terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

As bibliotecas escolares na América Latina


0 Comentários

”Por las bibliotecas escolares de Iberoamérica” é o tema da edição 5 da revista “Pensar el Libro”, editada pelo Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e Caribe (CERLALC). Oo artigos apresentam os resultados de uma reflexão sobre o desenvolvimento das bibliotecas escolares que complementa estudo iniciado pelo CERLALC, a pedido dos países membros, com o intuito de aumentar o acesso e a circulação de livros e outros materiais de leitura.




Neste número são debatidas, entre outras questões, a concepção da leitura e da escritura como práticas sociais, a necessidade da gerar relações entre a escola e a comunidade na qual está inserida, a formação dos bibliotecários em associação com os docentes para a criação de um projeto pedagógico e gerar processos participativos.


URL: http://www.cerlalc.org/revista_enero/editorial.htm

Information overload


0 Comentários

Quais as implicações do excesso de informação no comportamento informacional das pessoas?

Será que, por haver mais informação, o fenómeno info-comunicacional fica mais facilitado? Ou, decorrente deste desgaste, poderão surgir novas "patologias cognitivas", derivando em sintomas como a ansiedade, perda de satisfação laboral, stress, depressão, etc.

Será que o profissional da informação, no actual contexto da sociedade da informação, não deveria possuir um papel mais participativo e valorizado em certos sectores da sociedade? Até onde podemos intervir para atenuar estas alterações do contexto informacional?

Thesaurus


0 Comentários

Los tesauros documentales y su aplicación en la información impresa, digital y multimedia é o novo livro de Catalina Naumis Peña








Abstract:





El papel de un tesauro en los sistemas de información es validar, desambiguar sentidos de las palabras y relacionar los términos en una estructura de conocimiento que simboliza un área de trabajo o investigación. El tratamiento del tema en esta obra refleja la destreza adquirida como resultado de la elaboración de tesauros en diferentes áreas del conocimiento. La autora coordinó la elaboración del Tesauro Latinoamericano en Ciencia Bibliotecológica y de la Información que es usada para normalizar el lenguaje de indización y recuperación de la base de datos INFOBILA (Información y BibliotecologÍa Latinoamericana) a través de un control de los usos de los términos que representan el conocimiento bibliotecológico en América Latina, con la intención de lograr una transferencia de los conocimientos del tema.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Librarian@2010 – Educating for the future


0 Comentários

A EBLIDA e a EUCLID, em conjunto, organizam a conferência "Librarian@2010 – Educating for the future". Esta irá decorrer em Lisboa, de 19 a 21 de Setembro, do ano corrente. Para tomar conhecimento dos temas em que assenta a conferência, assim como das datas e contactos para enviar as comunicações, consulte o seguinte documento: Call for papers.

Informação disponibilizada por Filipe Correia

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Cuba cria motor de busca próprio


0 Comentários

Está programado para pesquisar apenas sites governamentais e discursos de Fidel Castro. As páginas exteriores ao país permanecem inacessíveis.


Através do endereço www.infosoc.cu/buscador os utilizadores cubanos com acesso à Internet (funcionários públicos, estudantes e turistas) podem agora pesquisar qualquer assunto on-line mas apenas dentro de sites cubanos.


Logo na homepage, o novo motor de busca garante acesso directo às centenas de discursos proferidos por Fidel Castro desde 1959.


Registe-se que Cuba possui a taxa mais baixa de acesso à Internet de toda a América Latina, com uma média de 1.7 utilizadores por cada 100 habitantes.

Google News viola direitos de autor, diz Tribunal


0 Comentários

A associação Copiepresse, que representa as editoras de notícias belgas, anunciou a sua vitória contra o Google News, que acusa de divulgar conteúdos sem autorização dos autores.


Segundo uma sentença agora proferida por um Tribunal de Primeira Instância belga, o Google News reproduz e publica ilegalmente artigos protegidos por direitos de autor sem que haja direito à respectiva remuneração dos seus autores e empresas editoras.

Como consequência, o Google News está agora proibido de reproduzir on-line notícias belgas da autoria das editoras representadas no processo.


Esta decisão judicial é extremamente importante porque poderá abrir um precedente na justiça dos países-membros da União Europeia em relação ao tratamento que os motores de busca de notícias dão aos conteúdos noticiosos.


Fonte:
Exame Informática

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

DataGramaZero, Revista de Ciência da Informação


0 Comentários

No novo número da DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação (v.8, n.1, fevereiro de 2007) constam as seguintes contribuições:



A utilização de ambientes virtuais para a colaboração por grupos de pesquisa brasileiros: uma análise do desenvolvimento de trabalhos de maneira colaborativa. The use of virtual environments of collaboration for brazilian research groups: an analysis of the development of works in a collaborative way. Amauri Pereira Ramos e José Oscar Fontanini de Carvalho




Resumo: Os computadores e a Internet nas universidades e organismos de pesquisa têm se mostrado um elemento com potencial para a dinamização da construção, uso e disseminação da informação para o trabalho colaborativo dos grupos de pesquisa. Porém, não é evidente o uso de sistemas de informação especializados para apoiar essa modalidade de trabalho. Nesse cenário, a presente pesquisa tem como objetivo analisar qual é a efetiva utilização desses sistemas por grupos de pesquisa para a realização de seus trabalhos.


Palavras-chave: Ciência da Informação; Grupos de Pesquisa; Trabalho Colaborativo apoiado por Computadores; TCAC; Grupo de Trabalho; Sistemas de Informação para Colaboração; Ambientes Virtuais de Colaboração; Trabalho Científico Colaborativo; Fluxo da Informação; Interação Humano-Computador.


Abstract: The computers and the Internet in the universities and organisms of research have been shown as an element with potential for the dynamization of the construction, use and dissemination of the information for the collaborative work of the research groups. However, it is not evident the use of specialized information systems for support this modality of work. In this context, this research has as objective analyze which is the effective use of information systems by research groups for the accomplishment of its works.


Keywords: Information Science; Research Groups; Computer Supported Collaborative Work; CSCW; Groupware; Information Systems for Collaboration; Virtual Environments for Collaboration; Collaborative Scientific Work; Information Flux; Human-Computer Interaction.



Alguns impactos sociais do desenvolvimento científico e tecnológico Some social impacts of scientific and technological development. por Waldimir Pirró e Longo



Resumo: Desde a pré-história, os seres humanos têm procurado entender o Universo e transformar o meio ambiente em que vivem valendo-se das disponibilidades materiais e da compreensão e uso dos fenômenos naturais que ocorrem na Terra. O presente trabalho identifica e analisa alguns macros impactos sociais causados por transformações recentes na ambiência humana resultantes dessas atividades que, modernamente, são consideradas como pertinentes ao campo do conhecimento científico e do desenvolvimento tecnológico, bem como das conseqüentes inovações. São abordadas as priorizações políticas dessas atividades pelos governos nacionais, a imprevisibilidade do futuro das sociedades ainda que em curto prazo, o descompasso entre a nova realidade social resultante do avanço científico e tecnológico e a capacidade de adaptação dos cidadãos e de reorganização dos grupos ou entidades sociais para o trato dessa nova realidade, o aumento da expectativa de vida e a diminuição das horas de trabalho, a produção e a competição sem fronteiras, os impactos na educação e nas relações de trabalho e, finalmente, a concentração de poder político, econômico e militar.


Palavras-chave: Macro-impactos Sociais; Conhecimento Científico;Desenvolvimento Tecnológico; Inovações; Grupos Sociais; Concentração do Poder.



Abstract: Since prehistorian times the human beings have interested in understand the universe and to transform the environment where they live using available materials and knowledge and the use of the natural phenomena that occur in earth. The present work identifies and analyzes some macro social impacts caused by recent transformations in the human environment as result of these activities that, modernly, are considered as pertinent to the field of the scientific knowledge and the technological development and innovations. Priority is given in the analysis of the political importance of these activities for national governments, the probability to perform in societies future in short-term; the gap between the new social reality of the scientific and technological advance. The article looks, as well, to the capacity of adaptation of citizens and the reorganization of entities and social groups for working in this new reality. The analysis go, as well, to study the increase in life expectancy , the diminishing work time, the production and competition played in large scale. Military, political and economic power is, also, discussed as well as the education impact and work relationship.


Keywords: Macrosocial Impacts; Scientific Knowledge; Technological Development; Innovations; Social Groupsp; Concentration of Power.




Mitos e lendas da informação: o texto, o hipertexto e o conhecimento Myths and legends of information: text, hypertext and knowledge por Aldo de Albuquerque Barreto



Resumo: A informação quando referencia o homem ao seu destino participa do seu caminho ao estabelecer suas referências para percorrer a sua odisséia individual no espaço e no tempo. A essência do fenômeno da informação se efetiva entre o emissor e o receptor, quando acontece uma transferência e apropriação de um conhecimento. Assim, adequadamente assimilada, a informação, modifica o estoque mental de saber do indivíduo e traz benefícios para o seu desenvolvimento pessoal e da sociedade em que ele vive. Como serão as pessoas do amanhã em um mundo em que a escrita se torna cada vez mais posicionada em estruturas digitais? A principal indagação, discutida no texto, é como acontecerá a apropriação da informação e geração do conhecimento em um cenário onde a consciência humana já tenha e os sentidos condicionados pelo formato digital dos textos. Há indicações que textos digitais com elos de saída permitem uma assimilação mais abrangente e mais individualizada. Contudo, fica claro que, o acesso e a apropriação da informação digital é a extensão de uma competência digital adequada.


Palavras-chave: Apropriação da Informação; Informação Digital; Estrutura de Informação; Fluxos de Informação; Mitos e Lendas; Forma da Informação; Hipertexto; Fluência Digital.



Abstract: Information refers man to his destiny and leads his way in his personal adventure in space and time. Information generate knowledge and this is the essence of it phenomenon. It is discussed in the paper how it will be people of tomorrow in a world where most of the documents will be in a digital basis. What will happen with information assimilation in this digital environment? It seems that digital texts with hyperlinks give opportunity to a broader and more subjective information appropriation for knowledge. But how to deal in this new document world when digital literacy is a barrier to access and go thought digital structures of information.


Keywords: Information Appropriation; Digital Information; Information Structure; Flow of Information; Myths and Legends; Form of Information; Hypertext; Digital Literacy.



Cultura organizacional em cenários de mudança Organizational culture in changing scenes por Cássia R. B. de Moraes e Bárbara Fadel.




Resumo: Este artigo pretende investigar e analisar as relações entre os aspectos da cultura e do comportamento organizacional diante da adoção de novas tecnologias no ambiente informacional de uma organização. Parte-se do pressuposto que uma maneira viável de readequar uma organização é rever a sua Cultura. Para a execução destas mudanças, há a necessidade de buscar novos princípios de gestão mais flexíveis, dinâmicos e criativos. Para a análise de um processo de mudança organizacional, como por exemplo, a adoção de novas tecnologias, a incorporação da dimensão cultural é importante em dois aspectos: compreender quais valores básicos estão sendo questionados, alterados com essas mudanças, e como os diferentes grupos reagirão ante esse processo. O Comportamento Organizacional é o estudo das reações e habilidades humanas dentro das organizações, ou seja, busca investigar o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura exercem sobre o comportamento dentro das organizações, com o propósito de utilizar esse conhecimento para promover a melhoria da eficácia organizacional.


Palavras-chave: Cultura Organizacional; Comportamento Organizacional; Ambiente Informacional; Gestão da Informação.




Abstract: This article intends to investigate and to analyze the relations between the aspects of the culture and the organizacional behavior when occurs the adoption of new technologies in the informacional environment of an organization. One of the viables ways to adjust an organization is to review its Culture. For the execution of these changes, it exists the necessity to search new principles of management more flexible, dynamic and creative. For the analysis of a process of organizacional change, as for example, the adoption of new technologies, the incorporation of the cultural dimension is important in two aspects: to understand which basic values are being questioned, modified with these changes, and as the different groups will react within this process. The Organizacional Behavior is the study of the human reactions and abilities inside the organizations, that is, it searchs to investigate the impact that individuals, groups and the structure exert on the behavior of the organizations, with the intention to use this knowledge to promote the improvement of the organizacional effectiveness.


Keywords: Organizational Culture; Organizational Behavior; Informational Environment; Information Management.

Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação


0 Comentários

No novo número da "Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação" (v. 4, n. 2, 2007) constam as seguintes contribuições:




Editorial

Gildenir Carolino Santos e Danielle Thiago Ferreira



Artigos:

Desenvolvimento de coleções em bibliotecas universitárias (Collection development in university librarie ). Ana Cláudia Carvalho de Miranda. P. 1-19.



Estudo de correspondência de elementos metadados: DUBLIN CORE e MARC 2 (Study of the correspondence of metadata elements: DUBLIN CORE and MARC 21). Maria das Dores Rosa Alves e Marcia Izabel Fugisawa Souza. P. 20-38.



Análise facetada: um olhar face a modelagem conceitual (Facet analysis: some considerations in face of the conceptual modelling). Elizabeth Andrade Duarte e Roberto Figueiredo Paletta de Cerqueira. P. 39-52.



Pesquisas na web: estratégias de busca (Searching on the web: search strategies). Elias Estevão Goulart e Annibal Hetem Junior. P. 53-66.



Avaliação de fontes de informação na internet: avaliando o site do NUPILL/UFSC (Evaluation of information sources on the internet: evaluating NUPILL/UFSC sit). Rodrigo de Sales e Patrícia Pinheiro Almeida. P. 67-87.



Pesquisa em andamento:
Tecnologia em educação aplicada à representação descritiva (Education and learning technology applied to descriptive representation). Naira Christofoletti Silveira. P. 88-109.



Relatos de experiências:

Information literacy: uma análise nas bibliotecas escolares da rede privada em Natal/RN (Information literacy: an analysis of the school library of the private schools network in Natal/RN). Clediane de Araújo Guedes. P. 110-133.


Revista Informação e Informação


0 Comentários

Foram publicados os números 1 e 2 do volume 11 (2006) da “Revista Informação e Informação” (URL: www.uel.br/revistas/informacao).



Abaixo consta o sumário mais recente:



Editorial
A Biblioteca do Futuro" é agora. Terezinha Elisabeth da Silva



Artigos:
A gestão de serviços em bibliotecas universitárias: proposta de modelo. Fabiano Couto Corrêa da Silva, Claudio Henrique Schons e Gregório Jean Varvakis Rados.



Comunicações:
Competências em CTeI: um estudo exploratório no Portal Inovação. Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi, Carlos Roberto Massao Hayashi e Márcia Regina da Silva.



Relatos de experiência:
Informação arquivística no processo de tomada de decisão em organizações universitárias: procedimentos metodológicos. Nádina Aparecida Moreno.



Estratégias para a Implantação de Bibliotecas Híbridas como Apoio à Aprendizagem Semipresencial de Cursos a Distância. Andreia Vieira Monteiro, Marcela Neves Medeiros, Maria Cristina Pfeiffer Fernandes e Maise de Sá Cavalcante.



Resenha de livros/mídia:
Leitura: mediação e mediador. Lucinea A. Rezende Rezende .


quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Website da PORBASE


0 Comentários

Já se encontra disponível o sítio web da PORBASE renovado e reorganizado em http://www.porbase.org/ Embora com um layout bastante agradável, esta nova versão ainda apresenta algumas lacunas ao nível da acessibilidade e usabilidade.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Fundação Gulbenkian financia preservação de arquivos históricos


1 Comentários

No âmbito do projecto de reconstituição virtual do antigo Arquivo do Ministério do Ultramar, extinto após 1974, Ministério dos Negócios Estrangeiros e Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), assinaram, a 25 de Janeiro, um Protocolo de Colaboração Institucional para intervenção do Arquivo Histórico, do Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD) e do Arquivo Histórico Diplomático.



Notícia completa em TV Ciência

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Somente 11% dos brasileiros acessam a Internet


0 Comentários

Fonte: “Info Exame” Data: 13 de fevereiro de 2007.
URL: http://www.fndc.org.br/internas.php?p=noticias&cont_key=131683



SÃO PAULO – Apenas onze em cada 100 brasileiros acessaram a internet em 2006, segundo dados do e-Marketer. Mesmo com um número de usuários abaixo da média mundial (16 a cada 100), o país ocupou a 10ª posição entre os países que mais acessaram a web no ano passado, com 21,2 milhões de internautas.



Segundo a pesquisa, em se tratando de números absolutos de usuários de internet, o Brasil esteve na frente de países como Espanha, México, Austrália e Argentina. O topo do ranking foi ocupado pelos Estados Unidos (com 181 milhões de usuários), China (com 133 milhões) e Japão (com 87,2 milhões).



Enquanto apenas 11% da população brasileira acessou a internet, o número de internautas americanos, japoneses, ingleses e australianos correspondeu a mais da metade da população de cada um desses países. A Coréia do Sul foi o país com maior taxa de penetração da web em 2006, chegando a 70% da população.

Campeonato Nacional da Língua Portuguesa


0 Comentários

O Campeonato Nacional da Língua Portuguesa 2007 vai arrancar.



Esta iniciativa teve um enorme sucesso nas duas edições anteriores e reconhecidamente contribuiu para a promoção da defesa, do bom uso e do gosto pela Língua Portuguesa.



Assim, se ainda não se registou para participar no Campeonato, ainda vai a tempo.



Registe-se em: http://www.linguaportuguesa.aeiou.pt/



A partir de Sábado dia 17 de Fevereiro estará disponível o primeiro de três testes de qualificação.



Desafie os seus familiares e amigos a participarem nesta 3ª edição do Campeonato Nacional da Língua Portuguesa para fazermos deste evento a maior festa da Língua Portuguesa de sempre.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Cinco formas de melhorar a experiência de utilizador de um website


0 Comentários

O crescimento da Web móvel tem sido limitado pelos sites - sobretudo por serem desenhados de forma pobre e por serem difíceis de encontrar. No entanto, as novas linhas de equipamentos, os grandes investimentos realizados pelos operadores, e as inovações introduzidas por alguns líderes (como a Google ou a Yahoo!) prometem expor o valor escondido das experiências Web.



As empresas que estão a considerar estratégias de web móvel deverão conhecer os seus utilizadores, fornecer conteúdos apropriados ao canal em questão, escolher a interacção móvel mais adequada, realizar testes com múltiplos equipamentos, e olhar para a experiência móvel como parte de uma estratégia multicanal.



Fonte: SINFIC

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

ISBN com 13 dígitos


0 Comentários

Concluída a implementação do ISBN de 13 dígitos



A Agência Brasileira do ISBN concluiu a implantação do sistema de automatização de cadastramento de editores, de geração de números de ISBN e do ISBN 13dígitos. Segundo nota publicada no site da CBL, "com a implantação desse sistema a Agência está empenhada em ampliar a oferta de serviços pela internet, para tanto estão sendo feitos investimentos em equipamentos de novos módulos do sistema".


Barca dos livros


0 Comentários

Inaugurado o Porto da Barca dos Livros



A Sociedade Amantes da Leitura, de Florianópolis (SC), inaugurou no dia 2 defevereiro o seu espaço de leitura Porto Barca dos Livros O projeto atenderá osjovens que vivem às margens e proximidades da Lagoa da Conceição e contará comuma biblioteca itinerante montada a bordo de um barco especialmente projetado.



No dia da inauguração, houve duas saídas da Barca, um sarau literário no portoe a exposição do acervo de quase 5 mil títulos que já estão à disposição dosleitores. O próximo passo é a catalogação dos livros. Ainda em fase deinstalação, a biblioteca abre das 14h às 20h e funciona na Rua Senador IvoD'Aquino, 103 - Lagoa da Conceição (em frente ao cais, no Trapiche Nº 1, pertoda ponte e da Cooperativa dos Barcos da Linha para a Costa da Lagoa).



Fonte: Boletim n. 45 do Programa Nacional do Livro e da Leitura (Brasil)

Furtos e danos em bibliotecas brasileiras


0 Comentários

Prateleiras desprotegidas
Fonte: O Globo, Rio de Janeiro, Seção Prosa & Verso, p. 1 - 13/1 (André Miranda)



Em todo o país, as bibliotecas enfrentam problemas com furtos e danos a livros, e debatem maneiras de conscientizar os leitores Como se não bastasse a dificuldade de acesso à cultura no Brasil, o ambiente mais democrático para se obter conhecimento está abandonado. Apenas 5% das cinco mil bibliotecas públicas (federais, estaduais, municipais e comunitárias) do país têm algum sistema de segurança. Já entre as duas mil universitárias, a segurança é mais comum, mas, mesmo assim, cerca de 8% do acervo são perdidos anualmente por furtos ou desgaste.


Para os bibliotecários, o problema persiste pela falta de verbas para equipamentos e contratação de pessoal e pela falta de cuidado dos usuários. Assim, além do sumiço das obras — que, na maioria dos casos, só é descoberto semanas, meses ou até anos depois, quando outro usuário procura um exemplar que até aquele momento não se sabia estar desaparecido — as bibliotecas convivem com a depredação constante. De leitores que sublinham a caneta trechos inteiros a aqueles que simplesmente arrancam páginas para levar para casa, há de tudo num universo em que prevalece o desrespeito ao livro. As bibliotecas, por sua vez, fazem campanhas anuais de conscientização, mas nem sempre são bem-sucedidas.



Quando o livro se torna um caso de polícia



Bibliotecários de instituições públicas e universitárias pedem verbas para aumento de segurança e para preservação
As razões para a depredação e o furto de livros não estão ligadas a classes sociais nem variam conforme os costumes de diferentes regiões do país. Assim como a biblioteca pública, o desrespeito, garantem os bibliotecários, é democrático. Pobres e ricos, jovens e velhos, universitários e estudantes do ensino médio, moradores dos centros urbanos e moradores de zonas rurais — as obras públicas sofrem com o mau uso por parte de qualquer tipo de leitor.



Sistemas de segurança como câmeras de vídeo, portais magnéticos na entrada das bibliotecas ou até a contratação de mais vigilantes são formas de diminuir os furtos. Mas, para isso, é necessário haver mais verbas, como lembra Célia Regina Domingues, coordenadora de acervo do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). Ela explica que existem cerca de cinco mil bibliotecas públicas no Brasil (sem contabilizar universitárias e escolares) e que uma minoria conta com segurança.



— Menos de 5% das bibliotecas públicas brasileiras têm algum tipo de segurança. São equipamentos que demandam verbas, e somente algumas instituições dos grandes centros conseguem instalá-los. Na grande maioria dos casos, depende-se da atenção dos bibliotecários para salvaguardar as obras. Estamos cientes dos furtos e damos treinamento às equipes para tentar evitar o problema — explica Célia.
No Estado do Rio, existem 157 bibliotecas públicas, segundo a bibliotecária Ana Ligia Medeiros, diretora-geral das bibliotecas estaduais até o fim de 2006 — com a mudança de governo, o cargo permanecia vago até esta semana. O estado, ainda de acordo com Ana Ligia, é um dos poucos que dispõem de ao menos uma biblioteca por município.



— Furtos sempre vão existir, e fazemos o possível para minimizá-los, mas não acho que as bibliotecas do estado estejam desprotegidas. Quando pegamos alguém, não temos pena e levamos logo para a delegacia — afirma Ana Ligia.



Ar-condicionado quebrado aumenta ocorrências
Há casos, porém, em que nem mesmo os sistemas de segurança são suficientes para conter a “criatividade” criminosa. Anne Marie Paes de Carvalho, chefe da Biblioteca Central da Universidade Federal Fluminense, revela que um defeito no ar-condicionado pode ter aumentado o número de furtos em 2006.



— Há dois anos, instalamos um alarme na porta, com barra magnética, e os furtos haviam diminuído. Mas, em 2006, nosso ar-condicionado quebrou, e fomos obrigados a deixar a janela aberta. E uma das formas mais usuais de furto é a de pessoas que jogam os livros pela janela para burlar o alarme na saída. O último ano pode ter sido catastrófico para nosso acervo — lamenta.



As bibliotecas universitárias são exatamente as que mais sofrem com a depredação e os furtos, pela grande quantidade de usuários. A Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias (CBBU) tem cerca de 200 filiadas, mas estima que existam mais de duas mil no país. Apesar de não haver um levantamento, o panorama é semelhante ao restante das bibliotecas públicas, e apenas as maiores, dos centros urbanos, têm sistemas de segurança.



Na Uerj, por exemplo, livros que pertenciam ao acervo da instituição foram encontrados num sebo do Centro há quatro anos. A polícia foi chamada e os livros foram devolvidos, mas se teme que situações como essa sejam recorrentes.
Sigrid Karin Weiss Dutra, presidente da CBBU e diretora do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), lembra, ainda, que nem mesmo todas as federais possuem segurança. Segundo ela, uma forma de obter mais verbas é através de projetos de captação de recursos.



— Editais oferecem verbas para proteção de acervos e temos cursos para capacitar e incentivar os gestores a se inscreverem — explica Sigrid. — Temos muita dificuldade em conhecer a quantidade real de publicações que desaparecem das bibliotecas, porque nem todas as instituições fazem inventários. Na UFSC, de 8% a 10% de publicações são perdidas anualmente pelos furtos ou pelo desgaste que os livros vão sofrendo com o tempo e o mau uso. No Brasil, podemos dizer que essa taxa esteja em torno de 8%.
A presidente da CBBU destaca que as bibliotecas fazem campanhas de conscientização constantemente, mas acredita que cada leitor poderia, também, fazer sua parte.



— A depredação é uma questão cultural. É necessário educar as pessoas. Coisas simples, como não comer perto dos livros, não sublinhar, não pôr clipes nas páginas ou ter cuidado ao abri-los nas máquinas de xerox podem ser feitas — diz Sigrid.
A conservação dos livros é uma preocupação também para a UFRJ. No ano passado, a universidade conseguiu R$180 mil de verbas com o BNDES para investimentos em segurança e preservação. Agora, a UFRJ concorre novamente com um projeto no banco, dessa vez pedindo R$157 mil.



— Os furtos podem ser resolvidos com investimentos em segurança. Porém, para mim, o maior problema é com a depredação. É necessário desenvolver o amor pelo livro, o que não é fácil. Fazemos campanhas, mas nossos usuários mudam a cada ano. Assim que sai um aluno, já atingido pela campanha do ano anterior, entra outro e o trabalho deve recomeçar. A conscientização é muito difícil — conta Paula Maria Abrantes Cotta de Mello, coordenadora do Sistema de Bibliotecas e Informação da UFRJ. — As pessoas precisam ter consciência de que se trata de uma obra pública. Existem todos os tipos de furtos. Tem até aluno que chega ao cúmulo de esconder um livro de exemplar único dentro da própria biblioteca, fora de sua prateleira original, para que ele possa estudar na véspera de uma prova e não correr o risco de o livro estar sendo usado por outra pessoa.
Além dos problemas com furtos e depredação, Paula também faz coro por pedidos de mais verbas para compra de livros. Em 2006, as bibliotecas da UFRJ apontaram uma demanda de cerca de 16 mil exemplares, mas apenas 5,5 mil foram comprados.



— Desde 1998, a UFRJ não recebia verba do governo federal específica para livros. Tirava-se dinheiro de outras áreas, e as bibliotecas não eram prioridade. Em 2004, os repasses voltaram. No ano passado recebemos R$600 mil e pudemos comprar quatro mil títulos — comemora ela.



No estado, livro é tratado como computador


Já na Uerj, as verbas anuais não são garantidas. De acordo com Rosangela Aguiar Salles, diretora da Rede de Bibliotecas da universidade, o último grande repasse para compra de livros veio em 1998, do governo federal. Hoje, há verba para infra-estrutura, mas nada específico para o acervo.



— Com a entrada dos cotistas na Uerj, deveria ter havido mais investimentos nas bibliotecas para melhor recebermos os alunos. Mas apenas esporadicamente há pequenas verbas. Muitos professores incluem nos orçamentos de projetos a compra de livros para o acervo — diz ela.



Outro problema é que o livro é considerado no estado um bem permanente e deve ser adquirido da mesma forma que computadores ou carteiras. Em âmbito federal, o livro também é considerado bem permanente, mas uma lei permite que ele seja comprado como bem de consumo, o que facilita o processo.
— Temos que fazer a cotação em três livrarias e, caso a vencedora da licitação não tenha um exemplar, ficamos sem esse exemplar. Além disso, quando alguma obra some, o Tribunal de Contas pede que se abra uma sindicância. Tudo isso aumenta a burocracia — lamenta Rosangela. (André Miranda)

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

SciELO Brasil conta com 195 títulos de periódicos eletrônicos


0 Comentários

A coleção SciELO Brasil conta com 17 novos títulos e passará a indexar e publicar 195 títulos de periódicos brasileiros. Aproxima-se assim da marca histórica de 200 periódicos online em acesso aberto e este novo patamar deverá ser uma das conquistas a ser comemorada em 2007 quando o programa SciELO completa 10 anos de existência.



A coleção SciELO Brasil é parte da Rede SciELO que opera oito coleções nacionais e temáticas certificadas, totalizando mais de 350 títulos disponíveis. O ingresso dos novos títulos foi aprovado na XII Reunião do Comitê Consultivo SciELO Brasil, que foi realizada na BIREME/OPAS/OMS, nos dias 23 e 24 de novembro de 2006. A reunião aprovou, também, encaminhamentos para aprimorar o processo de seleção e permanência de títulos na coleção.



Fonte: Bireme

Novo número da "Transinformação"


0 Comentários

Sumário do último número da “Transinformação” (v. 18, n. 3, dezembro 2006), importante periódico editado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Brasil).



Artigos:

A Ciência da Informação e a sociedade brasileira: algumas representações de pesquisadores da área. Carlos Cândido de Almeida.



Abordagens epistemológicas à Ciência da Informação: Fenomenologia e Hermenêutica. João Luiz Pereira Marciano.



Informação, ciberespaço e consciência. Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva.



O campo da Lingüística Documentária. Maria de Fátima Gonçalves Moreira Tálamo e Marilda Lopes Ginez de Lara.



Patente gera patente? Joana Coeli Ribeiro Garcia.



O papel das linguagens de marcação para a Ciência da Informação. Sérgio Furgeri.



Metadados: periódico, Transinformação, ciência da informação


sábado, 10 de fevereiro de 2007

O NEW YORK TIMES NÃO SERÁ MAIS IMPRESSO


0 Comentários

Fonte: Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. A-22, 09 de fevereiro de 2007.

Nossa meta é fazer a transição do jornal impresso para a internet: essas foram as palavras do proprietário, presidente e editor de um dos maiores jornais do mundo. Apesar de ser dono de uma enorme fortuna, Arthur SuIzberger, à frente do The New York Times, se considera um homem estressado.

Os lucros do jornal vêm diminuindo nos últimos quatro anos, e o valor de mercado da companhia Times está encolhendo. No Fórum Econômico de Davos, na semana passada, o que começou como uma conversa informal terminou em uma analise sobre o mundo de Sulzberger e como ele vê o futuro de negócio de notícias.

Realmente não sei dizer se ainda estaremos imprimindo o Times daqui a cinco anos, disse o empresário em entrevista ao jornal israelense Haaretz. No lugar da preocupação, Sulzberger se concentra na melhor forma de fazer a transição para a Internet.

- A web é um lugar maravilhoso para trabalhar, e nós estamos liderando nesse meio. O empresário ressalta que o jornal não é mais central na vida urbana como era 10 anos atrás: - Antigamente, as pessoas tinham que ler os jornais para descobrir o que estava acontecendo. Hoje existem centenas de fóruns e sites com esta informação. Nós precisamos fazer parte desta nova comunidade e dialogar com o mundo online.

De fato, o The New York Times dobrou seus leitores online para 1,5 milhões por dia, enquanto os leitores do impresso estão em 1,1 milhão. O The New York Times já se lançou em uma jornada que apenas será concluída no dia em que a companhia decidir parar a impressão. Isso vai marcar o fim da transição. Será uma longa jornada, com muitos obstáculos. Se os classificados tem sido a maior fonte de renda para a imprensa, agora os lucros estão se movendo para a Internet. Como o anúncio da internet não gasta papel, tinta e distribuição, as companhias podem ganhar a mesma quantia, mesmo que tenham menos propagandas.

Su1zberger conta que na última vez que fez um investimento na impressão gastou cerca de U$ 1 bilhão. Os custos de sites não crescem nesta magnitude, explica.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Fiabilidade da Wikipédia


0 Comentários

O Diário Económico de hoje dá conta que vários juízes norte-americanos utilizaram a enciclopédia digital, Wikipédia, para tomar decisões em cerca de 100 processos em tribunal.

Web 2.0...


1 Comentários

Recomendo que vejam este vídeo, está muito bom... e recomenda-se à reflexão neste blog. Como será o MUNDO da INFORMAÇÃO a curto prazo?

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação


0 Comentários

Saiu o novo número da Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação cujo tema central foi: Competência em Informação. Abaixo estão listados os artigos e demais comunicações apresentados no v. 2, n. 2, julho/dezembro 2006.



Artigos:
Pertinencia del término “alfabetización en información” en el contexto de la bibliotecología latinoamericana1 y sus implicaciones en la educación superior. Noel Angulo Marcial. p. 1-20.



Competência informacional no Brasil: um estudo bibliográfico no período de 2001 a 2005. Jane Lecardelli e Noêmia Schoffen Prado. p. 21-46



Políticas de formação para a competência informacional: o papel das universidades. Lídia Eugênia Cavalcante. p.47-62



A escolarização da competência informacional. Bernadete Campello. p. 63-77.



O uso de mapas conceituais e mentais como tecnologia de apoio à gestão da informação e da comunicação: uma área interdisciplinar da competência em informação. Regina Célia Baptista Belluzzo. p. 78-89.



Comunicações/documentos. Márcia Rosetto. P. 90-94.



Entrevista sobre Competência em Informação. Sergio Ferreira do Amaral. p.95-97.



Notas e Registros de Eventos. Gildenir Carolino Santos. p.98-100.



Resenhas:
Resenha. Rosemary Passos. p.101-103.
Resenha. Célia Maria Ribeiro. P. 104-106.
Resenha. Carminda Nogueira de Castro Ferreira. P. 107-108.



Operadores europeus vão desenvolver pesquisa na Net móvel


0 Comentários

Um acordo de parceria entre as maiores empresas celulares da Europa acaba de ser anunciado para a área dos motores de busca para conteúdos visionados em telemóveis.



A iniciativa, que só deverá ser selada na próxima semana, conta com a participação de Vodafone, Telefónica, AT&T, Deutsche Telekom, France Telecom, Telecom Itália e Hutchison Whampoa.



Os principais operadores europeus querem potenciar a utilização da Internet móvel e pretendem precaver-se contra a potencial concorrência de motores de busca da Internet tradicional, onde o Google lidera. O desenvolvimento de um motor de busca especializado em telemóveis é a missão que se segue.




Este não foi o único acordo de parceria a ser conhecido hoje no sector das comunicações móveis: alguns dos principais operadores europeu assinaram um protocolo com vista ao desenvolvimento de sistemas que bloqueiam a transmissão de conteúdos ilegais nos telemóveis.





Esta última iniciativa insere-se na comemoração do Dia da Internet Segura.





Fonte: Exame Informática

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Editora Penguin lança primeiro romance wiki


1 Comentários

Chama-se “Um Milhão de Pinguins” e solicita a participação on-line de todos os interessados para a sua escrita colaborativa.



A página para o romance está activa desde o início desta semana e conta já com um capítulo inteiramente escrito em colaboração por vários utilizadores.



Um Milhão de Pinguins é o primeiro romance colaborativo lançado por uma das grandes editoras mundiais e deverá estará disponível on-line durante as próximas seis semanas a partir do endereço www.amillionpenguins.com.



Fonte: Exame Informática

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Novo número da "Perspectivas em Ciência da Informação"


1 Comentários

O periódico “Perspectivas em Ciência da Informação”, publicado pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, divulga o seu mais recente número (vol. 11, n° 3, 2006) onde foram incluídas as contribuições abaixo.



Relatos de Experiência:

Procedimentos Básicos de Seleção de Documentos para Conversão Digital: Elementos de atualização profissional em setores de duas instituições públicas federais. Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva.



Revisões de literatura

A administração da informação integrada as estratégias empresariais. Joubert Roberto Ferreira Fidelis, Cristiane Missias Candido.



Editorial:

Perspectivas na contemporaneidade. Paulo Terra Caldeira.



Artigos:

RedeCI: colaboração e produção científica em ciência da informação no Brasil. Fernando Silva Parreiras, Antonio Braz de Oliveira e Silva, Renato Fabiano Matheus, Wladimir Cardoso Brandão.



Dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFMG, na década de 1990: um balanço. Maria Yêda Falcão Soares de Filgueiras Gomes.



Periódico eletrônico Informação & Sociedade: Estudos - impactos no contexto da comunicação científica. Guilherme Ataíde Dias, Eliany Alvarenga de Araújo, Joana Coeli Ribeiro Garcia, Alzira Karla, UFPB.



Metodologia de Elaboração de Tesauro Conceitual: a categorização como princípio norteador. Maria Luiza Almeida Campos, Hagar Espanha Gomes.



Mapeamento de Competências em Bibliotecas Universitárias. Ângela Maria Oliveira, Eunice Silva Novais, Ivani da Silva, Maria Luzia Fernandes Bertholino.



Educação continuada e mercado de trabalho: um estudo sobre os bibliotecários do Estado do Rio Grande do Norte. Ana Cláudia Carvalho de Miranda.



Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso. Elaine R. de Oliveira Lucas, Clarice Fortkamp Caldin, Patrícia V. Pinheiro da Silva. URL: http://www.eci.ufmg.br/pcionline/viewarticle.php?id=465



A Engenharia produz, a Sociedade utiliza. Cecília Prysthon, Susana Schmidt, Murilo Maas Silveira.






Teses e Dissertações:

A contribuição da análise de redes sociais na gestão da informação de organizações: um estudo de caso. Andréa Lúcia Lara Mendes.



Info-entretenimento na telefonia celular: informação, mobilidade e interação social em um novo espaço de fluxos. Camila Maciel Campolina Alves Mantovani.



A análise de assunto na literatura ficcional infantil: categorias para ler o que você tem. Margareth Egídia Moreira.




Um modelo baseado em ontologias para representação da memória organizacional. Maurício Barcellos Almeida.





Apresentação do livro: Eça de Queiroz e os seus Clones


1 Comentários

A apresentação do livro Eça de Queiroz e os seus Clones, da Editora Guerra & PAZ, terá lugar amanhã, dia 7 de Fevereiro, pelas 21h30 na Biblioteca Municipal de Espinho, no Salão Nobre da Piscina Solário Atlântico, Rua 6, com a presença do autor António Eça de Queiroz.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Manifesto bibliotecário 2.0


2 Comentários





Para meditar...

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

Australianos adaptam os ícones de disponibilidade aos telemóveis


0 Comentários

Com o Swarm, é possível saber de antemão qual a melhor hora para ligar a alguém.



A aplicação foi desenvolvida na universidade de Melbourne, Austrália, e permite atribuir ícones a vários grupos de contactos guardados na agenda do telemóvel. Através destes ícones, os utilizadores podem saber, de antemão, se alguém está disponível para atender uma chamada, ou se está a trabalhar, a guiar ou apenas a dormir.



A aplicação permite manter conectados os vários utilizadores que aceitem aderir ao serviço.



Com o Swarm, é possível indicar, através do sistema de ícones, seis “estados”: férias, convívio com amigos, guiar, tempos-livres, a dormir ou em trabalho.



A aplicação permite acrescentar outros ícones aos das seis categorias dominantes.



Por exemplo, ao adicionar a imagem de um cálice, o utilizador está a informar que se encontra num bar.



A aplicação permite criar e integrar diferentes grupos, por forma a que a informação fornecida a cada grupo seja consentânea com o que utilizador pretende.



Desconhece-se quando começará a ser comercializado o novo serviço.



Fonte: Exame Informática

Arquivo

Categorias