terça-feira, 31 de julho de 2007

Estudos de comportamento, até onde?


0 Comentários

Ambientes virtuais 3D são úteis para estudos de comportamento

Método permite aumentar o número de participantes em estudos, ampliar os intervalos observados e expandir os tópicos de pesquisa.

Conforme os ambientes tridimensionais e virtuais se popularizam na internet, aumenta seu potencial como ferramentas úteis para estudos em ciências sociais, econômicas e comportamentais. Essa é a conclusão de um estudo realizado por William Bainbridge, diretor da divisão de Informática e Sistemas Inteligentes da National Science Foundation (NSF), órgão federal de apoio a pesquisa dos Estados Unidos. (Ler)

Recomendações W3C sobre acessibilidade na Web


0 Comentários

Recomendações W3C sobre acessibilidade na Web
Fonte: http://www.acessobrasil.org.br/
O texto abaixo é a transcrição de parte do documento que adapta a versão para o português, de Web Content Accessibility Guidelines 1.0, do W3C, para a língua portuguesa usada no Brasil, e pode conter erros de tradução.
As recomendações contidas nesse documento explicam como tornar o conteúdo web acessível a pessoas com deficiências. Destinam-se a todos os criadores de conteúdo web (autores de páginas e projetistas de sites) e aos programadores de ferramentas para criação de conteúdo.
A versão normativa, em inglês, encontra-se no endereço:
http://www.w3.org/TR/WAI-WEBCONTENT
Esta tradução da versão inglesa encontra-se no endereço:
http://www.geocities.com/claudiaad/ acessibilidade_web.html.
Responsabilidades:
A tradução, manutenção e revisão deste documento são de responsabilidade de Cláudia Dias claudiaad@yahoo.com , auditora da tecnologia da informação do Tribunal de Contas da União (TCU).
A reprodução e distribuição são livres, desde que cumpram os requisitos do documento do W3C sobre direitos de autor e copyright.
Para conhecer na íntegra o documento com as recomendações do W3C em português, baixe em http://www.acessobrasil.org.br/media/2/20030828-w3crevisto3.doc o documento em formato Word.

International Journal of Digital Libraries (v. 6, n. 4, 2007)


0 Comentários

O novo número do International Journal of Digital Libraries (v. 6, n. 4, 2007) acaba de ser publicado e incluiu os seguintes artigos:

Editorial (Andreas Rauber, Birte Christensen-Dalsgaard) p. 293-294.
Regular papers:
An intelligent decision support system for digital preservation (Miguel Ferreira, Ana Alice Baptista, José Carlos Ramalho) p. 295 – 304.
The Florida Digital Archive and DAITSS: a working preservation repository based on format migration (Priscilla Caplan) p. 305-311.
Practical maintenance of evolving metadata for digital preservation: algorithmic solution and system support (Dongwon Lee) p. 313-326.
Using the web infrastructure to preserve web pages (Michael L. Nelson, Frank McCown, Joan A. Smith, Martin Klein) p. 327-349.
A system for segmenting and extracting paper-based watermark designs (Hazem Hiary, Kia Ng) p. 351-361.
Erratum:
Pathways: augmenting interoperability across scholarly repositories (Simeon Warner, Jeroen Bekaert, Carl Lagoze, Xiaoming Liu, Sandy Payette, Herbert Sompel) p. 363.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

O público dos blogues em Portugal


0 Comentários

Encontra-se disponível o estudo "O Público dos Blogues em Portugal", realizado por três estudantes do Curso de Comunicação Social e Cultural da Universidade Católica (Dinis Correia, Filipe Manha e Gonçalo Caldas). Este apresenta alguns dados interessantes sobre o fenómeno dos blogues em Portugal.

Acesso ao texto integral do estudo: O Público dos Blogues em Portugal [pdf]

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Será uma questão de indexação, de conteúdo, falta de tempo…


0 Comentários

Numa altura em que locais como o youtube, por exemplo, são frequentadíssimos é interessante o resultado do estudo noticiado pelo semanário SOL.

Cibernautas descontentes com proliferação de vídeos

Um estudo promovido pela empresa norte-americana de estudos de mercado Kelton Research revela que a maioria dos cibernautas nos EUA não está contente com o cada vez maior volume de conteúdos colocados na Internet pelos próprios utilizadores, sobretudo vídeos. (continua aqui)

In SOL

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Livros electrónicos uma experiência multimedia


0 Comentários

Interessante o programa A1 ciência da Antena 1. Ouça este programa dedicado aos livros electrónicos.

sexta-feira, 20 de julho de 2007

O que queremos...


0 Comentários

Segundo os dados do estudo Netpanel da Marktest, a expressão youtube foi a mais pesquisada pelos portugueses na internet durante o primeiro semestre do ano.

Entre Janeiro e Junho de 2007, a expressão youtube foi a mais pesquisada na internet, por 432 mil portugueses de 4 e mais anos quando navegaram na internet em suas casas, um valor que representa 14.3% dos internautas nacionais.

Hi5 foi a segunda expressão com mais pesquisas, realizadas por 398 mil internautas, 13.2% do universo e gmail foi a terceira expressão mais procurada, por 336 mil utilizadores únicos, 11.1% dos internautas.

Fazem ainda parte da lista das 10 expressões mais procuradas: wikipedia, jogos, google, hotmail, sapo, you tube e sexo.

In Marktest.pt

A tendência da partilha comunitária de informação intensifica-se. Novos desafios para nós. Estaremos preparados para eles?

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Novo número da "Ciência da Informação"


0 Comentários

Acaba de ser publicado novo número da Revista Ciência da Informação (v. 35, n. 3, 2006). Nesse número foram incluídos 18 artigos, sete relatos de experiência, um artigo de opinião e uma resenha.
Os textos completos das contribuições podem ser acessados no URL:
<http://www.ibict.br/cienciadainformacao/index.php>
Sumário:
Artigos:
1. Taxonomías web de clubes de fútbol argentinos (María Laura Caminotti, Edgardo A. Stubbs, José L. Balparda e Ana Martínez).
2. Influência da inteligência competitiva em processos decisórios no ciclo de vida das organizações (José Márcio de Castro e Paulo Gustavo Franklin de Abreu).
3. Padrões de comportamento de busca e uso de informação por pesquisadores de biologia molecular e biotecnologia (Isabel Merlo Crespo e Sônia Elisa Caregnato).
4. Estratégias de produção e organização de informações na web: conceitos para a análise de documentos na internet (Carlos Frederico de Brito d'Andréa).
5. XML y registros electrónicos: principales estándares en la descripción archivística (Rogerio Paulo Müller Fernandes).
6. Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros (Maria Helena de Almeida Freitas).
7. Aplicación de transductores de estado-finito a los procesos de unificación de términos (Carmen Galvez).
8. Tópicos de políticas de información en el entorno científico y técnico: México 1989 -1994 (Miguel Gama e Egbert Sánchez Vanderkast).
9. O enfoque social da segurança da informação (João Luiz Pereira Marciano e Mamede Lima-Marques).
10. Como as necessidades de informação podem se relacionar com as competências informacionais (Silvânia Vieira Miranda).
11. Representação e memória no ciberespaço (Silvana Drumond Monteiro, Ana Esmeralda Carelli e Maria Elisa Valentim Pickler).
12. A gestão da informação diante das especificidades das pequenas empresas (Giseli Diniz de Almeida Moraes e Edmundo Escrivão Filho).
13. Interação dos atores no ambiente aprendiz: o caso da saúde (Solange Puntel Mostafa).
14. Uso de estratégias metacognitivas na leitura do indexador (Dulce Amélia de Brito Neves, Eduardo Wense Dias e Ângela Maria Vieira Pinheiro).
15. Análisis de citación de la revista Ciência da Informação del IBICT (Adilson Luiz Pinto, Beatriz-Ainhize Barquín Rodríguez e José Antonio González Moreiro).
16. Introdução ao XBRL – nova linguagem para a divulgação de informações empresariais pela internet (Edson Luiz Riccio, Marici Gramacho Sakata, Orandi Moreira e Luc Marie Quoniam).
17. Políticas públicas para o livro, leitura e biblioteca (Flavia Goulart Mota Garcia Rosa e Nanci E. Oddone).
18. Acervos fotográficos públicos: uma introdução sobre digitalização no contexto político da disseminação de conteúdos (Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva).
Relatos de experiências:
1. Uma proposta para gerenciamento e preservação de imagens em medicina na EPM/Unifesp (Ana Paula Galvão Damasceno Carrare, Luiz Antonio Ribeiro de Moura, Luiz Henrique Amaral e Daniel Sigulem).
2. Capacitação de bibliotecários com limitação visual pela educação a distância em ambientes virtuais de aprendizagem (Lizandra Brasil Estabel).
3. Indicadores para monitoramento de pesquisa em saúde no Brasil (Flávia Tavares Silva Elias e Luis Eugenio Souza).
4. Janelas da cultura local: abrindo oportunidades para inclusão digital de comunidades (Isa Maria Freire).
5. Precisão no processo de busca e recuperação da informação: uso da mineração de textos (Rogério Henrique de Araújo Júnior e Kira Tarapanoff).
6. Indicadores de desempenho de bibliotecas na Fiocruz: um caminho em construção (Maria Cristina Soares Guimarães, Etiene Guerra Lins, Camila Lamarão Clementino, Jeorgina Rodriguez Gentil, Vania Guerra Silva e Diones Ramos Silva).
7. Avaliação do uso do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas: um serviço de informação destinada à microempresa brasileira (Hélia de Sousa Chaves Ramos, Fernanda Cordeiro de Carvalho e Murilo Bastos da Cunha).
Opinion paper:
Las razas en una lista de encabezamientos de materia en español (Alicia J. Todaro e Ana M. Martínez).
Recensão:
1. Documentação de hoje e de amanhã (Lena Vania Ribeiro Pinheiro).

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Literacia Digital


1 Comentários

O Curriculum Microsoft Literacia Digital foi desenvolvido para todo o mundo e pretende apoiar o objectivo definido pelas Nações Unidas de formação de 250 milhões de cidadãos em todo o mundo. O objectivo é validar ou obter competências em tecnologias de Informação e Comunicação.

O programa é um dos resultados do acordo de parceria assinado entre o Estado português e a Microsoft e tem como objectivo facilitar a obtenção de certificados de competências.


Consultar: Curriculum Microsoft Literacia Digital
Fonte: Nesi

terça-feira, 17 de julho de 2007

Mais web 2.0...


0 Comentários

A maioria das fotografias digitais que os utilizadores profissionais e domésticos tiram fica guardada nas memórias dos computadores pessoais (ou em sítios Web) e nunca chega a ser impressa em papel. Mesmo assim o negócio da Hewlett-Packard das impressoras e dos consumíveis - um dos mais importantes da empresa norte-americana - continua de vento em popa porque o número de fotos impressas não pára de aumentar.
Ao lançar a estratégia Print 2.0, o objectivo do fabricante norte-americano é aumentar ainda mais o número de impressões de conteúdos a partir de sítios Web. O conceito, inspirado na Web 2.0 - que permite aos utilizadores a criação de conteúdo Web através de redes sociais, blogues e partilha de fotos -, visa, segundo Stephen Nigro, vice-presidente da HP responsável pelos negócios de Graphics e Imaging, “facilitar a impressão de conteúdos através da Web”. Por exemplo, no âmbito deste conceito Print 2.0 já é possível obter um mapa de elevada qualidade gráfica a partir do sítio Web do Guia Michelin. (...)

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Firmas 2006: Reflexiones multitemáticas de filósofos de la Información y el Conocimiento. Distribuição gratuita


1 Comentários

A Fundação Ciencias de la Documentación apresentou, em Cáceres (Espanha), o livro FIRMAS'06. Este é o primeiro em formato digital e com licença do tipo "Reconocimiento No Comercial - Sin Obra Derivada" que a fundação coloca à disposição gratuita dos utilizadores.

Este livro encontra-se disponível para download no website da Fundação: www.documentalistas.org

sábado, 14 de julho de 2007

Wikipedia: enciclopédia em tempo real?


0 Comentários

Usuários transformam a Wikipédia num megajornal
Carlos Castilho (Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão)
Data: 09/07/2007
Fonte: http://www.fndc.org.br:80/internas.php?p=noticias&cont_key=166716
Quando ela nasceu, a proposta de seus dois fundadores era criar uma enciclopédia online escrita por seus usuários. Mas hoje, seis anos depois, a Wikipedia começa a dar sinais de que está fugindo do seu modelo original e tomando um rumo surpreendente.
Blogueiros e críticos da mídia online já haviam profetizado há quase um ano e meio, que a wikipedia passaria por uma gradual modificação, se transformando em uma enciclopédia em tempo real, ou seja, com notícias de atualidade.
A transformação consolida também o fenômeno da perda de controle dos criadores sobre a criatura a partir do momento em que um projeto é lançado na rede. Não é a primeira vez que isto acontece na Web, mas é seguramente uma das mais surpreendentes tendências surgidas no universo da informação online.
A polêmica sobre a credibilidade e veracidade de conteúdos publicados na Wikipedia começa agora a ser ofuscada por outra, a do seu futuro. Está claro que ela já não é mais uma enciclopédia convencional.
O que está acontecendo com a Wikipedia abre uma nova área de investigação sobre as mudanças no jornalismo e na informação.

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Mobília Interactiva


0 Comentários

A Ydreams apresentou no início de Junho a sua primeira linha de mobiliário interactivo.

Bancos, vitrinas e grafiti virtual são os principais atractivos da gama de produtos que teve estreia mundial em Londres e passou por Lisboa durante a mostra ECSITE.

Para saber mais sobre esta nova tendência do mobiliário leia o número da Exame Informática de Julho, e veja aqui um pequeno filme sobre o mobiliário interactivo da Ydreams.

Fonte: Exame Informática

Qual o nosso papel enquanto profissionais da informação? Podemos intervir neste domínio? Ou ficaremos só a admirar...

quarta-feira, 11 de julho de 2007

LIBRARIAN@2010 - Educating for the future


0 Comentários

Conferência Internacional 19 a 21 de Setembro
Auditório da Direcção-Geral de Arquivos em Lisboa

A EBLIDA (European Bureau of Library Information and DocumentationAssociations), a EUCLID (European Association for Library & InformationEducation and Research) e a BAD organizam a sua 1ª conferência internacional conjunta.

Esta conferência visa estimular a reflexão sobre o impacto do Processo de Bolonha tanto no campo do ensino e da investigação em Ciência da Informação como no âmbito da prática dos profissionais da informação, numa perspectivade interligação destas duas áreas.

Aceda aqui ao website do evento :: Librarian 2010 ::

terça-feira, 10 de julho de 2007

VIII ENANCIB


0 Comentários

Encontra-se aberta até 16 de Julho a 2ª chamada para submissão de comunicações e posters para a VIII ENANCIB – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação, no Brasil.

O tema desta edição é "Promovendo a inserção internacional da pesquisa brasileira em Ciência da Informação". O evento decorrerá de 28 a 31 de Outubro, de 2007, em Salvador da Bahia, Brasil.

Aceda a mais informação no website da ENANCIB

Informação disponibilizada pela Dr.ª Isabel Sousa, da Biblioteca Municipal de Espinho.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Biblioteca-móvel leva em digressão livros da Universidade do Porto


0 Comentários

A Biblioteca-Móvel da Universidade do Porto (B.M. U.Porto), uma pequena biblioteca ambulante equipada com algumas das obras editadas pela U. Porto, vai dar a conhecer fora de portas as publicações da Universidade. O pequeno móvel com rodas, com capacidade para cerca de 50 livros, visitará espaços de cultura e ciência onde passará "estadias" de duração variável.

No local, o conteúdo da biblioteca ficará acessível aos seus públicos que poderão consultar as diversas edições. A primeira "estadia" da Biblioteca Móvel será, entre 1 e 14 de Julho, no Clube Literário do Porto (CLP) onde ficará instalada no espaço do piano bar.

A presença da B.M. no CLP será animada por algumas conversas à volta dos livros, protagonizadas, ao serão, por interlocutores de reconhecido mérito (
consultar programa).

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Memória futura


2 Comentários

Porque há problemas bem reais inerentes à digitalização...

Natalie Ceeney, responsável pelos arquivos nacionais do Reino Unido, utilizou a expressão «bomba relógio» para designar o problema que pode ser enfrentado no acesso aos ficheiros antigos, referindo a possibilidade de a sociedade «perder anos de informação crucial».

«A menos que mais trabalho seja feito para assegurar por via legal que os formatos dos ficheiros podem ser lidos e editados no futuro, vamos enfrentar uma época negra nos ficheiros digitais», afirmou Gordon Frazer, responsável pela Microsoft no Reino Unido, em declarações à BBC.

Segundo a BBC, a National Archives detém 900 anos de material escrito e possui mais de 580 terabytes de informação - o equivalente a 580 mil enciclopédias – em ficheiros com formatos que já não são comercializados.

In Sol


Universitário brasileiro não lê


1 Comentários

Pesquisa da CIEE aponta que 1 em cada 5 destes jovens não lê
Autora: Fernanda Aranda
Fonte: Jornal da Tarde, São Paulo, 25 de junho de 2007.
URL: http://www.estadao.com.br/revistafeminina/noticias/2007/jun/25/102.htm
SÃO PAULO - O papo é sério e o quadro é grave. Uma pesquisa do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) revelou que cerca de 20% dos universitários da Região Metropolitana de São Paulo não têm o hábito de ler. Isso significa que uma em cada cinco pessoas que freqüenta alguma faculdade, seja pública ou particular, vive afastada do mundo da leitura.
Foram entrevistados 1.104 jovens do ensino superior. Da parcela que afirmou ler de vez em quando, a Bíblia foi citada como o livro mais influente. No segundo lugar do ranking, a resposta foi típica de concurso de beleza. Como entre as candidatas à miss, O Pequeno Príncipe também está no topo da lista dos preferidos dos estudantes (saiba mais acima).
O resultado do pouco acesso à literatura espantou o próprio coordenador do estudo, Luiz Gonzaga Bertelli. “É um índice lamentável, considerando que o universo da pesquisa é constituído exclusivamente por quem já chegou à universidade”, afirma Bertelli. Para ele, o número de poucos leitores é reflexo da má qualidade do ensino.
A distância entre o livro e as faculdades é exemplificada pelo caso do estudante de Comércio Exterior Augusto de Andrade, 19 anos. Ele coçou a cabeça, olhou para cima, mas não conseguiu lembrar qual foi a última publicação que leu. Augusto até tentou justificar a falta de memória. “A ausência do livro na vida do jovem aparece bem antes. Na escola mesmo, somos muito pouco incentivados”, argumenta.
A adolescente Aila Martins Ferreira, 18 anos, que cursa Publicidade, tinha na ponta da língua a última obra lida: “Foi Intermitências da Morte, de José Saramago”, disse com orgulho. Apesar da resposta rápida, ela confessa que os livros não são seus companheiros constantes. “No bate-papo sobre qualquer assunto, nunca aparece a influência de algum livro”, diz.
De acordo com especialistas, a pouca proximidade com os livros já é cultivada quando o adolescente ingressa no ensino fundamental. “Quando chega à 5ª série, o livro é apresentado, pelos próprios professores, de uma maneira pouco sedutora. São usados apenas de maneira científica, o que afasta o gosto pela leitura”, afirma Neide Luzia Rezende, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). “Sabemos que, há 50 anos, o livro era a única ferramenta para adquirir conhecimento. Hoje em dia, há uma série de outras alternativas, mas nada substitui as publicações, uma forma consistente do saber”, completa.
As conseqüências para o jovem que deixa o livro de lado, segundo a mestre em Língua Portuguesa da PUC, Dileta Delmanto, é que ele não desenvolve um olhar crítico diante da sociedade - e isso vale para todo tipo de assunto, de política a futebol. “Mesmo a literatura de ficção é uma forma de pensar sobre a vida”, explica a especialista.
Para tentar reverter este quadro, a receita envolve vários ingredientes. Uma delas, apontada pela professora Dileta, é a ‘convergência entre as mídias’. “Quantos jovens não começaram a ler depois de assistir ao Sítio do Picapau Amarelo na televisão ou ao Senhor dos Anéis no cinema?”, questiona a profissional.
Fica, agora, um a expectativa para as gerações futuras. Será que os programas de TV e filmes de Hollywood são serão capazes de encurtar, ao menos um pouco, a distância entre os jovens e os livros?
Cultura universitária em números
680 mil é o total de pessoas que estão matriculadas em alguma faculdade da Região Metropolitana de São Paulo
1.104 universitários de instituições públicas e particulares participaram da pesquisa do CIEE
67% lêem jornal com freqüência. No final do curso, o índice passa para 76%
77% preferem as revistas, quando estão no início da graduação. No final, são 81% 96% utilizam a internet. Da parcela, 84% têm computador em casa e o restante usa na faculdade.
====
Comentário:
Muita coisa precisa ser feito para melhorar e modernizar as bibliotecas universitárias no Brasil. Além do estudante, o professor universitário também precisa receber estímulos para ampliar o hábito de leitura.
Murilo Cunha

quarta-feira, 4 de julho de 2007

Património documental


0 Comentários

O Tratado de Tordesilhas e o Corpo Cronológico são dois dos 38 bens do património documental inscritos este ano no registo Memória do Mundo da Unesco.

De entre os 50 dossiers apresentados pelos vários Estados, os peritos escolheram 38 bens.

O Tratado de Tordesilhas — assinado em 1494 entre as coroas de Portugal e de Castela e que definia a partilha do Novo Mundo entre os dois reinos — foi um dos documentos inscritos no registo Memória do Mundo da Unesco, representando Portugal e Espanha. O original português está no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha, e o castelhano encontra-se na Torre do Tombo, em Lisboa.

Portugal fica também representado com o Corpo Cronológico — uma colecção que reúne mais de 80 mil documentos em papel e pergaminho datados dos séculos XV e XVI, guardada na Torre do Tombo.

Notícia completa no jornal Público

domingo, 1 de julho de 2007

Estudo diz que os usuários da internet são mais ativos, têm mais amigos e menos depressões


0 Comentários

Os usuários da internet são mais ativos, têm mais amigos, estão mais implicados com a vida política e tem menos depressões, segundo concluiu o informe Proyecto Internet Catalunya (PIC) [http://www.uoc.edu/in3/pic/esp/], publicado pela Universidade Aberta da Catalunha. O sociólogo Manuel Castells, vice-diretor do estudo, ressaltou que o projeto “o que já se sabia, que as novas tecnologias no aprisionam as pessoas em suas casas, mas que ativam a sociabilidade”. Os dados foram coletados por 40 pesquisadores por meio de 15.390 entrevistas presenciais e 40.400 na internet.
Castells afirma que a internet é o “elemento-chave para a autonomia pessoa, política, econômica e profissional”. Em sua opinião, “quanto mais autônoma é uma pessoa mais utiliza a internet, o que, por sua vez, reforça sua autonomia”. Para o sociólogo esta afirmativa é importante, pois “é a primeira vez que se demonstra estatisticamente”.
O PIC é um programa de pesquisa que foi desenvolvido durante sete anos, de setembro de 2001 a junho de 2007, e tem contado com o apoio das autoridades da Catalunha. O objetivo da análise do PIC, composto por sete projetos de pesquisa, tem sido a incidência da internet em todos os aspectos da vida social, empresarial e administrativa catalã. Segundo o sociólogo, a rede “requer um determinado nível educativo porque nos encontramos perante uma sociedade da informação desinformada e isto a internet não resolve”. Também afirmou que a internet “aprofunda a brecha mais histórica: a educativa”.
Castells apontou que a evasão escolar “que é de 30% e que representa um problema para o futuro, pode ser combatida com as tecnologias e por meio da reciclagem dos professores”. O sociólogo reivindicou o uso da internet nos centros educacionais e afirmou que ela é uma ferramenta habitual “dos alunos e professores em casa, porém não é utilizada nas aulas”. O estudo mostrou que 83% dos jovens entre 15 a 24 anos são usuários freqüentes das novas tecnologias e que esta faixa etária está diminuindo a diferença do gênero no uso da internet.

Murilo Cunha

Nota:
1) Proyecto Internet Catalunya (PIC). URL: http://www.uoc.edu/in3/pic/esp/

2) Outras obras importantes do autor:
CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003. 3 v. ISBN 85-219-0339-1
CASTELLS, Manuel. A galáxia internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. 243 p. ISBN 8571107408
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8. ed. totalmente revista e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 2005. 698 p. ISBN 8521903294

Arquivo

Categorias