quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Estado actual do universo dos e-books...


0 Comentários

Um representação interessante do estado actual em que se encontra o mercado dos e-books... via (Pedro Príncipe on Facebook)Aceda à notícia completa em TechFlash

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

França: nova lei da internet


2 Comentários

França aprova lei que prevê corte da conexão de quem baixa conteúdo online
Fonte: IDG News. Data: 22/09/2009.
Autor: Peter Sayer.
Após resistências no governo, lei Hadopi passa por Assembleia e pelo Senado e deve virar lei após aprovação do presidente Nicolas Sarkozy.
A Assembleia Nacional da França aprovou nesta terça-feira (22/9), por 258 votos a favor e 131 votos contrários, a lei que criminaliza o compartilhamento de arquivos e corta o acesso à internet, aplica multas e até prende aqueles que forem pegos baixando conteúdo protegido por direitos autorais.
O Senado havia aprovado o mesmo texto na segunda-feira (21/9). Com o acordo de ambas as casas, o texto agora vai para a assinatura do presidente Nicolas Sarkozy, ainda que haja a possibilidade de outra apelação pelo Conselho Constitucional atrasar o processo.
A lei Hadopi ganhou este apelido por representar a abreviação do nome do novo órgão (High Authority for the Distribution of Works and the Protection of Rights on the Internet) criado para fiscalizar a aplicação da lei.
Ao detectar a violação da lei, o órgão manda o primeiro aviso por e-mail. Em caso de reincidência, o segundo comunicado é enviado por correio.
Caso o acusado baixe conteúdos ilegalmente por uma terceira vez, a lei prevê a aplicação de penas, como multa, prisão e o corte do acesso online.
A lei também prevê que uma corte decida pela imposição das penas, ao mesmo tempo em que também permite que a decisão final seja tomada por apenas um juiz, sem o confronto de versões por testemunhas.
O primeiro esboço da lei foi aprovado no Parlamento da França em abril, mas o Conselho Constitucional classificou a medida como inconstitucional. O governo imediatamente mudou o texto do projeto, ganhando a aprovação do conselho.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Primeiro livro brasileiro 100% digital


0 Comentários

Primeiro livro 100% digital do país
Fonte: PC Magazine. Data: 18/9/2009.

Aleksandar Mandi? é um entusiasta da tecnologia e já deixou muitas marcas registradas na história da internet brasileira, como a criação do Mandic. Apostando no Kindle Book, da Amazon, ele lançou :mandicas, o primeiro livro brasileiro publicado 100% na internet. Trata-se de uma obra composta por 167 frases que expressam a maneira de pensar e agir do executivo/escritor.
Com esta novidade, Mandi? reafirma sua posição quanto à inclusão digital, que acredita ser mais do que um computador na casa de cada brasileiro. “Não basta ter uma máquina, é preciso saber usá-la, por isso, reafirmo que o Governo tem que dar internet e saúde para todos.”, ressalta.
O empresário acrescenta ainda que esse dispositivo será um incentivo à tecnologia e também à educação. “O e-Book é uma ferramenta fundamental para democratizar a informação e contribuir efetivamente para a formação cultural dos brasileiros. Com ele, as nossas crianças carregarão uma biblioteca dentro do bolso, colecionada durante uma vida inteira”, conclui Mandi?.
O livro custa US$ 9,99 e toda a renda desta obra é revertida para o Instituto Endeavor de Empreendedorismo.

IFLA: 10 maneiras de fazer funcionar uma Biblioteca Pública


0 Comentários

A Secção de Bibliotecas Públicas da IFLA publicou recentemente recomendações que vêm complementar o Manifesto da UNESCO sobre Bibliotecas Públicas de 1994. Com o título 10 ways to make a public library work / Update your libraries são apontados caminhos para colocar os serviços da biblioteca pública no século XXI, através do recurso às novas tecnologias.

As recomendações assinalam o importante papel da biblioteca no universo digital em constante mudança.

Sublinham a necessidade de criar uma sabedoria global – World Wide Wisdom –, conhecimento e entendimento capazes de transpor barreiras ao diálogo entre diferentes culturas. Defendem que o bibliotecário deve actuar enquanto educador e formador da comunidade, e não apenas como guardião do conhecimento.

É sustentada a necessidade de fazer da biblioteca pública um espaço de encontro da comunidade, no qual coexistam os papéis de biblioteca, arquivo, museu e centro de cultura, criando a “biblioteca combinada”.

Fonte: Newsletter da BAD

sábado, 19 de setembro de 2009

Computadores nos lares brasileiros


2 Comentários

Três em cada dez domicílios tinham computador em 2008
Fonte: Agência Brasil. Data: 18/09/2009.
Autora: Thais Leitão.
Rio de Janeiro - Pelo menos três em cada dez domicílios brasileiros tinham computador em 2008, totalizando 18 milhões de residências. Além disso, dois em cada dez eram conectados à internet, somando quase 14 milhões. Embora os números mostrem algum avanço em relação aos dados de 2007, ainda revelam desigualdade no acesso a essa tecnologia.
Mais da metade dos domicílios do país que têm computador está localizada no Sudeste (10 milhões), região que também concentra a maior proporção de domicílios conectados à internet (31,5%). Em seguida vêm o Sul (28,6%) e o Centro-Oeste (23,5%). Nos últimos lugares aparecem as regiões Norte (10,6%) e Nordeste (11,6%).
Os dados foram divulgados hoje (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) relativa ao ano de 2008. O estudo, publicado anualmente, traz uma radiografia da situação econômica do país, com informações sobre população, migração, educação, trabalho, família, domicílios e rendimentos.
De acordo com Elis Monteiro, relações públicas do Comitê para Democratização da Internet (CDI), organização não governamental que atua na inclusão digital de pessoas de baixa renda, especialmente nas favelas do Rio de Janeiro, os números revelam que as classes sociais mais baixas ainda têm muitas dificuldades no acesso principalmente à internet.
“O acesso ao computador ficou mais fácil nos últimos anos, com a queda de preços e programas de financiamento para aquisição desse bem. Ao mesmo tempo, o acesso à internet requer investimentos mais altos tanto por parte do governo como da iniciativa privada. Muitas vezes as empresas que levam a infraestrutura, que é a base de tudo, acabam concentrando sua área de atuação, em que também está concentrado o dinheiro, especialmente nas regiões Sul e Sudeste. O governo precisa fazer um trabalho de convencimento para que essas companhias universalizem a estrutura e melhorem a qualidade do acesso”, defendeu.
Essa diferença entre as regiões foi notada pela empregada doméstica Edna Maria da Silva, que chegou ao Rio vinda de Pernambuco há cerca de seis meses. Logo que conseguiu um emprego na capital fluminense, fez sua matrícula em um curso de informática.
“Lá no Nordeste é muito mais difícil conseguir locais com acesso à internet. Aqui no Rio, pelo menos, as casas parecem ter mais computadores com o serviço. Por isso, logo que eu consegui um emprego tratei de me inscrever, porque hoje em dia, sem saber mexer no computador, é quase como se a gente não soubesse ler e escrever”, afirmou.
Segundo o levantamento do IBGE, de 2007 para 2008 houve aumento no número de domicílios atendidos por rede coletora de esgoto (1,4 ponto percentual), somando 30,2 milhões de residências que dispõem do serviço. Também subiu em 603 unidades o número de domicílios com outro tipo de esgotamento sanitário ou sem qualquer esgotamento (0,2 ponto percentual). A Região Norte, responsável pela menor parcela de residências ligadas à rede coletora de esgotamento (9,5%), apresentou redução de 0,5 ponto percentual na proporção de lares com esse serviço, e aumento de 5,5 pontos percentuais nos domicílios com fossa séptica (unidades de tratamento primário de esgoto doméstico).
O estudo também indica um aumento de 0,6 ponto percentual nas residências que passaram a contar com serviço de coleta de lixo (87,9%) e nos lares com fornecimento de energia elétrica, que alcançaram 98,6% do total. O acesso à telefonia também cresceu, principalmente a celular. Entre os dois anos, o número de domicílios com algum tipo de telefone somou 82,1% e os que tinham só telefone móvel celular, 37,6%.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

3 vezes mais tempo no Facebook que no Google


0 Comentários

Back in July, we reported that Facebook had become the Internet’s ultimate time waster, with users spending an average of 4 hours, 39 minutes on it per month, more than any other site on the Web.

Since then, however, that number has only gone up. According to numbers from Nielsen Online, users spent an average of 5 hours, 46 minutes on Facebook in the month of August. To put that in perspective, that’s triple the amount of time they spent on Google (Google)!
Continue a ler em www.mashable.com

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Privacidade nos portais sociais? Sim, é possível


1 Comentários

Na Universidade de Waterloo, EUA, um grupo de investigadores acaba de lançar uma aplicação para browsers que permite esconder dados pessoais de utilizadores e gestores de portais sociais.

O novo plug in tem a capacidade para substituir dados pessoais e entradas inseridas no Facebook, hi5 ou MySpace por textos sem significado, evitando que a generalidade dos utilizadores aceda a informação privada.

Esta funcionalidade pode ser activada apenas para o visionamento de desconhecidos, permitindo que utilizadores registados que fazem parte do grupo de amigos acedam a informação original e de âmbito privado. Segundo a Technology Review, a nova aplicação permite esconder informação dos gestores das redes sociais.

A ferramenta, que foi baptizada de FaceCloak (pdf), dá ao utilizador a possibilidade de escolher que informação quer mostrar ao mundo a cada momento.

Prefere o portal social à mesa do café? Explique-nos porquê.

Fonte: Exame Informática

sábado, 12 de setembro de 2009

Fluxo das informações na internet


2 Comentários

No fluxo (lento) das mensagens virais Modelo matemático revela que informações na internet se espalham mais devagar que o esperado.
Fonte: Ciência Hoje Online. Data: 10/09/2009.
Autora: Sofia Moutinho.

Pesquisadores espanhóis desenvolveram um método capaz de prever o alcance e a velocidade com que as mensagens vão se espalhar na internet.

Quem nunca recebeu por e-mail uma corrente de “passe para frente”, uma promoção um tanto suspeita ou aquele vídeo-sensação da semana? A disseminação de informações na internet é um fenômeno atual que merece atenção e, por isso mesmo, pesquisadores espanhóis da Universidade de São Carlos, em Madrid (Espanha), voltaram os olhos para a verdadeira epidemia que alguns desses conteúdos provocam na rede. Por meio de cálculos matemáticos, eles desenvolveram um método capaz de prever o alcance e a velocidade com que as mensagens vão se espalhar na web. O resultado foi inesperado: a informação transmitida por e-mail caminha a passos lentos. Segundo os pesquisadores, as informações na internet são como vírus – infectam usuários e possuem até mesmo tempo de encubação. No entanto, as tradicionais equações usadas para prever epidemias não funcionam na análise da rede: elas não levam em conta a heterogeneidade da ação humana. “Enquanto algumas pessoas repassam um e-mail logo depois de recebê-lo, outras podem levar dias ou até mesmo apagá-lo de cara”, explica Esteban Moro, um dos matemáticos responsáveis pela pesquisa.

O estudo revelou que a maioria de nós demora em média um dia para repassar ou responder a um e-mail, mas 20% dos usuários da rede levam mais de uma semana para isso. Infectados por links que vão de vídeos de sucesso a campanhas de marketing viral, internautas de todo o planeta dão sequência à corrente de mensagens com velocidades diferentes. Essa variação no tempo de reposta de um e-mail é o que vai determinar o alcance que a mensagem vai ter. Enquanto alguns e-mails se espalham pela rede em minutos, outros podem circular durante anos. Os pesquisadores deram o exemplo de um anúncio que por 11 anos se alastrou pela rede. Na verdade, trata-se de uma promoção que nunca existiu.

O e-mail incentivava o usuário a encaminhar a mensagem para 10 pessoas, com cópia para a empresa de bebidas Veuve Clicquot. O falso prêmio para quem cumprisse a missão: garrafas de champanhe. Os pesquisadores explicam que, em casos como esse, a mensagem não atingiu o chamado tipping point (ponto de ebulição, em inglês), a partir do qual a informação passa a ser disseminada rapidamente. Uma mensagem não atinge esse ponto quando a sua disseminação é controlada por pessoas “menos ativas”, que demoram a repassar e-mails. Já se o grupo que dissemina uma determinada mensagem é “ativo”, ela vai se espalhar em instantes. “Acima do tipping point, a mensagem não só chega a uma grande parcela da população, como também chega em questão de minutos”, diz Moro. “Não porque a mensagem seja importante, mas porque pessoas ativas estão controlando a difusão de informação.” Rastreamento de e-mails Para desenvolver seus modelos matemáticos, os pesquisadores iniciaram uma campanha com a empresa IBM. O objetivo era agregar contatos de e-mail para o boletim de notícias da empresa. Uma das ações virais foi criar uma página onde o internauta poderia se inscrever no boletim e concorrer a um laptop caso indicasse e-mails de amigos.

Gráfico que ilustra como uma informação se propaga na rede em oito dias. Os círculos representam os internautas e as setas, a disseminação da mensagem (imagem: Esteban Moro e José Luis Iribarren).Os pesquisadores rastrearam as mensagens da campanha e constataram que em dois meses a notícia chegou a 11 países da Europa e atingiu mais de 30 mil pessoas. “Com essa experiência somos capazes de predizer, com uma margem mínima de erro, a quantas pessoas a informação chegará e em quanto tempo”, conta Moro. Apesar de ter atingido um grande número de pessoas, a campanha da IBM não alcançou o tipping point, o que quer dizer que foi controlada por pessoas menos ativas e se disseminou lentamente. Segundo Moro, isso acontece com 90% dos conteúdos da rede que são repassados por e-mail, como campanhas de marketing viral, rumores e trotes de internet. “Coletivamente, a maior parte da informação se move mais lentamente do que o esperado.” No entanto, o resultado da campanha foi positivo: 75% das pessoas aderiram ao boletim por meio das indicações de amigos. “Isso significa que a campanha foi muito exitosa, já que a maioria das pessoas recebeu a mensagem da campanha sem nenhum custo para a IBM”, diz Moro. O pesquisador acredita que sua pesquisa terá profundas consequências para as campanhas de marketing viral. “Do ponto de vista de uma empresa de marketing, o modelo é muito interessante, pois permite a ela avaliar o custo da campanha e o retorno do investimento”, explica Moro.

Apesar de o modelo ter sido inicialmente aplicado às informações difundidas por e-mail, os pesquisadores afirmam que ele pode ser usado para medir a disseminação de informações nas páginas virtuais de relacionamento, redes sociais, blogues e outros meios de comunicação on-line. “As previsões do nosso modelo são gerais e valem para qualquer tipo de informação transmitida por humanos”, explica Moro, que agora planeja estudar a propagação de links no serviço de microblogue Twitter.

Banda larga perde para pombo


0 Comentários

Pombo é mais rápido que banda larga na África do Sul, diz empresa.
Fonte: O Globo. Data: 10/09/2009.
Uma empresa de informática disse ter provado que é mais rápido transmitir informações na África do Sul com um pombo-correio do que usar o principal provedor de acesso à internet do país, Telekom.O pombo Winston levou um cartão de memória de quatro gigabytes amarrado em uma das pernas no trajeto de cerca de 80 km entre um escritório da empresa Unlimited IT na cidade de Howick e outro na cidade costeira de Durban.
Segundo a Unlimited IT, levou 1h08 para que a ave chegasse ao destino e mais uma hora para que o conteúdo do cartão fosse colocado em um computador. Durante o mesmo período, a empresa disse que enviou de um computador no primeiro escritório a outro no segundo os mesmos dados e apenas 4% deles haviam sido baixados no destino nesse tempo, apesar de ter sido usada banda larga.
A ideia da prova apareceu quando um funcionário da Unlimited IT, que reclamou da baixa velocidade na transmissão de dados por ADSL.
A prova empolgou alguns sul-africanos - centenas deles acompanharam os lances da corrida na internet em redes sociais como o Facebook e o Twitter.Culpa da empresa?A Telekom disse que não é responsável pela velocidade baixa da internet usada na empresa.
"No passado, várias recomendações foram feitas ao cliente (Unlimited IT) mas nenhuma delas, até agora, foi aceita", disse Troy Hector, da Telekom, por e-mail, à agência de notícias da África do Sul, Sapa.
O correspondente da BBC no país Andrew Harding disse que a "corrida" foi uma jogada publicitária criativa da Unlimited, mas o resultado dá alguma indicação sobre o estado da banda larga no país e no continente africano como um todo.
Há expectativa de que a velocidade da internet na África melhore em breve, com a chegada de uma nova ligação por fibra ótica ligando o sul e o leste do continente, acrescentou Harding.
Segundo o repórter, Winston pode ter sido vitorioso nesta corrida, mas os provedores de internet já estão desafiando o pombo para uma revanche.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

IBM criou motor de pesquisa e indexação de imagens e sons


0 Comentários

SAPIR é um motor que classifica e descreve imagens e sons que se encontram na Net. Foi desenvolvido em consórcio com a União Europeia e acaba de ser anunciado pela IBM.

Enquanto a maioria dos motores de busca e indexação comerciais apresenta resultados com base na informação que os utilizadores colocam sobre determinados ficheiros, a tecnologia SAPIR (de Search in Audio visual content using peer-to-peer Information Retrieval) consegue analisar e classificar vários conjuntos de pixeis de imagens ou sequências de bits de um tema musical.

Segundo comunicado da IBM, a nova tecnologia dispensa a informação descritiva que os cibernautas costumam acrescentar sempre que disponibilizam um ficheiro multimédia na Internet e pode hierarquizar, automaticamente, os vários conteúdos de acordo com regras que facilitam o acesso a imagens e sons.

Os mentores desta tecnologia desenvolvida no âmbito do projecto CHORUS da UE lembram que o SAPIR tem capacidade para identificar as definições básicas de disposição, cor ou mesmo sons de fotos ou vídeos. O que permitirá fazer pesquisas na Net a partir de ficheiros, sem ter de introduzir qualquer informação descritiva.

Eis um exemplo: um internauta pode "pegar" numa foto de uma pessoa cujo nome desconhece e acabar por descobrir a sua identidade através dos resultados de uma pesquisa na Net que mostram imagens que têm rostos com as características.

Além da mudança de paradigma, o SAPIR pode abrir caminho a novas formas de acesso e classificação de informação na Net - até porque, segundo a IDC, 95% dos conteúdos existentes no espaço virtual continuam por estruturar.

A IBM já começou a disponibilizar o SAPIR na Internet.

Está contente com os motores de busca actuais? Estamos à espera dos vossos comentários.

Fonte: Exame Informática

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Brasileiro lê pouco


0 Comentários

Brasileiro ainda lê pouco, constata estudo da Câmara do Livro
Autor: Luiz Augusto Gollo. Fonte: Agência Brasil. Data: 9/9/2009
Análise usou dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE
Uma análise mais detalhada da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou aos membros da Câmara Brasileira do Livro (CBL), reunidos nesta terça-feira, dia 8, durante a 19ª Convenção Nacional, no Rio de Janeiro, que 40,7% das famílias adquirem algum tipo de material de leitura.
É um percentual baixo, sobretudo se revistas e jornais estão incluídos na despesa, e mais grave ainda se for considerado outro dado revelador: gasta-se praticamente a mesma quantia em cópias e em originais de livros técnicos e didáticos.
"O preço do livro no Brasil não justifica mais o baixo índice de consumo", afirma Rosely Boschini, presidente da Câmara. "As editoras estão buscando muitas maneiras de oferecer um produto com a mesma qualidade e mais acessível. Seria interessante o Estado transmitir aos educadores a necessidade de despertar nos alunos o gosto pela leitura".
O estudo divulgado na convenção foi feito a pedido de oito entidades atuantes no mercado editorial, quase todas presentes à entrevista que se seguiu ao lançamento, a cargo do seu coordenador, Kaizô Iwakami Beltrão, pesquisador do IBGE e consultor. De início, ele destacou que os dados são os mais recentes disponíveis e que nova pesquisa, em andamento agora, poderá refletir uma nova realidade.
"É uma coleta de informações em 50 mil domicílios e, a princípio, mostra que maior renda e maior escolaridade estão também ligadas a maior índice de leitura. Mas isso não quer dizer que quem ganha mais ou estudou mais lê mais livros. O consumo quase sempre se refere a livros didáticos, revistas e jornais, e não a literatura".
Na realidade, os índices mais altos de aquisição de material de leitura se relacionam a lares com estudantes, onde têm relativo destaque despesas com revistas, jornais, livros didáticos, fotocópias, livros técnicos e livros não didáticos. Mas o total não passou de 0,6% da renda familiar no ano, enquanto somaram quase 2% no período os gastos com TV, vídeo, som e microcomputador.
"É preciso difundir nas crianças não o hábito da leitura, mas sim o gosto pela leitura", defende João Carneiro, presidente da Câmara Riograndense do Livro, que põe por terra outro mito: o de que a professora é quem desperta a criança para a leitura. "Está comprovado, por diversos estudos, que é a mãe quem primeiro incentiva a leitura. É a cultura de ler, contar histórias para o filho, antes mesmo de ele ser alfabetizado. Isto é marcante no gosto futuro pela leitura".
O cruzamento de inúmeros indicadores da pesquisa do IBGE, na elaboração do estudo encomendado pela Câmara Brasileira do Livro, permite conclusões aparentemente óbvias, que, entretanto, traduzem realidades surpreendentes.
É o caso, por exemplo, da comparação de gastos anuais da família média em 2002/2003 com vários itens contabilizados: material de leitura, R$ 110; tv/vídeo/som/micro, R$ 400; telefonia celular, R$ 180; e lazer fora de casa, R$ 125. "Na época, é importante lembrar, o salário mínimo era R$ 200", ressalta Kaizô Iwakami Beltrão.
Rosely Boschini aplaude ideias como o Vale Cultura, mas enfatiza a necessidade de muitas parcerias entre Estado, iniciativa privada e família como a maneira mais rápida e eficaz de recuperar o terreno perdido pelo mercado do livro. E exemplifica:
"O Rio de Janeiro tem, talvez, três mil bancas de jornais, o mesmo número de livrarias que existem no país. É preciso resgatar o papel da livraria, o ambiente do livro. Sabe que as pessoas só frequentam bibliotecas enquanto são estudantes? Depois não vão mais", lamenta.
João Carneiro adianta a questão: "A leitura não é apresentada como uma coisa prazerosa, é uma obrigação escolar. Isso tem de mudar, para alcançarmos um nível como o da França, onde a literatura é agregador cultural do país, os escritores franceses são a própria França no mundo".
A pesquisa coordenada por Kaizô Iwakami Beltrão para a Câmara Brasileira do Livro foi encomendada pelas seguintes entidades: Associação Brasileira de Difusão do Livro (ABDL), Associação Brasileira de Direitos Reprográficos (ABDR), Associação Estadual de Livrarias do Rio de Janeiro (AEL-RJ), Associação Nacional de Livrarias (ANL), Câmara Riograndense do Livro (CRL), Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e Instituto Pró-Livro (IPL). Foi consultora do trabalho a médica Milena Piraccini, livreira da Livraria Leonardo da Vinci, diretora da ANL e da AEL-RJ.

Avalanche de críticas a projeto de biblioteca digital da Google


0 Comentários

Fonte: AFP. Data: 8/09/2009.
A Microsoft, o governo francês e uma série de grupos e organizações norte-americanos apresentaram nesta terça-feira recursos de última hora para se oporem ao projeto da Google de divulgar pela internet milhões de livros que já não estão disponíveis nas livrarias.
A editora das aventuras de Batman e do Super-Homem, DC Comics, a União Nacional dos Escritores (National Writers Union) e a Coalizão Nacional de Autores (National Coalition of Authors) juntaram suas vozes ao coro crescente de críticas, declarando que temem o surgimento de um novo "monopólio".
Por outro lado, o presidente da Associação Americana de Informática e Comunicações (CCIA), Ed Black, celebrou uma iniciativa que "aumentará e competição" e "estimulará outros a entrar neste mercado para competir com a Google".
Os comentários foram feitos na preparação de uma audiência prevista para dentro de um mês em um juizado federal nova-iorquino para validar ou não um acordo alcançado em outubro de 2008 com o Sindicato dos Editores Americanos (AAP) e o sindicato de autores Authors Guild.
O acordo, após uma longa batalha jurídica, prevê que a Google receberá 37% dos rendimentos ligados à exploração dos títulos divulgados, enquanto que autores e editores ficarão com 63%. Seria criado também um "registro de direitos autorais" para dividir esses dividendos. Além disso, a Google destinou 125 milhões de dólares para enfrentar eventuais litígios.
As partes interessadas tinham até esta terça-feira para elaborar seus argumentos, antes da audiência de 7 de outubro.
O Ministério da Cultura francês indicou que "o projeto não está conforme nem com o direito de propriedade intelectual, nem com o direito de concorrência, e representa uma ameaça à diversidade cultural".
A Microsoft considerou, por sua vez, que o acordo deve ser "rejeitado".
O acordo é alvo de uma investigação das autoridades encarregadas de regular a concorrência nos Estados Unidos, assim como da Comissão Europeia.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Internet 3.0 vai conectar coisas


0 Comentários

Fonte: O Estado de S. Paulo. Data: 08/09/2009.
Autor: Ethevaldo Siqueira .
Mais do que os Estados Unidos e o Japão, a Europa tem sido ambiciosa em preparar-se para o futuro da internet, em especial no que se convencionou chamar de Internet 3.0 ou Internet das Coisas. Essa foi uma das discussões mais animadas entre especialistas de várias áreas nesta IFA 2009.
Por que Internet das Coisas? Porque, além de tudo que já faz, ela irá conectar objetos físicos. Seus documentos pessoais, como o talão de cheques, seu computador, seu automóvel, sua câmera de vídeo e tudo o mais que lhe interessar terá capacidade de comunicação e localização. A nova internet de terceira geração disporá de uma infraestrutura que abrangerá hardware, software e serviços de modo a tornar viável a nova rede capaz de conexão de objetos físicos.
Há cerca de um ano, a Comissão Europeia abriu consulta pública para estimular a discussão e implementação de soluções que tornem realidade, antes de qualquer outra região do mundo, a Internet das Coisas.
Quase tudo está por ser desenvolvido e padronizado no âmbito dessa nova geração da web, mas o otimismo domina a maioria dos especialistas, quanto à viabilidade prática da Internet 3.0. Os objetos conectados terão impacto positivo tanto nos negócios como no processo de informação. Serão milhões de máquinas e objetos que trocarão informação automaticamente, dia e noite.

Evento: Bibliotecas para a Vida


0 Comentários

II Conferência Internacional Bibliotecas para a Vida, sobre “Bibliotecas e Leitura” conta com um conjunto diversificado de formatos de comunicação e actividades paralelas.
Local: Auditório da Univ. de Évora. Data: Évora 18-21 de Novembro de 2009.
A Biblioteca Pública de Évora cumpre duas missões: biblioteca patrimonial e de investigação geral, empenha-se na recolha, salvaguarda e divulgação de um rico patrimônio documental; como biblioteca pública, trabalha no sentido de facilitar o acesso da comunidade local à educação, à informação e ao conhecimento.
A Biblioteca de Évora, em 2005 celebrou 200 anos de existência, foi fundada pelo Arcebispo Frei Manuel do Cenáculo, um clérigo poderoso, generoso e culto, uma das figuras de maior relevo do Iluminismo Português. Évora é uma cidade portuguesa, , e situada na região Alentejo com uma população de cerca de 41 159 habitantes.
BIBLIOTECAS PARA A VIDA
Aspectos do programa científico:
» Conceitos, técnicas e práticas de promoção da leitura em bibliotecas» Promoção da leitura: bibliotecas públicas, escolares, universitárias e outras
» Perfis profissionais para a promoção da leitura
» O livro impresso: importância, presente, futuro » Leitura e Tecnologias de Informação e Comunicação
» Leitura, educação e desenvolvimento pessoal e social: o papel das bibliotecas
PROGRAMA
18 de Novembro 2009 09h45-10h30
Sessão de abertura 10h30-11h15
Paula Morão [Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas] A leitura – Cidadãos e pessoas, obrigação e prazer Resumo
11h45-12h30 Bob Usherwood [Universidade de Sheffield (UK)] CV Ignorance is not our heritage. Libraries and reading, a value judgment
14h30-15h00 Ann Poulsen [Danish Agency for Libraries and Media Danish initiatives for reading promotion
15.00-15.30 José Soares Neves [Observatório das Actividades Culturais] Práticas de promoção da leitura nas bibliotecas públicas
16h30-17h30 Comunicações livres (Comunicações aceites)
18h30 Inauguração da exposição “Prémio Nacional de Ilustração”
19 de Novembro
09h30-10h00 Manuela Barreto Nunes [Universidade Portucalense] Da Ilíada ao twitter, ou em busca da leitura perdida: perguntas e desafios para bibliotecas preocupadas com a promoção da leitura
10h00-10h30 Catuxa Seoane [Bibliotecas Municipais de A Coruña] Biblioteca 2.0: de la biblioteca expositiva a la biblioteca interactiva
14h30-15h30 Painel - Práticas de promoção de leitura Nuno Marçal [Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova] Crónicas de um bibliotecário ambulante por terras e gentes de Proença-a-Nova Susana Silvestre [Biblioteca Municipal de Odivelas] Leituras de berço: práticas de promoção da leitura com bebés dos 9 meses aos 3 anos e respectivas famílias Natália Caseiro [Escola Secundária de Domingos Sequeira, Leiria] Práticas de leitura dos jovens do ensino secundário - contributo para a sua compreensão
16h30-17h30 Continuação do Painel - Práticas de promoção de leitura Vera Silva [Biblioteca Municipal do Seixal] CV Bibliodomus, a leitura em casa Maria João Sampaio [Biblioteca Municipal Almeida Garrett (Porto)] Para que os meus filhos gostem de ler: histórias de leituras partilhadas Elisabete Fiel [ES/3 Campo Maior] @Ler e a Ler – Ecologias da leitura para todos os gostos
20 de Novembro
09h30-13h00 Workshops Leitores em grupo na "idade do armário" Ler a Dobrar Clube do Sr. B Web 2.0 e Bibliotecas Maleta de Contos Bibliotecas prisionais: Um lugar dos livros, da sua mediação e da leitura Planeta almalavras Comunicação Activa Expressão e criativa ConTapetes Financiamento da Cultura
14h30-15h00 Núria Ventura [Servicio de coordinación Bibliotecaria de la Diputación de Barcelona] El fomento de la lectura en Cataluña
15h00-15h30 Max Butlen [Universidade de Cergy-Pontoise, IUFM de Versailles (França)] A formação do leitor : Objectivos, tarefas e parcerias entre a sala de aula e as bibliotecas (escolares e públicas)
19h00 Apresentação das conclusões
CONTACTOS
Largo Conde de Vila Flor7000-804 Évora+351 266 769 330+351 266 769 331bpevora@bpe.pt
http://www.evora.net/bpe/Actividades/Conferencia/Conf.Intern.2009/Conf_2009_Inicial.htm

sábado, 5 de setembro de 2009

Clínica cura viciados em Internet


1 Comentários

Uma clínica norte-americana propõe-se a curar viciados em Internet com um tratamento que inclui um afastamento da rede global por 45 dias.

A reSTART, nascida em Seattle, nos EUA, é obra de uma terapeuta que já há vários anos tem tratado casos de pessoas viciados em Internet e jogos de vídeo. Hillary Cash registou o primeiro caso de vício neste género de situações em 1994, quando um paciente perdeu dois empregos e arruinou o casamento por jogar computador.

A terapêutica da clínica, que nasceu numa das áreas com mais empresas tecnológicas dos Estados Unidos da América, inclui aconselhamento psicológico e ajuda os pacientes a criar laços de amizade com os outros viciados, enquanto fazem tarefas domésticas, dão passeios a pé ou fazem exercício, refere o jornal britânico The Guardian.

Esta é a primeira clíncia do género nos EUA, mas a fundadora refere que em países como a China, Coreia do Sul ou Taiwan já existem sítios onde os viciados em Internet podem procurar ajuda.

Para quem suspeita que está viciado em Internet, Hillary Cash tem um questionário disponível online. Uma das questões é: “Sente exaustão crónica por dormir pouco, ganho de pesso por falta de exercício, saúde debilitada por má nutrição ou outro problema físico por estar demasiado tempo a navegar na Internet ou a jogar computador?”.

O tratamento custa cerca de 10 mil euros e prolonga-se por 45 dias de internamento num ambiente sem possibilidade de acesso à Internet.

Fonte: JN

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

40 anos de Internet


0 Comentários

Na semana em que se comemora 40 anos de Internet aqui fica um vídeo com a sua história:



Venda de computadores em Portugal aumenta 61,4 por cento


0 Comentários

Incentivada pelos programas e-escolinhas e e-escolas e pelo Plano Tecnológico da Educação, a venda de PCs em Portugal cresceu 61,4 por cento no segundo trimestre de 2009. (Saiba mais aqui e aqui)

Fragmento da Bíblia mais antiga é achado


0 Comentários

Fonte: O Globo. Data: 3/9/2009.
Datado de 350, ele foi encontrado por acaso na biblioteca de um monastério no Egito
Um fragmento do Codex Sinaiticus, considerado a Bíblia mais antiga do mundo, foi encontrado por acaso na biblioteca de um monastério egípcio. O achado foi feito por Nikolas Sarris, um acadêmico grego que participou do projeto de digitalização do Manuscrito Aleph, como também é conhecido o Codex.
O especialista inspecionava fotografias de uma série de encadernações compiladas no século XVIII por dois monges do monastério de Santa Catarina, no Monte Sinai, quando se deparou com partes do Livro, datadas de aproximadamente 350.
- Foi muito emocionante - diz Nikolas. - Como ajudei no projeto online, o Codex ficou fortemente impresso na minha memória.
Nikolas conta que começou a analisar as letras e colunas e percebeu que se tratava de um fragmento do Aleph. Acredita-se que o trecho encontrado, com apenas um quarto visível, pertence ao livro de Josué, Capítulo 1, Versículo 10.
Ao longo dos séculos, os monges do monastério de Santa Catarina reutilizaram com frequência pergaminhos antigos, devido a dificuldade de obter novos na região. Isso faz com que a descoberta seja ainda mais significativa, pois há ainda 18 outras encadernações compiladas pelos mesmos dois monges.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Cronologia dos 40 anos da internet


1 Comentários

Veja a cronologia dos 40 anos de história da internet
Fonte: Folha Online. Data: 2/09/2009.

Veja os marcos no desenvolvimento e crescimento da internet, que chega aos 40 anos nesta quarta-feira:
1969: Em 2 de setembro, dois computadores na UCLA (Universidade da Califórnia, Los Angeles) trocam dados sem sentido no primeiro teste da Arpanet, uma rede militar experimental. A primeira conexão entre dois locais --a UCLA e a Stanford Research Institute, também na Califórnia-- acontece em 29 de outubro, apesar de a rede ser interrompida após digitarem as duas primeiras letras da palavra "logon". A Universidade da Califórnia Santa Bárbara e a Universidade de Utah também se juntam à rede depois.
1970: A Arpanet chega à sua primeira ligação na costa leste dos Estados Unidos, na empresa Bolt, Beranek e Newman --agora BBN Technologies--, em Cambridge, Massachusetts.
1972: Ray Tomlinson traz também o e-mail à rede, escolhendo o símbolo "at" ou "@" como maneira de especificar endereços de e-mail pertencendo a outros sistemas.
1973: A Arpanet ganha suas primeiras ligações internacionais, na Inglaterra e Noruega.
1974: Vint Cerf e Bob Kahn desenvolvem a técnica de comunicações TCP, permitindo que múltiplas redes se compreendam, criando a verdadeira internet. Posteriormente, o conceito se divide em TCP/IP antes de sua adoção formal, em 1º de janeiro de 1983.
1983: O DNS (Domain Name System) é proposto. A criação de sufixos como ".com", ".gov" e ".edu" chega um ano depois.
1988: Um dos primeiros worms da internet, Morris, causa danos a milhares de computadores.
1989: A Quantum Computer Services, agora AOL, inaugura o serviço America Online para computadores Macintosh e Apple 2, começando uma expansão que acabaria por conectar cerca de 27 milhões de norte-americanos em 2002.
1990: Tim Berners-Lee cria a WWW (World Wide Web) enquanto desenvolvia maneiras de controlar computadores a distância na Cern (Organização Europeia para Pesquisa Nuclear).
1993: Marc Andreessen e colegas na Universidade de Illinois criam o Mosaic, primeiro navegador a combinar gráficos e texto em uma única página, abrindo a web para o mundo com um software fácil de usar.
1994: Andreessen e outros na equipe do Mosaic formam uma empresa para desenvolver o primeiro navegador comercial, o Netscape. Isso chama a atenção da Microsoft e de outros desenvolvedores que iriam investir no potencial comercial da web. Dois advogados da área de imigração apresentam o spam ao mundo, ao fazer propaganda de seus serviços de "green card lottery" --programa de distribuição de vistos norte-americanos.
1995: A Amazon.com abre suas portas virtuais.
1998: Google monta um projeto iniciado nos dormitórios de Stanford. O governo dos Estados Unidos delega a supervisão das políticas relacionadas a nomes de domínios para a Icann (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers). O Departamento de Justiça e 20 Estados acusam a Microsoft, criadora do onipresente sistema operacional Windows de abusar de seu poder de mercado, frustrando a competição com o Netscape e outros.
1999: O Napster populariza o compartilhamento de arquivos de música, levando a sucessores que mudaram permanentemente a indústria das gravadoras. A população usuária de internet no mundo ultrapassa 250 milhões de pessoas.
2000: O "boom" das empresas de tecnologia dos anos 1990 dá lugar à explosão da bolha do setor. A Amazon.com, eBay e outros sites são seriamente prejudicados em um dos primeiros usos em larga escala do ataque de negação de serviço, que enche um site com tanto tráfico falso que usuários de verdade não conseguem visitá-lo.
2002: A população usuária de internet do mundo ultrapassa 500 milhões de pessoas.
2004: Marck Zuckerberg inicia o Facebook, em seu segundo ano de curso na Universidade Harvard.
2005: É inaugurado o site de compartilhamento de vídeos YouTube.
2006: A população usuária de internet do mundo ultrapassa 1 bilhão de pessoas.
2007: A Apple lança o iPhone, trazendo o acesso a internet sem fio a mais milhões de pessoas.
2008: Os usuários de internet do mundo ultrapassam 1,5 bilhões de pessoas. O total só na China chega a 250 milhões, ultrapassando os Estados Unidos como o país com a maior população usuária de internet do mundo. Os desenvolvedores do Netscape interrompem o navegador pioneiro, embora seu "sucessor", Firefox, permaneça forte. Importantes companhias aéreas intensificam o uso de serviços de internet nos voos.
2009: O "Seattle Post-Intelligencer" torna-se o primeiro grande jornal diário a ficar exclusivamente online. O Google anuncia o desenvolvimento de um sistema operacional com foco na web.

"Os Lusíadas" na internet


0 Comentários

Biblioteca Nacional foi a primeira a disponibilizar fac-símile de "Os Lusíadas"
Fonte: Publico. Data: 1/9/2009.
URL: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1398631&idCanal=14
A Biblioteca Nacional de Portugal (BN) informou hoje que o fac-símile digital da primeira edição de "Os Lusíadas", de 1572, foi disponibilizado pela BN na Europeana desde o lançamento desta em 2008. Esta obra encontra-se disponível na Internet desde Fevereiro de 2002, quando a BN inaugurou a Biblioteca Nacional Digital (BND).
A informação da BN surge na sequência de notícias difundidas recentemente na comunicação social segundo as quais foi a Biblioteca Nacional de Espanha que em 2007 disponibilizou pela primeira vez aquela obra em formato digital. A mesma edição de "Os Lusíadas" também passou a estar disponível, desde 2005, no serviço The European Library (www.theeuropeanlibrary.org), o portal das bibliotecas nacionais da Europa que congrega os respectivos catálogos e permite aceder a obras já disponíveis em formato digital.A Biblioteca Nacional de Portugal (www.bnportugal.pt) lembra ainda que é membro da Biblioteca Digital Europeia - Europeana (www.europeana.eu) - desde a sua fundação e que além de manter, desde a fase de projecto, uma participação efectiva no desenvolvimento técnico e organizacional da Europeana, disponibiliza, automaticamente para aquele portal todos os conteúdos da Biblioteca Nacional Digital. Contudo, a recolha, publicação e indexação dos dados da BND é da responsabilidade da administração dos sistemas que suportam a Europeana, pelo que a BN não pode interferir na frequência da sua actualização. A Biblioteca Nacional Digital (htto:// bnd.bnportugal.pt) disponibiliza cerca de 11.000 obras digitalizadas, num total de mais de 620.000 imagens. No primeiro semestre de 2009, este serviço teve um acréscimo de conteúdos de 24 por cento relativamente a Dezembro de 2008 e a média de acessos às obras digitalizadas foi superior a 600.000 por mês. Entre os projectos em curso na Biblioteca Nacional Digital, a BN destaca a digitalização sistemática de incunábulos (tipografia do século XV) e dos impressos portugueses dos séculos XVI e XVII, que estão numa fase adiantada de execução. Sublinha ainda a digitalização de todo o espólio documental de Fernando Pessoa à guarda da BN, do qual já está disponível a totalidade dos Cadernos do Poeta (29 espécies), o original de "Mensagem", as obras de Alberto Caeiro (http://purl,pt/1000/1/), e o espólio de Camilo Pessanha, que estará acessível a partir do próximo mês. À medida que são publicados na Biblioteca Nacional Digital, estes conteúdos passam também a estar disponíveis na Europeana.

Alemanha faz objeções à publicação de livros online pelo Google


0 Comentários

Fonte: O Globo. Fonte original: Reuters. Data: 01/09/2009.
URL: http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/09/01/alemanha-faz-objecoes-publicacao-de-livros-online-pelo-google-767417047.asp
BERLIM (Reuters) - O governo alemão enviou a um tribunal de Nova York argumentos por escrito contra os planos do Google de publicar milhares de livros escaneados online, afirmou o Ministério de Justiça do país nesta quinta-feira.
O Google firmou um acordo com grupos de autores e de editoras nos Estados Unidos permitindo que copie livros para colocar na Internet, mas o acordo vem recebendo muitas críticas.
A Alemanha reclama que o Google escaneou livros de bibliotecas norte-americanas para formar sua base de dados sem consultar os donos dos direitos, e também há preocupações de que o serviço possa sair caro para as bibliotecas, uma vez que não é certo quanto o Google irá cobrar.
"Esperamos que o tribunal não aprove o acordo, ou que pelo menos remova autores e editoras alemãs... para que não sejam afetados", disse a Ministra da Justiça alemã Brigitte Zypries em comunicado do ministério.
Caso isso aconteça, os alemães poderão decidir por si próprios se querem ou não deixar suas obras disponíveis ao Google.
Autoridades alemãs participarão de uma audiência em 7 de outubro para discutir se o acordo é justo ou não, informou o ministério.
Na semana passada, a comissária de mídia da União Europeia disse que apoia o acordo.
(Reportagem de Madeline Chambers)

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Buscas na web crescem 41% em um ano


0 Comentários

Fonte: IDG Now. Data: 31/08/2009.
A Europa foi a região responsável pela maior quantidade de pesquisas no mundo.
A quantidade de buscas na internet realizadas no mês de julho atingiu 113 bilhões no mundo, 41% a mais que no mesmo período de 2008, de acordo com estudo divulgado pela consultoria comScore nesta segunda-feira (31/8).
A Europa foi a região responsável pela maior quantidade de pesquisas - 32,1% do total -, seguida pela Ásia/Pacífico (30,8%) e América do Norte (22,1%). A América Latina aparece na quarta posição, com uma fatia de 9,3%.
Em busca per capita, no entanto, o mercado latino-americano lidera, com uma média de buscas de 130,4 pesquisas por internautas em julho de 2009, superior ao índice global, de 103,3. O segundo posto é ocupado pela Europa ( 116,9%). Na terceira posição está a América do Norte ( 110,6%) e em quarto, a Ásia/Pacífico (84,7%). Segundo a comScore, o Google permanece como líder nesse mercado, com 67,5% de participação, somando 76,7 bilhões de buscas feitas a partir de seu mecanismo em julho deste ano. Em um ano, o total de pesquisas no buscador cresceu 58%.
Já o Yahoo registrou 8,9 bilhões de buscas, o que lhe garantiu uma participação de 7,8% no mercado. Na sequência está o mecanismo chinês Baidu, com 8 bilhões de pesquisas, ou 7% do setor. A Microsoft veio em seguida, com 3,3 bilhões de buscas pelo mundo feitas no seu mecanismo Bing.
A comScore considerou internautas com 15 anos de idade ou mais, conectados de suas residências ou do trabalho. A avaliação inclui mais de 150 mecanismos de buscas em 37 países.

Arquivo

Categorias