sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Visita à PUCRS (Brasil)


2 Comentários

Entre os dias 21 e 24 de Outubro, tive a oportunidade de assistir ao IHC’08 – VIII Simpósio Brasileiro de Factores Humanos em Sistemas Computacionais, em Porto Alegre, Brasil. Como o evento decorreu na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande dos Sul (PUCRS), aproveitei a oportunidade para visitar um dos colaboradores deste blogue, o Michelângelo Viana. Foi a primeira vez que tive o privilégio de conhecer pessoalmente um dos nossos colaboradores do Brasil - aqui está uma mais valia desta ferramenta colaborativa!

O Michelângelo teve amabilidade de me acompanhar numa visita guiada muito interessante pelos múltiplos espaços da Biblioteca Central Irmão José Otão. A visita incluiu uma passagem pela Unidade de Sistemas, na qual trocamos algumas impressões sobre as experiências de trabalho em torno dos produtos (Aleph, SFX e MetaLib), que contactamos de perto no decorrer da actividade nas nossas bibliotecas (PUCRS - Brasil e FEUP - Portugal), e sobre o novo portal da biblioteca a ser disponibilizado pela PUCRS.

Devo confessar que fiquei muito surpreendido com a qualidade das instalações, dos serviços prestados, e da inovação tecnológica colocada ao dispor dos utilizadores. É uma biblioteca de referência, a seguir como exemplo nos mais variados domínios. Por sua vez, também se deve realçar a sua envolvência com comunidade local de Porto Alegre.

Ficamos aguardar pela inauguração oficial da Biblioteca, no dia 7 de Novembro, para tomarmos conhecimento das últimas novidades apresentadas à sua comunidade de utilizadores!

Caro Michelângelo, mais uma vez agradeço a tua disponibilidade e a oportunidade de nos encontrarmos e falarmos – para além do canal digital.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Google fecha acordo com editoras


0 Comentários

Google fecha acordo de US$ 125 milhões com indústria literária
Fonte: Folha Online. Data: 28/10/2008

O Google anunciou nesta terça-feira que fechou um acordo de US$ 125 milhões para pôr fim a um processo, movido por duas associações norte-americanas que tratam dos direitos autorais, em relação ao Google Book Search. As entidades entraram com uma ação em 2005 alegando que a ferramenta violava os direitos autorais protegidos.

O acordo explica que os US$ 125 milhões serão utilizados para resolver pendências com autores e editoras e para pagar despesas jurídicas. O Google irá criar também um fundo chamado Book Rights Registry, que permitirá aos autores com obras publicadas na livraria da empresa ter participação na publicidade on-line referente aos seus livros.

Diversas universidades têm autorizado o Google a digitalizar seus acervos e disponibilizar as obras abertas na internet. Porém, a Authors Guild e a Association of American Publishers --que fecharam acordo com o Google-- entendem que o plano violava os direitos autorais.

"[O acordo] irá expandir o acesso on-line a milhões de livros e outros materiais escritos nos Estados Unidos a partir das coleções de uma série de grandes bibliotecas americanas participantes do Google Book Search", afirmaram as partes em comunicado conjunto.

O fim do impasse depende agora da aprovação da tratativa por um tribunal federal de Manhattan, em Nova York.

Visita de Paulo Jorge Sousa à PUCRS (Brasil)


0 Comentários

Dia 23 deste mês tive a alegria da presença do Paulo Jorge de Souza, português fundador desse Blog, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande dos Sul (Porto Alegre, Brasil).

Ele teve a oportunidade de conhecer em primeira mão as novidades da Biblioteca Central Irmão josé Otão!

Paulo, muito obrigado por sua visita e pela excelente oportunidade de nos encontrarmos e conversarmos!

Biblioteca mais tecnológica da América Latina será inaugurada em novembro


3 Comentários

A cidade de Porto Alegre (Rio Grande do Sul, Brasil) recebe em novembro um novo espaço cultural, para leitura, aprendizado e reflexão. A PUCRS inaugura a sua nova Biblioteca Central Irmão José Otão, com 21 mil metros quadrados distribuídos em 14 pavimentos, com tecnologia avançada de rastreamento e identificação de documentos, auto-devolução e auto-empréstimo de obras, sendo considerada a biblioteca mais tecnológica da América Latina. "É um novo conceito de biblioteca. O usuário terá mais autonomia e acesso facilitado aos conteúdos", explica o diretor, César Mazzillo.



Além disso, estão disponíveis mais computadores, em bancadas com iluminação especial, dezenas de salas de estudo coletivas e individuais equipadas com computadores, cadeiras e mesas confortáveis, rede sem fio de internet e espaços para descanso e leitura, com sofás, luz natural e tranqüilidade. Na solenidade de inauguração, dia 7 de novembro, às 10h, a Universidade também comemorará os seus 60 anos, lançando o livro "PUCRS - 60 Anos de História" e o Catálogo de Pesquisas PUCRS 2008. O evento contará com a participação de autoridades, da administração superior e da comunidade acadêmica, com abertura da Orquestra Filarmônica da Universidade.

Ainda na Biblioteca, as áreas de conhecimento Ciência e Tecnologia, Linguagem e Artes, Humanas, Sociais Aplicadas, são representadas por cores. Os livros, periódicos, CDs ou teses de cada área, foram unificados, e podem ser encontrados no mesmo local. O espaço não é restrito aos alunos, professores e funcionários. A comunidade pode usufruir da biblioteca para leitura de obras, jornais, revistas, utilizar os computadores, só sendo necessária a realização de um cadastro prévio. No 2º e 3º pavimento, por exemplo, há um espaço com mesas, cadeiras e sofás, criado para o aconchego, com abundante luz natural e visão das árvores, plantas e flores do Campus.

Dois pavimentos são dedicados aos acervos especiais e obras raras. O 6º recebe mapas, obras iconográficas e publicações da Universidade, disponíveis a pesquisa e leitura. O 7º está com o Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural, com acesso restrito e ambientes próprios para estudo individual e em grupo, pesquisa, consulta e armazenamento de 24 acervos culturais e literários detidos pela Universidade.


Tecnologia



"O diferencial está na tecnologia", garante o diretor. Além da Pesquisa Múltipla, que possibilita pesquisas em várias fontes de informação da Biblioteca utilizando os programas Metalib e SFX, todos os exemplares estão recebendo etiquetas de identificação por radiofreqüência (RFID), o que deve ser finalizado no primeiro semestre de 2009.

Equipamentos como o guarda-volumes e o auto-atendimento darão autonomia aos usuários, o que, conforme o diretor, era uma das prioridades das mudanças. Os guarda-volumes são armários digitais com senhas voláteis, e serão usados por alunos, professores, funcionários e visitantes. Mecanismos pioneiros no Brasil permitirão o auto-empréstimo e a auto-devolução de materiais, sem a necessidade de atendimento no balcão.


A construção


As obras iniciaram em maio de 2006, e o primeiro passo foi construir a Torre de 14 andares a partir do centro da parte mais antiga. Depois começaram as reformas no prédio antigo, que tinha três andares. O antigo prédio, inaugurado em 1978, teve seus 10 mil metros quadrados reformados e outros 11 mil acrescentados. O que determinou o projeto de ampliação, explica a coordenadora geral da Biblioteca, Sonia Vieira, foi o crescimento do acervo e as necessidades de adequação dos espaços às demandas de tratamento e recuperação da informação.



Reinterpretações das linhas de Piet Mondrian, pintor holandês representante do neoplasticismo - que propõe reduzir a arte a funções matemáticas - marcam o design dos ambientes internos e estão presentes em painéis, portas, totens das estantes e lixeiras, dando a idéia de "janelas para o mundo da informação".

Espaço para deficientes visuais

A Biblioteca conta também com uma sala especial, no 2º pavimento do prédio, para atender deficientes visuais, composto de computadores e softwares especiais com mídia sonora. O ambiente reunirá dois microcomputadores, três fones de ouvido e um scanner para digitalização de textos, acervo, equipamentos e softwares com gravações sonoras em CDs, como os livros falados, além de internet, bases de dados e Portal Periódicos da Capes.

Cada pavimento tem uma história

Térreo

Setores responsáveis pela Aquisição da Informação, Coordenação de Serviços, Tratamento da Informação e Laboratório de Preservação e Recuperação. Esse andar conta com uma Sala de Estudos externa, uma Sala de Treinamento, local para realização de fotocópias, a Recepção e os serviços de empréstimo e devolução de materiais.



2º pavimento



Acervos das áreas de Ciências Humanas, no lado sul (em direção à Avenida Bento Gonçalves) e de Ciências Sociais Aplicadas, no lado norte (voltado para a Avenida Ipiranga). Há também um espaço aberto a toda a comunidade com recursos e serviços de tecnologia assistida voltada a pessoas com deficiência visual, com computadores, equipamentos e softwares com sintetizador de voz, que fazem a digitalização de textos e leitura de tela, além de um amplo acervo de livros falados recebidos da Fundação Dorina Nowill para Cegos.



3º pavimento



Acervos das áreas de Ciência e Tecnologia (lado sul) e de Linguagens e Artes (lado norte). Assim como no 2º pavimento, aqui bibliotecários atendem aos alunos, professores e pesquisadores para pesquisa bibliográfica e auxílio na elaboração de trabalhos acadêmicos. Também conta com equipamentos de auto-empréstimo.


4º pavimento

É o andar que não se mostra no elevador, onde fica a central de tecnologia da Biblioteca, a rede lógica de dados e de telefonia, somente acessível a funcionários.


5º pavimento

Área administrativa da Biblioteca.



6º pavimento

Acervos especiais e obras raras, mapas, obras iconográficas e aquelas publicadas pela Universidade. Esse ambiente, aberto à comunidade, também conta com salas de estudo individual e em grupo, com computadores.



7º pavimento

Delfos - Espaço de Documentação e Memória Cultural, com ambientes próprios para estudo individual e em grupo, pesquisa, consulta e armazenamento de acervos culturais e literários detidos pela Universidade. O acesso é restrito.



8º, 9º e 10º pavimentos


Espaços especialmente desenvolvidos para os alunos, professores e pesquisadores para estudos e produção de conhecimento. Nesses locais há mesas amplas, computadores com acesso à internet além de salas de estudo individual e em grupo. Somente o 8º andar está acessível, os outros serão disponibilizados futuramente, de acordo com a demanda.


11º e 12º pavimentos

São andares de reserva técnica da Biblioteca, que foi projetada para que possa crescer com o tempo.


13º andar


Está armazenado o acervo histórico, com materiais que não são tão procurados quanto os outros do chamado acervo dinâmico. Mesmo estando lá, continuam no sistema e acessíveis, bastando solicitá-los a um funcionário.

Os números

Média de pessoas que circulam na Biblioteca, ao mês: 27 mil
Média do número de acessos ao site da Biblioteca, ao mês: 147 mil
Exemplares de livros: 418.803
Fascículos de periódicos: 410.864
Exemplares de teses e dissertações: 21.970
Exemplares de CDs, DVDs, mapas, slides e outros materiais diversos: 6.222

Permite o acesso a 2.733 livros eletrônicos, a mais de 24 mil periódicos eletrônicos e a 88 bases de dados.



Universidade completa 60 anos

No dia 7 de novembro também serão comemorados os 60 anos da Universidade - completados no dia 9 de novembro. Na oportunidade será lançado o livro "PUCRS - 60 anos de História" e o "Catálogo de Pesquisas PUCRS 2008". Às 17h30min ocorrerá uma missa na Igreja Universitária Cristo Mestre e à noite ocorre a entrega da medalha Irmão Afonso.



A PUCRS surgiu como universidade em 1948, mas a sua origem remonta a uma série de acontecimentos anteriores, entre os quais se destacam a fundação da Ordem dos Irmãos Maristas por Marcelino Champagnat, na França, em 1817; a chegada dos primeiros religiosos a Bom Princípio, no Rio Grande do Sul, em 1900; a abertura da Escola Nossa Senhora do Rosário, em 1904, em Porto Alegre; a criação do Instituto Superior do Comércio, em 1927; e o início do curso superior de Administração e Finanças, em 1931, mesmo ano em que se tornou Faculdade de Ciências Políticas e Econômicas, cuja primeira turma formou-se em 1934.



Quando o então presidente Eurico Gaspar Dutra assinou o decreto 25.794, dando-lhe a condição de Universidade Católica do Rio Grande do Sul, o que hoje é a PUCRS funcionava junto ao Colégio Rosário, na Avenida Independência. Os cursos disponíveis eram os de Estudos Políticos, Estudos Sociais, Filosofia, Letras, Letras Clássicas, Letras Neolatinas, História, Geografia, Física, Matemática, Química, História Natural, Pedagogia, Didática, Serviço Social, Ciências Contábeis e Atuariais e Direito. O título honorífico de Pontifícia foi concedido em 1950 pelo Papa Pio XII, mesmo ano de inauguração da Faculdade de Odontologia.


Hoje a Universidade conta com mais de 25 mil alunos de graduação e pós-graduação, cerca de 1500 professores e 2 mil funcionários, já tendo formado mais de 120 mil profissionais. É reconhecida como referência nacional e internacional pela relevância, pela qualidade e pela excelência.



O que: Inauguração da Nova Biblioteca da PUCRS e Lançamentos do livro "PUCRS - 60 anos de História" e do Catálogo de Pesquisas da Universidade
Quando: sexta-feira, 7 de novembro
Local: saguão do prédio 16, na Biblioteca Central Irmão Jose Otão (avenida Ipiranga, 6681 - Porto Alegre)
Horário: 10h

terça-feira, 28 de outubro de 2008

9.º Encontro Nacional de Arquivos Municipais - Évora - 14 de Novembro de 2008


0 Comentários

A Secção de Arquivos Municipais da BAD - Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas - vai realizar, com o apoio da Câmara Municipal de Évora, o 9.º Encontro Nacional de Arquivos Municipais, subordinado ao tema "Novos Desafios da Gestão Documental", que decorrerá no próximo dia 14 de Novembro, no Auditório da Fundação Eugénio de Almeida.

Mais informações em www.apbad.pt.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Biblioburro


0 Comentários

Uma biblioteca com 4.800 livros e dez pernas

Colombiano criou biblioteca itinerante montada em cima de seus burros. O ‘Biblioburro’ leva educação a regiões empobrecidas do país.

Autor: Simón Romero.
Fonte: The New York Times , 26/10/2008
[resumo]

Num ritual repetido quase todos os finais de semana da década passada em La Gloria, região da Colômbia fatigada pela guerra, Luis Soriano reuniu seus dois burros, Alfa e Beto, na frente de sua casa numa recente tarde de sábado.
Já transpirando sob o implacável sol, ele amarrou nas costas dos animais bolsas com a palavra “Biblioburro” pintada em letras azuis, e as encheu com uma eclética carga de livros destinados aos habitantes das pequenas vilas mais além.
Suas escolhas incluíam “Anaconda”, a fábula animal do escritor uruguaio Horacio Quiroga que evoca “The Jungle Book”, de Kipling; alguns livros de fotos da Time-Life (na Escandinávia, no Japão e nas Antilhas); e o “Dicionário da Academia Real da Linguagem Espanhola”.

“Comecei com 70 livros, e agora tenho uma coleção com mais de 4.800”, disse Soriano, 36 anos, professor de escola primária que vive aqui numa pequena casa com sua esposa, seus três filhos, e livros empilhados até o tecto.
“Tudo começou como uma necessidade; então se tornou uma obrigação; e depois disso, um hábito”, explicou ele, olhando as montanhas se ondulando no horizonte. “Agora”, disse, “é uma instituição”.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Especificações OAI-ORE


0 Comentários



Foi anunciada a disponibilidade das versões de produção das especificações e documentos de implementação OAI -ORE, que resultam do trabalho de dois anos do projecto da Open Archives Initiative (OAI), designado Object Reuse and Exchange (OAI-ORE), cujo objectivo foi o desenvolvimento de normas para a identificação e descrição dos designados objectos digitais complexos ou compostos.

De acordo com a Press Release divulgada no passado dia 17, as "normas" OAI-ORE fornecem as fundações para aplicações e serviços que possam visualizar, preservar, transferir, sumarizar e melhorar o acesso às agregações que as pessoas usam na sua interacção diária na Web, incluindo documentos Web com várias páginas, documentos com múltiplos formatos em repositórios institucionais, conjuntos de dados científicos (data sets), etc. As normas OAI-ORE pretendem integrar a emergente Web "machine-readable", a Web 2.0, e a evolução futura da informação em rede.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

1.º Encontro Internacional de Casas-Museu‏


0 Comentários

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, através da Casa de Camilo, em colaboração com o Curso de Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e com da Secção Autónoma de Jornalismo e Ciências da Informação, da mesma Faculdade, vão organizar, nos próximos dias 30 e 31 de Outubro, o "1.º Encontro Internacional de Casas-Museu", subordinado ao tema "As Casas-Museu: Do passado aos novos desafios", no auditório do Centro de Estudos Camilianos, em S. Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão.

Inscreva-se preenchendo o formulário.

domingo, 19 de outubro de 2008

Alfresco Iberia Roadshow Lisbon


0 Comentários

No próximo dia 23 de Outubro de 2008, irá realizar-se o Alfresco Iberia Roadshow Lisbon.

O Alfresco é uma ferramenta de Entreprise Content Management. Apresenta-se como uma alternativa Open Source para gestão documental e de conteúdos.

Tendo em conta a sua versatilidade e flexibilidade, a solução Alfresco pode ser implementada em diferentes perspectivas: gestão de documentos, record management, gestão de conteúdos web, gestão colaborativa, gestão de conhecimento e imaging (digitalização) representando uma solução integrada para a gestão de informação em diferentes formatos.

Com esta iniciativa, a MULTICERT e a Alfresco pretendem partilhar conhecimento e trocar experiências junto dos membros da Comunidade, Clientes e Partners Certificados. Este evento é gratuito.

Mais informações e inscrições no website da Alfresco.


Informação disponibilizada pela colega Sofia Neto da MULTICERT.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

E-books são estrelas da feira do livro de Frankfurt


0 Comentários

Fonte: O Globo Online. Data: 16/10/2008.
Os livros eletrônicos, ou e-books, estão no centro das atenções na maior feira do livro do mundo, em Frankfurt, na Alemanha.
Pela primeira vez nos seus 60 anos de existência, a quantidade de produtos digitalizados como DVDs, softwares, filmes e livros eletrônicos se equiparou com a de livros comuns expostos na feira.
Os livros eletrônicos estão sendo amplamente oferecidos na feira e com boa repercussão. Dos 6 mil expositores presentes nesta edição do evento, cerca de 400 já oferecem textos para os chamados e-books.
"Esse número deve crescer bastante nos próximos anos", prevê o diretor da feira, Juergen Boos.
Novos modelos
Novos modelos de e-books como o Readius, Iliad e E-Reader foram apresentados na feira do livro e prometem mais conforto e preços mais acessíveis.
Entre as empresas que lutam por uma fatia nesse novo mercado estão a Sony e a loja virtual Amazon.
Os e-books têm uma tela fina de cristal líquido, e os textos podem ser baixados da internet.
A digitalização de textos é também um dos principais temas discutidos na feira.
Os especialistas discutem a oferta de livros que já não são mais editados ou que só tem um pequeno grupo de leitores no formato digital.
Brasil
Segundo Rosely Boschini, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), editoras brasileiras acompanham de perto a crescente popularidade dos livros eletrônicos.
Boschini afirma, no entanto, que a tecnologia ainda deve demorar para chegar ao país.
Neste ano, 43 editoras brasileiras participam da Feira do Livro de Frankfurt, em um estande conjunto organizado pela CBL. No ano passado, apenas 30 representantes do mercado editorial brasileiro estavam presentes na feira.
A feira é tradicionalmente um evento de negócios e de compra e venda de direitos autorais. Por isso, poucos autores brasileiros vieram à Alemanha. Entre os mais conhecidos estão Ziraldo e Paulo Coelho.
A remessa dos livros para o estande brasileiro foi retardada porque, segundo a CBL, uma das 400 caixas remetidas do Brasil estampava um adesivo com o símbolo de "produtos corrosivos", o que causou atrasos na liberação alfandegária.
No primeiro dia da feira, o estande brasileiro só mostrava os catálogos das editoras. No entanto, o problema já foi solucionado e agora o estande está completo.

Onde já vimos isto?


0 Comentários


(...) O Mobo Kids segue o mesmo padrão da versão adulta (pesa 1,1 kg e tem tela LCD de 7 polegadas), mas conta com teclado resistente a líquidos e capa de couro colorida com alça, para facilitar o transporte.

O equipamento tem processador Intel Mobile ULV 900MHz, 512 MBytes de memória RAM e capacidade de armazenamento em memória Flash de 2 GBytes. (...)


Campus Party Iberoamérica


0 Comentários

A primeira edição ibero-americana do evento de tecnologia Campus Party, que será realizada em El Salvador, irá integrar a programação oficial da 18ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, que reúne representantes das comunidades ibero-americana.

Os organizadores do evento de tecnologia esperam que mais de 600 pessoas de 22 países (além de 3.000 visitantes com entrada gratuita) participem da agenda entre 28 de outubro e 1º de novembro.

O tema do Campus Party no país caribenho será "Juventude e Desenvolvimento". A programação será dividida em seis áreas temáticas: Inovação, Entretenimento Digital, Astronomia, Robótica, CampusCrea e Modding (modelagem de computadores).

Segundo os organizadores do evento de tecnologia, o objetivo da união com a cúpula de chefes de Estado é demonstrar o potencial da região ibero-americana no novo universo digital. "Nesse sentido, os participantes também poderão trabalhar em projetos junto a jovens líderes de outros países, além de encaminhar suas idéias às autoridades presentes na Cúpula", explica.

Entre os convidados para palestras e oficinas no Campus Party Iberoamérica estão confirmados o astronauta brasileiro Marco Pontes; o desenvolvedor de games espanhol Gonzo Suarez; o fundador da Inmersion Games, Ernesto Gálvez; e o cineasta mexicano Alfonso Cuarón.

In Folha Online (continuar a ler o artigo)

Por Portugal, a Minho Campus Party teve um enorme sucesso entre 2001 e 2004 ( com a "loucura" de 1700 participantes) entretanto, depois de um ano de interregno e algumas peripécias, acabou por adormecer ou mesmo morrer.

Edição de 2008 da Campus Party Iberoamérica

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Gestão documental chegou para ficar


0 Comentários

Era uma promessa antiga que parece estar a confirmar-se. A gestão documental começa a ser uma prioridade para as empresas. E à muita procura responde-se com muita oferta!

O ano de 2008 tem sido de bons negócios para os fornecedores de soluções de gestão documental. O último trimestre do ano passado já revelava melhorias no investimento e a primeira metade deste ano confirmou as expectativas mais optimistas, mostrando que um número cada vez maior de empresas está sensível aos benefícios destas soluções que apoiam o arquivo, a digitalização e a gestão interna da informação recebida na organização.

[...]

«O facto de muitas empresas estarem a ter consciência da necessidade de implementar soluções de gestão documental e workflow e de o próprio Governo ter dado indicações claras no sentido da desmaterialização crescente do papel nos organismos públicos originou uma maior apetência do mercado para a implementação deste tipo de soluções», reconhece também Júlio Malheiro, director comercial da Partner Solutions. O mesmo responsável acaba ainda assim por reconhecer que dificuldades relacionadas como os cortes orçamentais na Administração Pública provocaram algum «efeito de contraciclo no processo».

[...]

Requisitos fundamentais numa solução de gestão documental:

- Eficiência
- Consistência com as regras do negócio
- Garantir o cumprimento de requisitos legais
- Flexibilidade
- Fiabilidade
- Garantir o acesso fácil e a custos razoáveis à informação guardada
- Robustez
- Orientação para a produtividade
- Capacidade de integração com outras plataformas
- Fácil utilização
- Segurança


Os nossos entrevistados acreditam que os investimentos em torno da gestão documental, em 2009, iram concentrar-se em:

- Data recognition
- Integração com ERP e CRM
- Motores de busca para ambientes empresariais
- Soluções de digitalização
- Arquivo digital
- Records management
- Automatização de processos de negócio
- Gestão de conhecimento


Uma solução de gestão documental:



- Deve garantir a possibilidade de ser desenvolvida em função do estudo prévio de identificação de fluxos físicos de informação, e a correcta passagem dos mesmos para a informatização, aplicando neste processo o estudo de optimização de processos.

- Deve garantir a possibilidade de implementação de funcionalidades que assegurem a efectiva desmaterialização de processos; validação legal dos documentos tramitados electronicamente e considerar a componente de gestão do arquivo digital no tempo, permitindo a gestão automática de arquivo corrente, intermédio e arquivo morto.

- Deve ser realizado conjuntamente com a organização um plano de implementação da solução que agregue: plano de mobilização da organização para envolvimento; definição funcional da solução; concepção técnica; construção; plano de formação; plano de transição para utilização (áreas piloto); obtenção de indicadores de performance; comunicação de resultados do processo de implementação.

(* Princípios partilhados pela Advantis)



Texto integral de Cristina A. Ferreira, na Semana Informática nº 898 de 3 a 9 de Outubro de 2008

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

A Internet


0 Comentários

O canal Discovery apresenta a evolução da Internet, etapa por etapa. De onde surgiu e para onde vai o esta nova dimensão do espaço de fluxo?


O vídeo está muito bem desenvolvido!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Aulas de Cambridge e Oxford serão oferecidas no iTunes


1 Comentários

Data: 07/10/2008. Fonte: BBC Brasil
As universidades de Oxford e Cambridge, na Grã-Bretanha, vão oferecer palestras de importantes acadêmicos no iTunes, o serviço de disponibilização de áudio pela internet.Cambridge disse que vai colocar o trabalho de seus prêmios Nobel ao alcance do grande público e Oxford anunciou que vai oferecer 150 horas de vídeo e áudio dos "grandes pensadores do mundo".
Outras universidades britânicas já vinham oferecendo palestras e aulas pela internet.
Agora, Cambridge e Oxford, universidades de elite do país, decidiram seguir o exemplo e vão oferecer conteúdo educacional gratuitamente pelo iTunes.
Uma porta-voz da Universidade de Cambridge disse que a idéia é "levantar o véu" que cobre a universidade, usando iTunes para colocar palestras e aulas de seus especialistas em domínio público.
Biblioteca Online
Segundo a porta-voz, o usuário poderá acessar, por exemplo, uma palestra do historiador David Starkey, música do coral do St John's College e aulas de físicos que vão "destrinchar a ciência" até as suas bases.
A Universidade de Oxford vai usar o iTunes para divulgar pesquisas e permitir que o público ouça os grandes pensadores do mundo falando sobre assuntos atuais, informou a instituição.
Entre as contribuições da universidade estarão o economista Joseph Stiglitz discutindo a crise financeira no mundo e o geneticista Craig Venter falando sobre genoma.
Também serão disponibilizadas informações sobre a universidade para estudantes em potencial.
Várias universidades da Grã-Bretanha instalaram serviços para baixar áudio de graça dentro da área de educação do iTunes (iTunes U, lançado pela Apple há um ano), entre elas, a University College London e a Open University.
O programa permite que as universidades criem uma biblioteca de palestras que podem ser ouvidas em computadores e iPods.
Cambridge já colocava material na internet, mas a universidade diz que agora, pela primeira vez, os arquivos estarão disponíveis em um lugar só, permitindo que as pessoas façam buscas "por todo o catálogo".

Tudo será de graça na internet, diz Wired


2 Comentários

Data: 08/10/2008. Fonte: Redação ADNews
O editor da revista Wired, Chris Anderson, esteve no Brasil e garantiu: todos os serviços de internet caminham para ser gratuitos aos internautas. A declaração foi concedida em palestra no IV Fórum de Internet Corporativa, realizado em Porto Alegre, RS.
"Zero é o novo modelo econômico. Tudo o que estiver online, mais cedo ou mais tarde, será de graça", disse durante o evento. O editor atribuiu a tese ao que considera ser o novo modelo econômico que, segundo ele, vem ganhando força na última década. Anderson citou como exemplos os jornais e músicas gratuitas diponíveis na web.
Mas a gratuidade prometida não é sinônimo de que não haverá custos. Alguém deve pagar a conta, de acordo com o editor. Anderson comparou o processo à mesma prática corrente com a TV e o rádio, segundo a qual a publicidade garante o acesso de graça. "Estamos entrando em uma era em que o gratuito será a regra, e não uma anomalia", escreveu o autor na edição de março da revista Wired.
Segundo Anderson, o novo modelo se divide em duas formas: um em que o produto é gratuito, mas de alguma forma torna o consumidor dependente de outros serviços complementares, com preços maiores. No outro caso, o editor se baseia na tendência de que, no ramo da tecnologia, os preços caem de maneira muito rápida.
Chris Anderson vai explorar o assunto em seu próximo livro, batizado de "Free", cujo lançamento está previsto para junho de 2009.

Mudanças demográficas no Brasil


0 Comentários

Ipea: população cairá a partir de 2030
Fonte: O Globo, Rio de Janeiro. Data: 8/10/2008.
Auto: Bernardo Mello Franco
Segundo instituto, alto número de idosos exigirá políticas para evitar colapso no INSS
A população brasileira está cada vez mais velha e, a partir de 2030, começará a diminuir. A previsão, divulgada ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), deve obrigar o governo a buscar alternativas para ampliar a vida útil dos trabalhadores e evitar um colapso da Previdência. No ritmo atual, o país levará mais 22 anos até atingir o pico de 204,3 milhões de habitantes.
Depois disso, a curva de crescimento deve se inverter para uma redução gradual da população e um percentual cada vez maior de idosos. O cálculo surpreendeu os pesquisadores e forçou o Ipea a rever suas próprias previsões. Há dois anos, o Ipea estimava 225,3 milhões de brasileiros em 2030.
Para o diretor de Estudos Sociais do instituto, Jorge Abrahão, as novas estimativas exigirão um ajuste rápido das políticas oficiais, já que o país terá mais gente fora do mercado de trabalho e dependente de aposentadorias.
- Levamos um susto. Se essas tendências se confirmarem, vamos chegar a uma população máxima muito menor do que se imaginava. Isso tem implicações seriíssimas para as políticas públicas, alerta Abrahão.
O aumento da expectativa de vida e a redução acelerada da taxa de fecundidade são apontados como principais motivos para a tendência de queda da população. Em 1992, as brasileiras tinham em média 2,8 filhos. Ano passado, essa taxa caiu para 1,8. A mudança vai acelerar o envelhecimento da população, fenômeno mundial que ganha velocidade no Brasil e já aproxima a estrutura etária do país à de Japão e nações européias.
A participação dos jovens entre 15 e 29 anos atingiu seu topo em 2000 e, segundo as projeções, vai registrar queda acelerada nos próximos anos. Como conseqüência, a política de geração de empregos terá que se voltar para os brasileiros acima dos 45 anos, que, em 2030, serão quase metade da população economicamente ativa.
Segundo a pesquisadora Ana Amélia Camarano, o país precisa começar a investir em programas de saúde ocupacional, para prolongar a vida útil dos trabalhadores:
- Também teremos que rever preconceitos como a aposentadoria compulsória aos 70 anos. Isso vai ter que mudar, porque o país passará a ter uma população superenvelhecida.
------------
Comentário:
A notícia abaixo pode ser importante para o planejamento estratégico das bibliotecas. Dentro de 22 anos a população brasileira tenderá a diminuir e ficará mais velha. Isto pode ter reflexos em todos os tipos de bibliotecas, no provimento de produtos e serviços informacionais e, obviamente, no perfil dos usuários de nossas bibliotecas.
Murilo Cunha

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Google relança pesquisa de blogues


1 Comentários

O serviço Blog Search integra agora o seu próprio motor de busca que identifica na rede os últimos posts sobre os temas mais discutidos a cada momento e os agrega depois por tópicos num único directório facilitando a sua consulta pelo utilizador.

A Google usou no novo Blog Search o mesmo design do seu serviço Google News que, a partir da introdução de uma palavra ou de um assunto, permite agregar uma lista de resultados com links para vários blogues.

Além disso, o Blog Search recorre ainda a gráficos para mostrar quais os blogues mais actualizados e comentados a cada momento.

Consulte o Google Blog Search.


Fonte: Exame Informática

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Encontro sobre Web 2.0


3 Comentários

Universidade do Minho, Campus de Gualtar, sexta-feira, dia 10 de Outubro de 2008

Realiza-se, no próximo dia 10 de Outubro, o Encontro sobre Web 2.0, a ter lugar no Campus de Gualtar, da Universidade do Minho.

O Encontro Web 2.0 tem por objectivo sensibilizar docentes e educadores para a necessidade que a escola tem de se abrir a novos cenários de educação formal e não formal e ser um agente activo nesta nova geração da Internet social que se focaliza nas interacções, nos grupos e na construção social do conhecimento. Pretende-se que seja um ponto de encontro de investigação e de boas práticas.


Os participantes assistem a conferências e comunicações que reportam a utilização de ferramentas da Web 2.0, como blogues, wikis, podcasts, Second Life, entre outros, bem como podem escolher um workshop dos 9 disponíveis:
  • 1. Blogue, YouTube, Flickr e Delicious - Sónia Cruz
  • 2. Podcast e utilização do software Audacity - Adão Sousa e Fátima Bessa
  • 3. Dandelife, Wiki e Goowy - Hugo Martins
  • 4. Ferramentas Google: Page Creator, Docs e Calendar - Célio Gonçalo Marques
  • 5. PopFly - como editor de mashups - Pedro Ferreira e Ricardo Pinto
  • 6. A Web 2.0 e as Tecnologias Móveis - Adelina Moura
  • 7. Ambientes Virtuais e Second Life - Nelson Zagalo e Luís Pereira
  • 8. Do Movie Maker ao YouTube - Joana Carvalho
  • 9. Mapas Conceptuais Online - Graça Magalhães e Filomena del Rio

Manual de Ferramentas da Web 2.0

No âmbito do Encontro sobre Web 2.0, vai ser distribuído o Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores, publicado pelo Ministério de Educação - ref.ª: Carvalho, Ana Amélia A. (org.) (2008). Manual de Ferramentas da Web 2.0 para Professores. Lisboa: DGIDC, Ministério da Educação.

Com o aparecimento das funcionalidades da Web 2.0, a facilidade de publicação online e a facilidade de interacção entre os cibernautas torna-se uma realidade. A Web passa a ser encarada como uma plataforma, na qual tudo está facilmente acessível e em que publicar online deixa de exigir a criação de páginas Web e de saber alojá-las num servidor. Postar e comentar passaram a ser duas realidades complementares, que muito têm contribuído para desenvolver o espírito crítico e para aumentar o nível de interacção social online. O Hi5, o MySpace, o Linkedin, o Facebook, o Ning entre outros, facilitam e, de certo modo, estimulam o processo de interacção social e de aprendizagem.

Nos nove capítulos deste livro várias ferramentas da Web 2.0 são apresentadas, tendo como objectivo facilitar aos professores e educadores a sua inserção em contexto educativo. Assim, em cada capítulo é feita a contextualização de cada ferramenta, explica-se como criar um espaço online e aborda-se a sua utilização nas práticas educativas.

Mais informação disponível em: http://www.iep.uminho.pt/encontro.web2

Informação disponibilizada pelo Dr. Miguel Ferreira, investigador da Universidade do Minho.

Custo da internet no Brasil


1 Comentários

Acesso à internet é mais caro no Brasil
Entre os emergentes, País é o que cobra maior preço de banda larga

Fonte: O Estado de S. Paulo. Data: 5/10/2008
Daniele Carvalho


O forte crescimento da utilização da banda larga para acesso à internet ainda não se converteu em redução de preços para o consumidor no País. Levantamento feito pela consultoria IDC coloca o Brasil no topo da lista dos países com tarifas mais altas, entre os emergentes. Os custos pesam no bolso dos clientes, que fazem conexão tanto por meio da tecnologia oferecida pelas operadoras de telefonia fixa (ADSL) como pela das TVs por assinatura (cable modem).

A pesquisa, que usou como parâmetro as velocidades mínimas e máximas oferecidas em cada mercado, levantou o custo final para o consumidor no Brasil, Argentina, Chile, Rússia e República Tcheca. "Não seria justo comparar o Brasil com países desenvolvidos, onde o mercado já está mais maduro",explica o analista em telecomunicações da consultoria, Vinícius Caetano. Por isso, a o estudo definiu um perfil de países a serem observados. "Resolvemos, então, fazer uma avaliação junto a países emergentes da América latina e do Leste Europeu."

Ao pesquisar 15 provedores de banda larga no Brasil, a consultoria apurou que o custo médio para a velocidade mínima, de 128 quilobits por segundo (Kbps), oferecida no mercado pela conexão por operadoras de telefonia fixa era de US$ 30 em julho deste ano. Já no Chile, onde a velocidade mínima é mais que o dobro da brasileira (300 Kbps), o preço era de US$ 34,71. Na vizinha Argentina, 512 Kbps saíam por US$ 27, 05.
O descompasso é ainda maior quando confrontados os dados do Brasil com os dos países europeus em desenvolvimento. Na Rússia, por exemplo, a velocidade mínima é de 1 megabit por segundo, com preço médio de US$ 14,64. Já na República Tcheca, paga-se US$ 17,68 por 2 megas de conexão.
"No acesso mínimo de banda larga, o Brasil ainda oferece conexão de 128 Kbps , que já é ultrapassada em vários países. E, mesmo assim, o custo é maior que o de conexões com maior velocidade", comenta Caetano.

A diferença de preços também é grande quando se avalia os produtos mais sofisticados, voltados para clientes de classe A. No Brasil, a velocidade máxima oferecida no varejo, de 20 megas, exige desembolso mensal de US$ 300. Na Argentina, 5 megas saem a US$ 46,80. No Chile, por 6 megas paga-se US$ 59,70. Os internautas tchecos pagam por 8 megas de conexão ADSL US$ 53, enquanto que os russos desembolsam cerca de US$ 38 por 6 megas de conexão.
"Se na conexão mínima estamos em desvantagem na oferta de serviço, na máxima, já chegamos a 20 megas. Os demais países ainda oferecem acessos que ficam em torno de 5 a 8 megas. O preço cobrado no Brasil, no entanto, é proporcionalmente mais alto que nos países estudados", acrescenta o analista da IDC.

VIA CABO
A situação não é diferente no acesso por cabo. No Brasil, o preço mínimo, para 200 Kbps, é de US$ 32,60. Já os argentinos pagam US$ 15,90 por 640 Kbps, e os chilenos, US$ 38,70 por 1 mega. "Na conexão máxima, as empresas brasileiras cobram US$ 130 por 12 megas. Na Argentina, 10 megas tem preço médio de US$ 191, que no Chile saem por US$ 69,40", revela Vinícius Caetano.

A indústria nacional do setor aponta a carga tributária como o principal vilão dos preços do acesso à internet banda larga. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet (Abranet), Eduardo Parajo, a taxação na atividade de telecomunicações chega a 43% dos custos. "Assim fica difícil sair ganhando na comparação das tarifas", diz Caetano.
Parajo admite, no entanto, que ainda há pouca concorrência no setor, o que reduz a necessidade das empresas de oferecer preços mais competitivos. De acordo com ele, esta disputa poderia ser motivada por meio da redução da carga tributária ou diminuição da tarifa de importação de produtos para o setor, que segundo ele chega a 100%.

"Estas medidas poderiam atrair mais investidores para o mercado", defende ele. O analista da IDC observa que ainda há pouca concorrência no serviço de banda larga, mas acrescenta que outro motivo para o encarecimento do serviço de banda larga pode estar nas dimensões continentais do País.
"Além disso, o grau de penetração do serviço ainda é baixo no Brasil, de 13%. Em alguns dos países comparados chega a 30%", diz. "Temos que levar em conta que isto faz uma grande diferença porque o custo fixo se mantém estável", argumenta Caetano.

sábado, 4 de outubro de 2008

Google a digitalização em massa no Brasil


2 Comentários

Google fecha acordo com mais de 100 editoras

O Google não teve sucesso em sua empreitada para digitalizar as obras da Biblioteca Nacional (BN), mas isso não significa que os negócios com o "Google Books Search" deixaram de caminhar no país. Como o gigante das buscas não encontrou outra biblioteca de porte que justificasse o patrocínio de um laboratório de digitalização, a decisão foi centrar fogo nas editoras. Até um ano e meio atrás, diz Rodrigo Velloso, diretor de desenvolvimento de negócios do Google, a empresa havia fechado 15 parcerias no país. Hoje, os acordos envolvem mais de 100 editoras, entre elas nomes como Record, Loyola e Artmed.
Ao fechar uma parceria com o Google, a editora oferece, em formato digital, 100% do conteúdo de seus livros para o Google. Para a internet, porém, só vai parte desse conteúdo. O contrato prevê que um mínimo de 20% da obra seja oferecida ao internauta, mas a editora pode aumentar esse percentual, se preferir.

A função da ferramenta, diz Velloso, não é colocar todo o conteúdo de livros na rede, mas ajudar o usuário a descobrir livros, saber onde comprá-los ou pegá-los emprestados. De acordo em acordo, o Google alimenta a sua base de informações e aumenta o tráfego em suas páginas, remuneradas pela publicidade on-line. "Hoje, temos mais de 1 milhão de títulos digitalizados em todo o mundo", comenta Velloso. "No Brasil já são mais de 20 mil títulos."

As grandes redes de livrarias do país são o próximo alvo da ferramenta de busca mais popular do mundo. Há dois meses, a companhia fechou um acordo com a Livraria Cultura para oferecer uma versão personalizada de seu Google Books Search. Ao acessar o site da livraria em busca de um livro, o usuário poderá ler trechos daquela obra. "Isso será possível, é claro, se o livro pertencer a alguma editora que é já nossa parceira", explica Velloso.

Segundo os dados mais recentes da Câmara Brasileira do Livro (CBL), o volume de livros vendidos em 2007 foi de cerca de 329 milhões de exemplares, um aumento de 6,06% em relação ao ano anterior. O mercado editorial brasileiro registrou um faturamento de R$ 3,013 bilhões no ano passado, com crescimento de 4,62%. O governo permanece como o maior comprador, com investimentos de R$ 726,8 milhões, cerca de 24% do total de vendas do setor.

Fonte: Valor Econômico.
Data: 3/10/2008

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Roteiro da Internet gratuita


0 Comentários

O jornal Público lança o desafio, criar um roteiro da Internet gratuita em Portugal respondendo às seguintes perguntas

1. Que café/bar frequenta para estar online sem pagar? (indique morada por favor)

2. Porque é que gosta desse local?

3. Vai lá desde quando? Com que frequência?

Veja aqui

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Dia Mundial da Música


0 Comentários

Dada a importância da efeméride, achei por bem apresentar-vos um vídeo como um pequeno tributo a um grande tenor dos nossos tempos, trata-se de Luciano Pavarotti. O vídeo respeita ao tema "Ave Maria", interpretado por Pavarotti e Bono dos U2.

Arquivo

Categorias