sábado, 1 de agosto de 2009

Biblioteca na parada de ônibus




Conheça quem viaja pelas bibliotecas das paradas de ônibus da Asa Norte
Autora: Nahima Maciel . Data: 21/06/2009.
Fonte: Correio Braziliense (Brasília, DF).
Para Paulo Ricardo Chaves, biblioteca é uma estante de ferro cheia de livros usados que vai do teto ao chão na parada de ônibus da 710 Norte. Nela tem Rapunzel, um rio cearense cujo nome não lembra, matemática adiantada destinada aos "meninos espertos" e historinhas para contar ao irmão de quatro anos. Cada livro vem marcado com o carimbo Açougue Cultural T-Bone e Paulo Ricardo nem liga para o fato de pertencerem a um açougue. Todas as manhãs, enquanto a mãe atende os clientes no quiosque de lanches ao lado da parada, o menino cuida de uma banquinha de bijuterias baratas. Gosta tanto de vender seus produtos quanto de investir o tempo de folga nos livros da Parada Cultural.
Paulo Ricardo tem apenas 9 anos e uma desenvoltura que deixaria Luiz Amorim, criador do projeto que levou seis mil livros às 35 paradas da W3 Norte, espantado. O menino ainda não cita Platão e Rousseau, como Amorim aprendeu nos tempos de dificuldades no pequeno açougue da 312 Norte. Não sabe que alguém formulou um dia que o homem nasce bom. Talvez nem venha a saber, mas já pratica muito do que pregaram os filósofos adorados pelo açougueiro e inspiradores do projeto.

"Eles disseram que podia pegar, levar para casa e devolver", diz o estudante Paulo Ricardo, de 9 anos
A cidadania de Paulo Ricardo - que faz questão de devolver os livros e ajudar a mãe a ensinar o público o método de empréstimo da biblioteca popular - é de dar lição. "Quando eles vieram instalar as estantes eu logo perguntei como é que era. Eles disseram que podia pegar, levar para casa e devolver depois. Gosto de ler história e contos de fadas. Já achei aqui até a Rapunzel!", conta o menino, que mora em Santa Maria e estuda na Asa Norte.
O leitor das bibliotecas populares é heterogêneo. "Noventa por cento dos usuários são pessoas que moram em outras cidades do DF e com interesses muito diversificados", explica Amorim. Um giro pelas 35 paradas demonstra que há predomínio de livros técnicos, revistas e publicações didáticas. Literatura fica em quarto lugar, mas isso não incomoda o açougueiro filósofo, que sabe das dificuldades da literatura em Brasília. Mas se anima: "Quando colocamos os livros todo mundo dizia que as pessoas iriam roubar, tocar fogo. Ninguém fez isso. O projeto mexe com um nível de consciência do cidadão."
A professora aposentada Erly Lobo, 68 anos, faz parte de um time de anônimos que confirma a afirmação de Amorim. Moradora da 312 Norte e leitora assídua da parada da quadra, ela fica nervosa quando avista a estante bagunçada. Enquanto espera o ônibus, arruma os livros. O que mais a perturba é quando alguém deixa um volume em cima do banco empoeirado ou senta em cima. "Sou muito chata com a arrumação na minha casa e ali também, quero tudo arrumado", brinca, ao encarar a pequena biblioteca como um extensão da própria casa. Erly também é doadora incondicional. Foi nas estantes da 712 que deixou, por exemplo, dois exemplares do livro de poemas da sobrinha Larissa Malty.
Etiquetas
Na parada da 715 Norte, a estudante Morgga de Azevedo, 19, mata o tempo de espera do ônibus para o Cruzeiro folheando revistas. Nada a ver com o curso técnico de radiologia da moça, mas serve para distrair. Morgga faz isso todo dia. E sempre devolve o livro ou a revista quando o ônibus chega. Até a semana passada não sabia que podia carregar os livros para casa, apesar das etiquetas coladas por Amorim em todos os cantos da estante. "Sempre puxo um livro, gosto muito de literatura, de contos. Só que é difícil achar um", lamenta.
Na 708/709, Rogério Santana, 33, nem percebeu a estante. As prateleiras vazias não ajudaram muito. Quando questionado pela reportagem, decidiu alcançar uma entre a meia dúzia de revistas espalhadas pelas prateleiras. "Geofísica? Complicado de ler em uma parada de ônibus, não?"
Para evitar o vazio, Amorim costuma repor as bibliotecas às terças e quinta-feiras com as 1.000 doações recebidas a cada semana. A preocupação maior não é doutrinar uma pessoa para a literatura, mas democratizar a leitura e permitir o contato com o livro a quem nunca esteve em uma biblioteca pública. O maior problema do projeto hoje não é o conteúdo dos livros, mas a manutenção das paradas, que estão velhas, sujas e mal iluminadas. "Nós fizemos a nossa parte. Agora bem que o GDF podia abraçar o projeto e melhorar as paradas", convoca o açougueiro.
* 2 anos de projeto
* 3 mil livros por dia são emprestados. Doações: T-Bone, 312 Norte
* 35 paradas de ônibus da Asa Norte possuem uma estante
* 500 livros em média, por parada
* 3 funcionários cuidam do acervo
* R$ 25 mil é o valor anual do patrocínio da Petrobras para o projeto
Comentário:
Este é um projeto inovador, Enquanto espera o transporte coletivo o cidadão pode ler e/ou levar emprestado um livro sem nenhuma burocracia ou registro formal. É uma ação coordenada por um açougueiro de Brasília que está tentando amenizar a falta de bibliotecas públicas nos diversos bairros da capital brasileira. É claro que essa atividade não resolve o problema de acesso à informação por parte do morador de Brasília. Mas, ela é positiva e deve ser divulgada. O Estado não pode ficar ausente na promoção da leitura e da informação aos seus cidadãos -- pagantes de altos impostos. Será que a omissão do Estado fará com que o padeiro ou o farmacêutico também disponibilizem bibliotecas públicas no Brasil?
Murilo Cunha

Arquivo

Categorias