quarta-feira, 17 de março de 2010

Marcadores improvisados




Para muitos de nós que trabalham em bibliotecas não é estranho encontrar diferentes "papeis" que serviram de marcadores improvisados aos leitores. É uma "documentação" interessante e que por vezes permite caracterizar os próprios leitores.

A biblioteca de Vila Real tem patente uma exposição com os marcadores recolhidos no trabalho de restauro e higienização do fundo antigo.

Leia a notícia no jornal i
"Lisboa, 15 de Abril de 1956. Querido João, as tuas notícias dão-me sempre muito prazer. E, quando elas me trazem..." A carta, escrita à mão em papel amarelado, termina aqui, de forma inesperada. Foi rasgada ao meio e transformada em marcador. Durante décadas, ficou esquecida nas páginas de um livro, no meio dos milhares que constituem o espólio da Biblioteca Municipal de Vila Real. Quase 55 anos depois, foi recuperada e faz parte da exposição "Coisas que aparecem no meio dos livros". (continue a ler aqui)

1 Comentários:

João Pedro on 18 março, 2010 disse...

Existem autenticas reliquias dentro dos livros de uma biblioteca, muitos dos livros nunca foram lidos e os marcadores neles existentes são dos proprios autores ou do primeiro comprador do livro que nem o chegou a ler por várias razões e que veio parar a biblioteca.

Arquivo

Categorias