actualidade através de um blogue.

Como diz a apresentação o "EPHEMERA tem como objectivo divulgar materiais da biblioteca e arquivo pessoais de José Pacheco Pereira, em particular dos diferentes espólios, doações, ofertas e aquisições que deles fazem parte."

A perda da memória coletiva


0 Comentários

Fonte: Jornal do Brasil. Data: 1/3/2009
URL: http://jbonline.terra.com.br/nextra/2009/03/01/e010317852.asp
EUA - Acadêmicos, pesquisadores e até mesmo estudiosos da História do beisebol perceberam recentemente o desaparecimento de alguns arquivos de jornais mais antigos até há pouco disponíveis na Web. Os problemas surgiram depois que o site PaperofRecord.com, uma coleção de mais de 20 milhões de páginas de jornais, se fundiu ao Google News Archive.
O dilema, descobriram os pesquisadores, é que o Google encontrou dificuldades para reformatar as imagens dos jornais e adquirir os direitos de exibição do conteúdo de algumas das publicações mais antigas, e por isso bloqueou, ao menos temporariamente, o acesso a alguns dos arquivos.
Existe uma visão idealizada da Web como uma espécie de armazém geral do conhecimento humano, e no sentido da amplitude daquilo que se pode descobrir com uma busca aleatória no Google, isso é verdade. Mas apesar de toda essa abertura, a Web provou ser um receptáculo ineficiente para a preservação histórica, e boa parte do tesouro que ela abriga fica perdido em um labirinto de páginas de Web alteradas, links quebrados e sites eliminados.
O diretor da Biblioteca Britânica recentemente alertou em artigo para o jornal Observer que, se essa memória digital não for reparada, corremos o risco de “criar um buraco negro para os futuros historiadores e escritores”.
Os arquivos do Sporting News, conhecido como “a Bíblia do beisebol” e fundado em 1886, estão entre as publicações que caíram vítimas da transição da PaperofRecord.com ao controle do Google. Alguns jornais mexicanos antigos também estão indisponíveis, lamentam os acadêmicos.
Preservar a História na Web é difícil até mesmo para o Google, cuja missão declarada é a de “organizar a informação do mundo e torná-la universalmente acessível e útil”.
– Estamos fazendo o melhor que podemos para encontrar uma solução que inclua o máximo possível do conteúdo adquirido – disse um porta-voz do Google sobre a transição do arquivo de jornais.
Mas à medida que a proporção cada vez maior de nossa memória coletiva ganha abrigo online, cresce o perigo de que percamos o conteúdo e contexto de eventos acontecidos até mesmo há poucos dias, quanto mais há semanas, meses ou décadas.

Arquivo

Categorias